Breno relembra momentos ruins na cadeia e sonha voltar ao São Paulo

Aos 17 anos, ele foi campeão e eleito o melhor zagueiro do Brasileirão 2007. Aos 23, Brenoestava preso na penitenciária de Stadelheim, em Munique, na Alemanha. Hoje, um ano após colocar fogo em sua própria casa, o zagueiro está em regime semi-aberto: trabalha durante o dia no escritório do Bayern de Munique e volta para dormir em um edifício-cadeia para presos de bom comportamento. Pela primeira vez desde que foi detido, Breno deu uma entrevista exclusiva ao Esporte Espetacular e falou sobre o seu dia a dia na Alemanha.

– Eu vi momentos em que outros prisioneiros tentaram se matar lá dentro. Eles receberam penas altas e tentaram se matar. É um aprendizado aquilo: todo mundo erra e eu errei. Mas olho pra frente e vejo meus filhos e minha esposa. Não vou fazer nenhuma loucura, porque daqui a pouco eu vou sair e vou lutar por tudo de novo.

Hoje, ele sai para trabalhar de segunda a sexta e, a partir deste mês, ainda poderá visitar a família em todos os fins de semana. Mas até lá, o jeito é aproveitar os poucos momentos que tem ao lado da esposa Renata, do filho Pietro e dos enteados Isabella e Flávio.

– No começo, eu o via por um vidro e pensava “Meu Deus, ele está sendo tratado como um marginal”. E ele me dizia “Calma, amor. Estou tranquilo” – lembra Renata.

– Quando eu volto para a cadeia, como alguma coisa, faço minha oração e durmo. Eu tento dormir cedo para acordar no outro dia e poder vir pra rua novamente. Quem conhece lá dentro sabe que essa liberdade é muito melhor. Acho que hoje eu dou valor para cada detalhe da minha vida, sabe? – afirma Breno.

Para entender por que Breno está preso, é preciso voltar ao dia 19 de setembro de 2011. Após receber a notícia que iria operar o joelho pela quarta vez, o zagueiro do Bayern de Munique foi almoçar com os amigos. Ali começou a beber e acabou perdendo o controle.

– Depois de ter bebido uns dois litros de cerveja, uma garrafa de vinho e uma de uísque, ele estava muito bêbado. Algumas vezes ele bebia e tinha alucinações – revela Renata.

– Foi um acidente que aconteceu. Isso é algo que eu prefiro não falar. Ainda me machuca muito falar sobre isso e algum dia eu vou conseguir, mas por enquanto eu prefiro não falar nada – desconversou o zagueiro.

Breno foi preso 12 dias após o incêndio e sua família teve que mudar o estilo de vida completamente. Saíram de uma casa em um bairro de classe alta, onde moram vários jogadores do Bayern, e se mudaram para o subúrbio de Munique. Um apartamento de dois quartos abriga a esposa e as três crianças.

– Quando viemos para a Alemanha, tínhamos uma vida perfeita. Morávamos em uma casa com piscina, carro novo e etc. Hoje, eu e as crianças vivemos uma situação muito difícil – conta a esposa.

Enquanto ainda tinha contrato com o Bayern, Breno recebia um salário de 100 mil euros (cerca de R$ 300 mil). Hoje, a família tem uma renda de três mil euros, graças ao aluguel de uma casa no Brasil e mais uma ajuda de custo do São Paulo.

– A nova casa não tem luxo, mas é confortável. Dá pra ficar. E esse não é nosso maior problema no momento – disse Breno.

No dia 26 de outubro, a preocupação era o aniversário de cinco anos do filho Pietro. Breno ganhou um indulto para visitar a família e passou a noite com a esposa e o filho. Uma festa bem no estilo brasileiro: salgadinhos, refrigerantes, brigadeiro e bolo de chocolate. Na decoração nada de futebol, e sim, as Tartarugas Ninjas.

– Esse momento é especial para mim: estar com a família, meu filho no colo. É uma coisa muito boa, mágica. Eu fiquei de olho na janela, esperando ela chegar pra me pegar: deu a hora e nada dela. Fiquei preocupado, pensei que tinha acontecido alguma coisa.

Depois da festa, pai e filho se esbaldaram no vídeo game. Mas dessa vez, Breno não se deu bem. O filho venceu duas partidas: 19 a 2 e 12 a 11. Mas nada tirava o sorriso do rosto do zagueiro. Até que chegou o domingo e ele voltou para a prisão.

– Eu não sou de chorar assim, mas sou muito apegado a meu filho. É difícil, mas tudo isso vai passar. Eu procuro passar força pra Renata e para as crianças.

– Meu filho me perguntou hoje “Papai vai ter que voltar ou vai ficar em casa de vez, mamãe?”. Eu não sabia muito o que responder. Eu disse “Só mais uma pouquinho, filho” – contou Renata.

Se depender do advogado que está cuidando do caso, Breno tem grandes chances de voltar em breve para casa. Segundo ele, pelo bom comportamento que o zagueiro tem tido na detenção, ele pode sair da cadeia antes do previsto. Se cumprir a pena até o fim, Breno ficará preso até novembro de 2014, mas Swarion Kirkdatzs espera que o brasileiro esteja solto em maio do ano que vem.

– Eu chorava muito quando estava preso e recebi as primeiras cartas. Eu via as fotos das crianças e começava a chorar muito. Eu até ia ao banheiro para o meu companheiro de cela não me ver naquela situação. Ficava me olhando no espelho e me machucava muito. Eu não queria passar isso para a minha família.

Até lá, Breno, a família e o São Paulo aguardam por sua liberação. Renata e os filhos esperam pelo zagueiro para voltar para o Brasil. Enquanto, o Tricolor Paulista aguarda pra recuperar o melhor zagueiro do Brasileirão 2007, aquele que foi comparado com Beckenbauer. E Breno só reza e espera para voltar a ser apenas o antigo Breno.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*