Desfalques clareiam problemas do São Paulo no segundo turno

O São Paulo entrou em campo no último domingo, contra o América-MG, sem cinco jogadores. Destes, três são considerados titulares absolutos pelo técnico Diego Aguirre, que tentou suprir, sem sucesso, as carências no improviso, colocando Rodrigo Caio de lateral-direito e Liziero de ponta esquerda, além de Everton Felipe na vaga de Rojas.

Suspensos, Bruno Alves e Joao Rojas não puderam ser relacionados. Araruna, com contratura muscular, Bruno Peres, aprimorando a forma física após um estiramento no músculo adutor direito, e Everton, com desconforto na região posterior da coxa esquerda, também acabaram ficando de fora do duelo com o Coelho.

Sem o resultado esperado, o Tricolor agora corre o risco de perder a liderança do Campeonato Brasileiro. O próprio técnico Diego Aguirre admitiu a falta de entrosamento dos suplentes escolhidos para atuar, contudo, também vê uma maior disposição dos adversários para baterem de frente com o, por enquanto, primeiro colocado do torneio nacional.

“Algumas ausências podem ter influência nisso, às vezes o time fica um pouco desentrosado e não funciona como deveria. Os rivais também não dão muitas chances para o nosso ataque, mas não divido o time ofensiva e defensivamente. Somos um time, se não fizemos mais um gol, a culpa não é do ataque, mas do time todo”, afirmou Aguirre.

Já o camisa 10 do São Paulo, Nenê, não crê que os jogadores ausentes estejam fazendo tanta falta assim para a equipe. Neste sábado, o Tricolor até criou outras oportunidades para matar o jogo, porém, não teve a eficiência necessária para evitar o pior.

“Não concordo, acho que de qualquer maneira as chances nós tivemos. Poderíamos ter feito mais um gol, por exemplo. Mas, com certeza, são jogadores importantes, que fazem falta. Só não vejo esse ponto como chave para os resultados que a gente vem conquistando”, concluiu.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*