Bronca ‘tranquila’ de Ataíde gerou reflexos na postura de Muricy

Pela segunda vez em menos de um mês, o vice-presidente de futebol do São Paulo, Ataíde Gil Guerreiro, trocou os corredores do Morumbi pelos gramados do CT da Barra Funda. A missão do dirigente: cobrar o grupo após a eliminação na Copa do Brasil para o Bragantino.

No dia 21 de julho, em reapresentação após a derrota para a Chapecoense no Campeonato Brasileiro, Ataíde foi ao CT e teve conversa com membros da comissão técnica. Enquanto comandava treino, Muricy Ramalho trocou palavras com o vice de futebol no meio do campo.

Ontem, o segundo dirigente mais importante do São Paulo foi mais discreto. Chegou antes da imprensa e reuniu Muricy e os jogadores para conversar por cerca de 15 minutos. O LANCE!Net ouviu participantes da reunião, que relataram o tom moderado e tranquilo de Ataíde. O vice de futebol cobrou, mas deu respaldo ao grupo.

O voto de confiança, no entanto, não foi suficiente para aliviar a tensão que tem se espalhado pelo CT da Barra Funda devido as recorrentes tropeços após a Copa do Mundo. Entre a maioria dos jogadores, o sentimento é de frustração pela queda na Copa do Brasil, na pior campanha do clube na história do torneio.

– Tenho que trabalhar, conversar com os jogadores, que estão inseguros. Meu trabalho é dar força e preparar. O tempo é pouco, só dois treinos. Será mais na palavra, informações sobre o adversário. Quando a bola rolar, vão esquecer tudo. É assim que trabalharemos – disse o treinador.

Mas talvez ninguém tenha saído mais abalado do que o próprio Muricy. Após a derrota para o Bragantino, o técnico disparou grosserias contra a imprensa. Ontem, em entrevista coletiva, parecia resignado. Só desenvolveu respostas longas sobre assuntos fora do São Paulo.

Quando deu a última resposta, não hesitou em levantar e se dirigiu a passos apressados para a área restrita do CT. Desde quarta-feira, Muricy tem dormido pouco em busca de soluções para erros que ele mesmo pode ter cometido e que têm pouco tempo para serem resolvidos antes do início de uma crise.

– Não durmo porque vem adrenalina depois do jogo. Vi nossa derrota, vi a final da Libertadores. É natural de todos os técnicos. Pego o campinho que guardo em casa, começo a mexer, vi os jogos do Palmeiras… – confessou, abatido. 

Fonte: Lance

2 comentários em “Bronca ‘tranquila’ de Ataíde gerou reflexos na postura de Muricy

  1. “O tempo é pouco…só dois treinos!” afirmou o treinador. Mas cara-pálida, duas pré-temporada em 6 meses foi pouco para ajustar o time? Começo a achar que a luz no final do tunel do Muricy está quase apagada. Seu saldo é negativo, a despeito dos “craques” que tem a sua disposição…

    • ISSO QUE NÃO DÁ PRA ENTENDER, SE JOGA UMA VEZ NA SEMANA, FALTA RITMO DE JOGO, SE JOGAM DUAS VEZES, A DESCULPA É QUE NÃO DÁ PRA TREINAR. TEVE DUAS PRÉ TEMPORADAS E O TIME NÃO TEM PADRÃO, NÃO TESTOU AURO E HUDSON, POIS SEGUNDO O VICE A NEGOCIAÇÃO DO DOUGLAS SE ARRASTA A 3 MESES. MILTON CRUZ É O REFLEXO DA ACOMODAÇÃO QUE TOMA CONTA DO SPFC. SUAS INDICAÇÕES SÃO PÍFIAS, DEVERIA IR EMBORA PELO ÔNUS QUE CAUSA AO CLUBE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*