Empate melancólico deixa São Paulo mais longe do título

“Não é mole, não. Eu estou cansado de time amarelão”. Esse foi o tom dado pela torcida tricolor após o empate por 0 a 0 diante do Atlético-PR, diante de 13.053 pessoas no gelado estádio do Morumbi. O resultado levou o jejum de vitórias do São Paulo para seis rodadas no Campeonato Brasileiro e manteve o Furacão com péssimo retrospecto longe de seus domínios (9 derrotas e 6 empates).

A igualdade, além de elevar a pressão sobre os paulistas, deixou o ex-líder na quarta colocação, com 53 pontos, seis atrás do Palmeiras, que ainda entrará em campo nessa 30ª rodada. Os paranaenses, por sua vez, ficam com 40 pontos, na oitava posição.

Como já se suspeitava na véspera, Além de Anderson Martins e Bruno Peres, suspensos, Diego Aguirre barrou Nenê e Jucilei do time titular. Luan e Gonzalo Carneiro foram os escolhidos pelo treinador na busca pela eficiência de outrora. O Atlético-PR, por sua vez, surpreendeu apenas ao deixar Lucho González no banco de reservas.

Na prática, nenhuma das duas equipes conseguiu executar bem sua estratégia de jogo durante o primeiro tempo. A temperatura baixa no Morumbi pode ter contagiado os jogadores em campo, responsáveis por nenhuma bola ter ido a gol até o intervalo.

O único lance de perigo nos 45 minutos iniciais partiu do grandalhão atacante uruguaio do São Paulo. Uma saída de bola errada dos zagueiros paranaenses deixou a bola nos pés de Carneiro. Com sua passadas largas, o jovem aplicou um lindo drible da vaca em Paulo André e cruzou. Diego Souza saltou o quanto pôde, suficiente apenas para pegar de casca de cabeça e mandar a bola no travessão.

Foi só. O São Paulo ficou menos de 40% do tempo com a bola sob seu domínio, não chegou a 100 passes trocados e viu o adversário cozinhar a partida no restante. Uma pixotada do goleiro Jean que rumou à lateral ao ter a bola recuada resumiu bem o tamanho da frustração dos são-paulinos nas arquibancadas com o que estava sendo apresentando.

As escalações se perpetuaram para a etapa final. A postura, entretanto, mudou. Os donos da casa passaram a se impor, principalmente no campo de ataque, diante de uma equipe paranaense cada vez mais permissiva e passiva.

As jogadas mais agudas, que levavam algum tipo de perigo ao gol de Santos, continuavam dependendo da inspiração de Gonzalo Carneiro, o melhor no gramado. Disposto, voluntarioso e com bons recursos técnicos, o conterrâneo de Aguirre aplicou chapéu, roubou bola no meio de campo, armou pelo menos três contra-ataques. Só não conseguiu colocar a bola na rede e nem contou com a colaboração de seus companheiros.

Nenê, então, foi chamado aos 22 minutos para tentar, literalmente, resolver o problema. Sobrou para Diego Souza. O esquema mudou, e o jogo também. Antes burocrática e lenta, a partida ficou aberta e elétrica.

Em pouco tempos, os dois times desperdiçaram chances claras de gols. Rojas não aproveitou saída errada de Santos com os pés, Pablo cabeceou bola no travessão de Jean, Nikão só não foi às redes por causa de um desvio da zaga tricolor e, por Nenê, arriscou e viu sua bola despretensiosa também tocar a trave.

Apesar dos pesares, o apito final decretou o 0 a 0, aumentou ainda mais o tormento do São Paulo e manteve o Furacão como um visitante que pouco incomoda. As atenções, então, ficaram com parte da torcida tricolor, que não escondeu sua insatisfação e protestou. “Não é mole, não. Eu estou cansado de time amarelão”, gritaram os organizados.

Nesse clima melancólico, os são-paulinos passarão a semana toda trabalhando para o próximo desafio, contra o Vitória, no Barradão, às 19h30 de sexta-feira. No dia seguinte, o Furacão receberá o Botafogo, às 21h, na Arena da Baixada.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 0 X 0 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 20 de outubro de 2018, sábado
Horário: 19 horas (Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols (PE)
Assistentes: Clóvis Amaral da Silva (PE) e Cleberson Leite (PE)
Cartões amarelos: Edimar, Nenê (SP); Santos, Nikão (CAP)
Renda: R$ 495.527,00 bruta (renda líquida: R$ 242.761,49)
Público: 13.053 pessoas

SÃO PAULO: Jean; Araruna (Liziero), Arboleda, Bruno Alves e Edimar; Luan, Hudson e Gonzalo Carneiro (Tréllez); Joao Rojas, Reinaldo e Diego Souza (Nenê)
Técnico: Diego Aguirre

ATLÉTICO-PR: Santos; Jonathan, Paulo André, Léo Pereira, Renan Lodi; Wellington, Bruno Guimarães, Raphael Veiga (Lucho) e Marcelo Cirino (Marcinho); Nikão e Pablo
Técnico: Tiago Nunes

5 comentários em “Empate melancólico deixa São Paulo mais longe do título

  1. Sem Militao na direita, o time perdeu consistência defensiva.
    Sem Éverton o time perdeu seu melhor jogador, que ajudava muito na armação do time além de ser o cara da assistência.

    O elenco curto sepultou nossas chances de título.

    Agora é hora de reorganizar a equipe pra garantir a pré libertadores e montar o elenco para o próximo ano. Ou seja, exatamente o que era previsto no início do ano.

    Sobre Aguirre sou totalmente contra improvisar jogadores. Você tira o jogador da posição na qual estava voando, lógico que ele joga mal… depois volta pra posição de origem sem confiança e o bom futebol não volta.

    Prefiro colocar o reserva da posição e ele jogar mal, do que comprometer o time todo prejudicando algumas peças que estavam bem.

    A má fase do Reinaldo e do Nene começou quando Aguirre começou a escalar eles na função do Éverton. Acredito que se tivesse insistido em um reserva da posição no caso o Caique, ou o Éverton Felipe depois de 3,4 jogos ele poderia pegar ritmo sem prejudicar os outros jogadores que vinham bem.

  2. TÉCNICO IMPROVISADOR QUE GOSTA DE INVENTAR MERDA,MEDÍOCRE,RETRANQUEIRO QUE É BANCADO PELA DUPLA RAÍ/RICARDO ROCHA QUE COMO DIRIGENTES DE FUTEBOL SÓ ENTERRA O S.PAULO,TORCIDA NÃO VÁ MAIS AO MORUMBI ENQUANTO TIVERMOS ESTES CARAS NO COMANDO.TIRA O CARNEIRO QUE ERA MELHOR JOGADOR,COLOCA TRELLES,GOSTA DE REPETIR A MESMA MERDA EM TODAS AS PARTIDAS,E SÓ LEVA FERRO.COM SEMANA CHEIA O TIME ESTÁ DOENTE,AGORA COM SEMANA CURTA VAI LEVAR UMA LAMBADA DO VITÓRIA,AGUIRRE PEDE PRA IR AO BANHEIRO E DESAPAREÇA !!!!

  3. Verdade Alexandre time ruim porcaria tbm não saio de casa pra ver essa bosta joga esses jogadores lento tiveram sorte no primeiro turno se não tava lutando pra não cair time bosta porcaria .

  4. Trouxa quem paga pra ver esse timeco medíocre, montado por gente incompetente, conselheiros safados e um treineiro com carreira medíocre como esse Aguirre.
    Estamos sendo enganados desde 2010 pela turminha pilantra do Juvenal que ainda está no poder.
    Eles não estão preocupadosem ganhar títulos, estão pensando em vender jogadores, principalmente da base, contratar pangares pagando altos salários e técnicos medíocres como esse Aguirre que eh amiguinho do Raí e Lugano, ou seja, competência passa longe.
    Chega de ser enganado, deixem o Morumbi às moscas que eu quero ver se não tomam providências.

    Esses ratos que enriqueceram as custas do SPFC desde a volta do TRASTE do Juvenal, que vão tudo pro inferno junto do canalha que já está lá.

    Eu que não gasto mais um centavo e não perco meu tempo com “projetos” medíocres como esse do Raí e Lugano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*