Foi histórico! Reação após pior fase é espelho para Ceni contra o Cruzeiro

A letra é consagrada na música popular brasileira e serve de inspiração para Rogério Ceni. Como goleiro do São Paulo, quantas vezes ele não precisou levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima para seguir no caminho da glória? Uma delas, talvez a mais emblemática, se deu contra o Cruzeiro, adversário deste domingo, às 16h, pela estreia no Campeonato Brasileiro no Mineirão.

O São Paulo de Ceni sofreu um duro golpe na última quinta-feira, ao ser eliminado da Copa Sul-Americana para o modesto Defensa y Justicia (ARG) no Morumbi. Foi a terceira queda no ano, em um mês, uma delas para o próprio Cruzeiro. Ceni sabe que precisa de reação rápida e pode voltar ao ano de 2006 para dar sua primeira volta por cima como treinador.

Naquele ano, no dia 16 de agosto o ex-goleiro viveu um dos capítulos mais tristes de sua carreira. No segundo jogo da final da Libertadores, contra o Internacional, falhou feio em um dos gols do empate por 2 a 2, resultado que deu o título aos gaúchos. A reação, no entanto, veio rápida e de maneira histórica. O jogo seguinte, quatro dias depois, foi justamente contra o Cruzeiro, e ficou marcado como o dia em que Ceni se tornou o maior goleiro-artilheiro da história do futebol, recorde mantido até hoje.

No duelo pelo Brasileiro, também no Mineirão, ele fez dois gols e ainda defendeu um pênalti. Mas não foi “simples” assim. As condições tornaram o feito ainda mais emblemático. Isso porque o Cruzeiro chegou a abrir 2 a 0 no primeiro tempo, quando teve a penalidade. Seria 3 a 0 e ponto final. Mas Ceni começou a escrever uma página histórica. Depois da defesa, fez um gol de pênalti e outro de falta. Chegou a 64 gols, superando o paraguaio Chilavert.

Os tempos são outros, hoje Ceni está na beira do gramado comandando o time, mas aquela data especial muito provavelmente estará na preleção do treinador no Mineirão. Afinal, no mesmo palco, contra o mesmo adversário, o ex-goleiro saiu de uma grande dor para iniciar uma nova etapa vitoriosa: o Tricolor acabou arrancando para o tri brasileiro consecutivo entre 2006 e 2008.

 

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*