Com a família por perto, Rodrigo Caio comenta dificuldades após a operação

Rodrigo Caio tem três aliados em seu começo de recuperação da grave lesão no joelho esquerdo. Moradores de Dracena, – cidade a 650km de São Paulo – pai, mãe e irmão do volante estão na capital paulista para lhe dar apoio e ajudá-lo em tarefas básicas do dia a dia. Com dificuldades para se locomover e fazendo uso de muletas, o atleta do Tricolor exalta a presença da família por perto em um momento difícil da carreira.

– É muito importante, um estímulo a mais na minha recuperação. Não é fácil para nenhum jogador essa situação. Os três devem ficar aqui comigo até eu começar a andar normalmente e conseguir fazer as coisas sozinho – diz Rodrigo Caio.

Os pais do jogador, Celso e Edlene, estavam no Morumbi quando o atleta sofreu a ruptura do ligamento cruzado, na partida diante do Criciúma, no último dia 2. Desde então, eles permaneceram na capital e acompanharam de perto a cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior e da sutura do menisco medial, na quinta-feira passada (7). Rafael, irmão do são-paulino, chegou à cidade nesta terça-feira (11).

– Sempre estivemos perto do Rodrigo Caio em qualquer momento. Nunca deixamos ele sozinho em São Paulo, para poder cuidar dos assuntos particulares e ele se concentrar apenas em jogar bola. Mas a gente acabava se revezando. Agora com a lesão vamos ficar todos juntos, para acompanhar ele nesse processo – fala Rafael.

Rodrigo Caio São Paulo (Foto: Site Oficial / saopaulofc.net)Rodrigo Caio voltará a jogar pelo Tricolor Paulista apenas no próximo ano (Foto: Site Oficial / saopaulofc.net)

Dificuldades

Com o joelho inchado devido ao período pós-operatório, Rodrigo Caio permanece a maior parte do dia dentro de sua casa, sentado ou deitado, e está utilizando um protetor de joelhos. Além das muletas, para se locomover ele precisa contar com a ajuda de seus familiares, como por exemplo na hora de ir ao banheiro. A rotina envolve alongamentos e compressas de gelo.

– No primeiro e segundo dia depois da operação senti muita dor. Ainda sinto um incômodo para dormir. Na maior parte do dia procuro ficar com a perna para cima, deitado, quietinho.

Nesta quarta-feira (12), o volante tem um retorno ao médico para saber sobre a sua programação de fisioterapia. Ele ficará pelo menos seis meses em recuperação.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*