Entre gravata e chuteira: o trabalho de Ricardo Rocha no SP

Na última quinta-feira, o São Paulo anunciou Ricardo Rocha como coordenador de futebol do clube. Como o cargo foi recém-criado, ainda há dúvidas entre os torcedores sobre como será o trabalho do ex-zagueiro campeão do mundo com a seleção brasileira em 1994 e campeão brasileiro com o próprio Tricolor em 1991. Mas uma frase pode resumir a função: Ricardo atuará “entre a gravata e a chuteira”.

Isso significa que o coordenador flutuará entre elenco, comissão técnica e diretoria. Será o elo entre as três partes. Com a comissão, por exemplo, poderá ajudar Dorival Júnior a estruturar uma metodologia de treinos e até de estilo de jogo. Essa foi uma ideia mostrada quando Raí foi apresentado como diretor-executivo de futebol: estabelecer uma forma clara para o São Paulo jogar e que evite mudanças drásticas se um dia o comando técnico for alterado.

Com os jogadores, o trabalho de Ricardo, que deixou o cargo de comentarista no canal SporTV, será mais voltado a questões motivacionais. Desde os tempos de jogador, o ex-zagueiro se destacava por conseguir agregar os companheiros com discursos de motivação e que ajudavam a espantar a pressão. Agora, servirá para dar conselhos, ter conversas privadas, tirar dúvidas e servir de ponte para o diálogo com Raí, outros dirigentes e o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva.

Para os cartolas, o bom trânsito de Ricardo no futebol pode ser usado como trunfo na hora de fazer contatos para negociar jogadores. Até em seu vídeo de apresentação, divulgado pela SPFCtv, o coordenador falou sobre sua rede de relacionamento: “Serei um elo entre campo e direção. E tem meu conhecimento de futebol, de três anos e meio na imprensa, conhecimento fora de campo, conhecendo muita gente no Brasil e fora. O relacionamento não é só em campo, motivando jogadores, mas fora também”.

Assim, Ricardo ajudará a expor o planejamento da diretoria e as ideias da comissão técnica aos atletas. Mas ao mesmo tempo em que estará vinculado às três partes, o coordenador estará em posição “recortada” para evitar desgastes pessoais. Ou seja, por mais que ajude a formular os treinos, não caberá a ele dar broncas nos atletas. Por mais que ajude a entender desejos dos jogadores, não será incumbido de sentar para negociar renovações contratuais.

 

Fonte: Uol

2 comentários em “Entre gravata e chuteira: o trabalho de Ricardo Rocha no SP

  1. Melhor do que trazer o Raí foi trazer o Ricardo Rocha (claro que só veio por causa do Raí), essa dupla sim vai colocar o tricolor nos eixos, quando li a notícia do Ricardo Rocha fiquei muito empolgado, as coisas vão voltar a ser como antes, vamos voltar a ser vencedores. Para fechar um trio de ouro só faltou o Muricy trabalhando em um departamento de planejamento ao lado do Raí.

  2. Está certo o Raí, primeiro arrumar a casa para depois começar a atuar, com competência e segurança. Tenho observado que times com boa diretoria consegue bons resultados, caso do Botafogo, Chapecoense, mais embaixo Londrina, Paraná Club e por ai vai. Tem que haver justiça entre os salários e pagamento em dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*