Exemplo ao lado: Araruna pode ver Militão para recuperar confiança

Nessa quinta-feira, Araruna foi sacado por Dorival Júnior no intervalo do empate por 2 a 2 diante da Chapecoense, no Pacaembu. O jogador, visivelmente, sentiu a pressão de torcedores do São Paulo, que se indignaram com sua atuação e passaram a vaiá-lo intensamente sempre que ele tocava na bola. Mas um exemplo de superação para o meio-campista de origem está exatamente em quem ele substituiu: Éder Militão.

Aos 19 anos de idade, em sua primeira temporada como profissional, Militão alternou-se como zagueiro e volante na base do Tricolor. Logo agradou Dorival Júnior. Foi titular na zaga, substituindo o suspenso Rodrigo Caio, contra o Bahia, e no jogo seguinte, em 13 de agosto, era titular, barrando Jucilei contra o Cruzeiro, atuando como volante. Mas pouco agradou e, diante de um dos maiores públicos do Brasileiro, foi intensamente vaiado no Morumbi.

Como ocorreu com Araruna nessa quinta-feira, Militão foi sacado no intervalo da partida contra o Cruzeiro. Mas não perdeu a confiança de Dorival, e deu a volta por cima. O técnico gosta tanto de seu poder de marcação que lhe arrumou vaga como lateral-direito, e o garoto voltou a ser titular já em 9 de setembro, contra a Ponte Preta, iniciando uma sequência de nove jogos seguidos como titular até sofrer estiramento na coxa esquerda.

Araruna ganhou a chance nos dois últimos jogos exatamente por conta da lesão de Militão. Aos 21 anos de idade, ele é meio-campista, acumulou títulos na base e é considerado uma das principais promessas vindas de Cotia. Já tinha atuado como lateral-direito sob o comando de Rogério Ceni no profissional e retomou à posição com Dorival Júnior, sob tanta confiança que Buffarini, especialista na função, ficou no banco de reservas.

O camisa 28 também estreou como profissional apenas neste ano, durante a pré-temporada da equipe nos Estados Unidos, em janeiro. Pode até perder a posição neste domingo, contra o Vasco, em São Januário, mas, como já ocorreu com Militão, deve continuar apoiado por Dorival. O técnico até o elogiou e pediu calma à torcida com Araruna, que vem sofrendo com contusões.

– Ele acabou de voltar de lesão, sentiu demais no sábado (contra o Atlético-GO), e, contra a Chapecoense, também. Precisamos ter calma e paciência. O torcedor sabe que ele tem qualidade, é questão de tempo. Ele errou, mas apareceu, procurou estar próximo. Jogador mostra personalidade em momentos assim, complicados. Precisamos ter calma e tranquilidade com esses jogadores promissores – disse o treinador.

 

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*