Feliz com resultado, Muricy relembra dias no hospital: “Deu para refletir”

Mais do que a vitória sobre 1 a 0 sobre o Atlético-PR, nesta quarta-feira, no Morumbi, pelo Brasileirão, a entrevista coletiva do técnico Muricy Ramalho foi dominada por um assunto: o susto tomado pelo treinador pela arritmia cardíaca que o levou para a UTI e o fato de ter voltado a comandar o time após três partidas.

– É claro que hoje me lembrei de todos os dias que fiquei no hospital. É só em momentos como esse que você faz reflexão. A gente vem no embalo desde o ano passado, com a nossa situação lutando contra rebaixamento e depois com a reformulação feita. Eles (médicos) me entubaram, colocaram coisa no meu nariz. Nunca tinha passado por isso. Tenho três filhos, nunca fico com eles. Meus amigos, não vejo há muito tempo. Realmente, vou mudar algumas atitudes – afirmou.

Veja abaixo os melhores momentos da coletiva do treinador:

Recomendações médicas
O que eles me falaram, pela quantidade de exames que fiz, é que era estresse. Não tem nada grave, fiquei quatro dias fazendo exame. É o que todo mundo fala, ficar tranquilo no futebol é difícil, mas tenho que realmente ter cuidados. Melhorar, mudar algumas atitudes. Fui liberado para o jogo. Não vou fazer mais isso, tenho família.

Jogo
Fizemos um bom primeiro tempo, mas reconheço que não foi um grande jogo. Nós estamos em uma sequência grande de jogos e com time bastante mexido. Quando joga todo mundo é um bom time porque já tem entrosamento. Importante foi o resultado. Não foi um grande jogo. Partida de muita marcação, time correu demais.

Desfalques
É difícil falar sobre isso, mas no banco tinham muitos meninos. Boschilia é o único que tem um pouco mais de personalidade. Não tínhamos zagueiro. Conversávamos antes do jogo e se precisasse iríamos improvisar o Denilson atrás. Isso é o calendário apertado do futebol brasileiro. Na Europa eles são sérios e organizados. Hoje à tarde procurei jogo na Europa e não achei. Eu não tenho que reclamar das convocações. Tenho de reclamar que o campeonato não para. A gente vai levando, vamos brigar até o final.

Luis Fabiano e suas reclamações
Primeiro que também respeito a opinião dele. Só que o técnico escala o time, escalo o que penso. Não tenho preferência por ninguém. Joga o que eu achar melhor para o time. Melhorou, tem de respeitar. Se criar caso, serei o primeiro a chamar para conversar. Ele é explosivo, é o jeito dele. Da multa não vou falar porque não fui eu que mandei multar, foi uma decisão do clube. Todo mundo está à disposição dele para ajudar. Entrou hoje, brigou bastante, mas sabe que tem de estar preparado. Não tem negócio de ficar com bico. Quando tiver oportunidade, vai ter de jogar muito. É duro ficar fora, mas essa é a vida do profissional. Ele perdeu a oportunidade que tinha na Sul-Americana.

Aposentadoria
Eu poderia encurtar se aparecesse alguma coisa no exame. Eu sairia do hospital para a minha casa. Sou responsável por uma família. Se existe a garantia do médico, eu vou continuar. Não tenho intenção de parar agora, eu quero acabar meu contrato com o São Paulo até dezembro de 2015. Aí depois, vou pensar.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*