Ganso faz partida genial, São Paulo luta e vence no Chile

Do nome à aparência, o visual bucólico em volta, o estádio do CAP, sede do Huachipato (CHI), lembra aqueles campos típicos em joguinhos de videogames antigos. Quando a transmissão abria a câmera, então, a impressão de estar vendo uma partida de “Winning Eleven” se reforçava. Era o palco perfeito para o São Paulo carimbar sua vaga às quartas de final da Copa Sul-Americana. Na vitória de 3 a 2 sobre os chilenos (já tinha vencido o primeiro jogo por 1 a 0), nesta quarta-feira, no Chile, o Tricolor jogou uma partida de videogame, em que a realidade foi, muitas vezes, virtual.

Quem mais sintetizou com perfeição esta ideia foi Paulo Henrique Ganso. O camisa 10 jogou o fino. Parecia obedecer a comandos simples, em que o clicar de um botão é suficiente para colocar a bola no ângulo ou um companheiro na cara do gol.

Ganso não tem um triângulo – botão utilizado nos jogos para o passe em profundidade -, mas teve a canhota para deixar Pato em ótimas condições antes de Michel Bastos, no rebote, abrir o placar. Ganso estava no campo do adversário, lotado com dez mil ingressos vendidos antecipadamente, mas parecia estar no sofá de casa, ao fazer o segundo gol do São Paulo. A categoria para finalizar a jogada que ele mesmo iniciou  e passou por Kardec foi qualquer nota. De videogame.

Antes, ainda no primeiro tempo, o meia viu Vilches aproveitar bobeira da defesa são-paulina para marcar o tento que conferiu um pouco de alegria aos chilenos. Mas era pouco, muito pouco, como se o Huachipato jogasse no nível amador e o São Paulo, no profissional.

A impressão da partida de videogame foi reforçada quando um simpatico cão apareceu no gramado. Hoje em dia, não se fazem jogos com tal invasão, mas quem se divertiu na década de 1990 há de lembrar de cena parecida.

O segundo tempo trouxe uma realidade mais crua. Com um a menos pela injusta expulsão de Denilson (por que não se fazem árbitros como no videogame, computadorizados?), o São Paulo tirou o pé e apenas administrou a vantagem. Tomou alguns sustos, como na bola na trave de Espinosa, e no gol no fim de Sagal. Mas parecia jogar com o primo iniciante, com certeza da vitória,  deixando a bola rolar apenas por respeito e para dar graça. Tanto que, logo depois do empate, Boschilia fez o seu primeiro como profissional e decretou a vitória.

Na próxima fase, o Tricolor vai enfrentar o vencedor de Goiás e Emelec (EQU), confronto que será decidido ainda esta noite. O primeiro jogo será no dia 5 de novembro. Antes, a equipe foca em outra realidade, essa muito mais dura. No próximo sábado, encara o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro, com o sonho de alcançar o líder e virtual campeão Cruzeiro. Se servir de alento, o videogame pode ser inspiração para tirar os sete pontos de vantagem…

FICHA TÉCNICA

HUACHIPATO (CHI) 2 X 3 SÃO PAULO

Local: CAP, em Talcahuano (CHI)
Data/Hora: 15/10/2014 – 19h30
Árbitro: Antonio Arias (PAR)
Auxiliares: Rodney Aquino (PAR) e Carlos Caceres (PAR)
Público/renda: Não disponíveis

Cartão vermelho: Denílson, aos 36’/1°T
Cartões amarelos: Espinoza (HUA); Michel Bastos (SÃO) e Alan Kardec
Gols: Michel Bastos (9’/1°T), Vilches (20’/1°T), Ganso (22’/1°T), Sagal (43’/2ºT) e Boschilia (45’/2T)

HUACHIPATO: Jiménez, González (Martin Rodriguez, intervalo) Merlo, Muñoz e Vejar; Ezquerra (M. Sánchez 13’/2ºT), Arrué, Povea (Carlos Espinosa, aos 40’/1°T), Espinoza; Sagal e Vilches. Técnico: Mário Salas

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Paulo Miranda, Antonio Carlos, Edson Silva e Alvaro Pereira; Denilson, Hudson, Michel Bastos e Ganso (Boschilia, aos 41’/2°T); Pato (Osvaldo, aos 33’/1°T) (Lucão, aos 26’/2°T) e Alan Kardec. Técnico: Muricy Ramalho.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*