Cuca lamenta sequência ruim: ‘ A autoconfiança não está em dia’

Em um jogo ruim, de muitos erros e poucas chances de gol, o São Paulo não saiu do 0 a 0, com o Avaí, neste sábado, na Ressacada. Com o resultado, pela oitava rodada do Brasileirão, o Tricolor chegou ao quarto jogo sem vencer no torneio nacional e é sétimo colocado com 13 pontos. Após a partida, o técnico Cuca lamentou mais um resultado ruim e culpou a falta de confiança como uma das causas para o time finalizar tão pouco.

– No jogo de hoje não é possível dizer que o São Paulo mostrou um mau futebol. Usamos praticamente o elenco todo, as peças que tínhamos à disposição para colocar o time mais à frente. O que me deixa mais sentido é isso, o resultado não estar vindo. Nos seis jogos sem vitória é díficil apontar um jogo em que a gente tenha sido extremamente pior que o adversário. Com Bahia, Cruzeiro, Corinthians foram jogos iguais, equilibrados. O que mais lastima é que o time vai perdendo a confiança pelos resultados que não vêm. É por isso que, às vezes, não finalizamos tanto, não estamos com a autoconfiança em dia. Temos que ter persistência e perseverança para sair deste momento ruim – analisou Cuca.

O treinador também apontou os desfalques do elenco como um dos fatores pela sequência de seis jogos sem vitória. Além dos quatro jogos no Brasileirão, o time também não superou o Bahia, pela  Copa do Brasil.

– Não gosto muito de ficar buscando uma desculpa pelo mau resultado. A gente ta tendo uma infelicidade grande, com os jogadores que perdemos, Arboleda, Pablo, Hernanes e Liziero. São quatro jogadores titulares incontestáveis, que neste momento mudariam o perfil do time. Perdemos uma referência como o Carneiro. São peças importantes que nos dão chances maiores de vencer.

Cuca também comentou sobre os protestos constantes dos torcedores, mas evitou culpar a pressão como causa do momento ruim vivido pelo time.

– Não pode um time grande ficar uma série de partidas assim sem vencer. Lógico que os protestos vão existir e temos que assimilar. Isso só vai acabar quando voltarmos a vencer os jogos. O time tem coisas importantes por fazer e vamos seguir o que planejamos. Os jogadores já aqueceram pressionados. Claro que é importante estar com o emocional em dia para ganhar, mas não é desculpa. Não deixamos de vencer o jogo por isso. Estão todos muito tristes porque isso não é normal – finalizou.

Centro-avante

Cuca saiu em defesa de Alexandre Pato, que não teve boa atuação, e afirmou que o rendimento do camisa 7 melhorará quando ele tiver um jogador de referência ao seu lado.

– Eu tenho que sair em defesa do jogador, vamos pegar o Pato, que a gente está cobrando ele como um finalizador. A gente sabe muito bem que ele vai render muito mais se ele tiver essa figura do lado dele para ele flutuar, para ele fazer uma escolha. Ele está tendo que fazer a parede. O Pato é o cara que melhor finaliza no time, ele teve uma ou duas chances, mas não teve grandes chances para finalizar. Então a gente tem que saber diferenciar, e não culpar o jogador que está tentando nos ajudar – declarou o técnico.

Até aqui, após 13 jogos com Cuca, o Tricolor anotou oito gols, média de 0,62 por partida. Muito pouco para as pretensões do time que tenta disputar o título brasileiro. Para efeito de comparação, Jardine deixou o clube com oito tentos em oito duelos, média de um por partida, enquanto Mancini conseguiu oito bolas na rede em nove confrontos (0,89 gol por jogo).

Foi a sétima oportunidade com Cuca em que a equipe passa em branco: duas vezes contra o Corinthians, três vezes contra o Bahia, uma vez contra o Palmeiras, e agora diante do Avaí. Nos últimos seis jogos, o time marcou apenas um gol, com Pato, contra o Cruzeiro, no último domingo, dia 2 de junho. Justamente o atleta que o técnico apontou como o melhor finalizador do grupo.

Nos últimos dias, a falta de consenso por um camisa 9 acabou esfriando a busca pelo jogador tão pedido por Cuca. O primeiro da lista e o preferido do comandante é o centroavante Juan Dinenno, argentino que está emprestado pelo Racing (ARG) ao Deportivo Cali (COL). Com valores considerados altos, o negócio ficou distante, assim como Ricardo Oliveira, que já foi uma opção.

Há a esperança de que Pablo possa preencher essa lacuna quando voltar, depois da Copa América, embora a preferência de Cuca seja pela contratação de um jogador jovem. A diretoria, mesmo convencida da ideia, esbarra na condição financeira do clube. Até mesmo Tréllez, emprestado ao Internacional, foi cogitado como opção, mas prontamente negado pelo comandante.

Fonte: Lance

3 comentários em “Cuca lamenta sequência ruim: ‘ A autoconfiança não está em dia’

  1. Boa tarde tricolores,
    Concordo que as ausências são sentidas e muito, concordo que o ano foi pessimamente planejado e isso comprometeu demais a parte física, concordo que as trocas constantes de técnico, sem critério algum, compromete a parte tática e só piora a situação, mas não posso admitir que um time como o São Paulo passe 5 jogos sem marcar um único gol, jogando contra times tão ruins quanto o nosso e, pior ainda, não criando nada, isso eu coloco exclusivamente na conta do treinador que não mostra capacidade de encontrar uma forma de jogar, cito como exemplo o Vasco que ontem bateu o Inter, com o Luxemburgo já mostrando a que veio em tempo bem menor de trabalho, é disso que eu estou falando, capacidade de inovar, de reinventar, de encontrar caminhos, e isso eu creio, o Cuca não tem, não tem flexibilidade, e só sabe reclamar, é lamentável.

  2. O Cuca tem meu voto de confiança.
    A fórmula da diretoria tem sido sempre a mesma, trocar técnicos e colocar toda a culpa em alguns jogadores pra acalmar a torcida.

    Ano passado a culpa foi do fut-mesa…

    Culpa hoje já está no colo do Raí (que errou muito mais do que eu esperava)

    Impressionante como o Leco presidente nunca é o culpado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.