“Displicente”, Ganso reconquista a torcida em três semanas

O cenário para Paulo Henrique Ganso após a partida contra o Goiás, no dia 15 de agosto, era o de tragédia: time derrotado por 3 a 0 para um rival na zona de rebaixamento do Brasileiro e torcida o xingando durante todos seus 45 minutos em campo. Três semanas depois, porém, também em um sábado à noite, o meia guiou o São Paulo para uma importante vitória do Tricolor e reconquistou o carinho do torcedor.

“O Paulo Henrique (Ganso) passa uma imagem de displicência, talvez por sua atitude. Mas eu discordo. Ele, pelas nossas marcações, corre 9 km por jogo”, apontou o técnico Juan Carlos Osorio. “Sempre achei ele um craque, um jogador importantíssimo. Para nós, o Ganso foi fundamental com a sua maneira de sentir o jogo e a sua frieza na hora de dar o passe”, completou o treinador.

Contra os colorados, o armador fez a jogada do primeiro gol, livrando-se com classe de três marcadores e servindo Wilder, que cruzou a bola para Rogério. No segundo, mostrou calma para receber a bola dentro da área, levantar a cabeça e rolar para Michel Bastos, que chutou firme e selou o triunfo dos são-paulinos. Além disso, o camisa 8 abusou dos lances de efeito e, após um belo drible sobre Valdivia, na etapa final, foi ovacionado pelos mais de 20 mil pagantes presentes ao Morumbi.

“O time todo conseguiu fazer uma boa partida, sem exceção”, disse Ganso, que chegou a ter a sua permanência no clube questionada devido às sucessivas críticas que recebeu nas últimas semanas. “Conseguimos infiltrar bastante, chegar dentro da defesa do Inter. Estamos todos de parabéns. Espero que possamos manter esse ritmo daqui para frente”, pediu.

Para isso, o atleta deve contar com o retorno de pelo menos três companheiros na partida de quarta-feira, contra o Santos, na Vila Belmiro. Wesley, Thiago Mendes e Alexandre Pato retornam após cumprirem suspensão devido ao terceiro cartão amarelo. “Já estamos no G4, mas está muito equilibrado o campeonato. Temos de manter esse bom ritmo de atuação”, encerrou.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Um comentário em ““Displicente”, Ganso reconquista a torcida em três semanas

  1. Nunca duvidei que o Ganso era um bom jogador, um meia de verdade, o problema que ele nao jogava bola, nem 50 % do que ele era capaz, e que quando ele jogasse pelo menos esse 50% ja seria suficiente para ganhar seu espaço e mostrar que o time precisa dele esperamos que continue assim e quando tivermos com o time mais completo com todos os machucados de volta teremos um bom time, so precisamos arrumar essa defesa que tirando o Lyanco que é uma grata surpresa o Edson Silva nao presta nem para reserva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*