Ceni se defende de acusação de falta de fair play e critica Paulo Schmitt

Acusado de falta de “fair play” em lance do empate em 0 a 0 com o Botafogo, no domingo, e correndo até o risco de ser julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Rogério Ceni garantiu nesta segunda-feira que não fez nada de errado e que não há motivos para o caso ser levado a julgamento.

A polêmica se deu durante o segundo tempo do jogo no Maracanã. Na jogada, Ceni tem uma bola nas mãos durante um ataque do Botafogo e a lança para frente, fazendo com que a partida seja paralisada pelo árbitro Sandro Meira Ricci.

O procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Paulo Schmitt, afirmou que o lance do jogo no Rio de Janeiro será analisado e pode ser denunciado. Ceni explicou que não pegou bola de fora do campo para interromper o lance – ele a tinha em mãos porque o gandula havia jogado para ele.

– A bola foi chutada, eu defendi a bola, o gandula jogou rápido para dentro de campo e ela veio para a minha mão. Eu não peguei bola fora de campo. Ele (Schmitt) não tem que analisar nada – defendeu-se Ceni, em entrevista no desembarque do time São Paulo em Recife, palco do jogo desta terça contra o Náutico, na Arena Pernambuco.

– Ainda é cedo para falar em punição, mas vamos analisar durante a semana. Pode ser enquadrado em qualquer artigo sobre simulação ou falta de disciplina – disse Schmitt.

Na transmissão da TV Globo, o comentarista de arbitragem Leonardo Gaciba afirmou que o goleiro do São Paulo deveria ter sido punido com o cartão amarelo. Para ele, o árbitro Sandro Meira Ricci preferiu não se complicar e mandou voltar o lance da falta a favor do Botafogo, que iniciou a confusão.

No desembarque do Tricolor em Recife, cerca de 40 torcedores esperavam a equipe. Os jogadores passaram tranquilamente pelo saguão. Rogério Ceni foi o mais assediado, parou e tirou fotos com praticamente todo mundo que pediu. O jogo desta terça reúne as duas piores equipes do Brasileirão até agora – o São Paulo é o penúltimo com 15 pontos, e o Náutico segura a lanterna com oito.

Fonte: Globo Esporte

 

Nota do PP: começo a defender a aposentadoria de Rogério Ceni. Agora esse tal de Paulo Schmitt está procurando seu minuto de glória e vai usar o M1TO para isso. Por isso é hora de dar uma banana para esses imbecis e ir embora para casa. Você, Rogério, já fez muito pelo nosso Tricolor. Seus serviços prestados jamais serão esquecidos.

3 comentários em “Ceni se defende de acusação de falta de fair play e critica Paulo Schmitt

  1. Estou cansado de todos no futebol analisarem o que acontece de acordo com suas simpatias ou antipatias e não com o bjetividade.Se o lance fosse com Marcos quando jogava ou com Cássia, ninguém estaria falando nada.

  2. Eu observei bem o lance na hora. Percebi que o Ceni estava segurando a bola para retardar o reinicio da partida, quando o atleta do Botafogo recebeu outra bola do gandula. O gandula não deveria ter entregado aquela bola quando já havia outra em campo.
    Se punirem o Ceni, vai ser muita sacanagem. Ou vão punir todo atleta que, após cometer falta, por exemplo, segura a bola ou joga a bola para o alto com o fim de não permitir a cobrança até a defesa se reorganizar? Isso acontece uma dúzia de vezes por partida. É errado, mas é assim que funciona.
    Arbitragem virou palhaçada em nossos campeonatos. Está cada vez mais subjetiva e preguiçosa. Aquele outro lance, perto da bandeira de escanteio, que o Jadson reclamou, é uma situação clássica: zagueiro protegendo a bola inclina o quadril e, ao contato, vai ao chão. Nunca falha: os árbitros dão sempre falta. Mas basta trocar os papéis, atacante protegendo a bola e zagueiro pressionando, para o resultado inverter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.