Bastos admite desconhecer rival, mas espera São Paulo ‘versão 2014’

Os jogadores do São Paulo ainda não conhecem totalmente o Danubio (URU), adversário desta quarta-feira, na Libertadores. Nesta segunda-feira, o meia Michel Bastos admitiu que ainda não sabe o que esperar atual campeão uruguaio, que virá ao Morumbi para importante duelo na competição sul-americana.

– Não sei muita coisa, o Muricy já conversou sobre a equipe com a gente, mas eu de fato não conheço muito, não. Acho que o Muricy ainda vai passar alguns videos antes da partida, não tenho muito o que falar – definiu o camisa 7, em entrevista coletiva.

Por outro lado, Michel sabe bem o que o Tricolor precisa fazer para se reabilitar na competição, após derrota de 2 a 0 no clássico contra o Corinthians. Segundo o meia, a equipe precisa voltar a apresentar o futebol do fim da temporada passada. O São Paulo terminou o ano como vice-campeão brasileiro e semifinalista da Copa Sul-Americana.

– Ainda não conseguimos jogar como ano passado. Temos plena consciência de que temos de melhorar. A gente sabe que fizemos um bom fim de temporada, esse ano ainda não conseguimos manter o ritmo. Mas estamos confiantes e sabendo que daqui a pouco vamos engrenar como ano passado – analisou o meia, autor de três gols em oito partidas disputadas em 2015.

Com bom futebol ou não, Michel sabe que uma vitória na quarta-feira é essencial para as pretensões do São Paulo na Libertadores. Ele concorda que a equipe não pode nem pensar em empatar, assim como já disse o goleiro e capitão Rogério Ceni.

– Concordo com o Rogério (que não pode perder ponto para o Danubio). Teremos dois grandes jogos com o San Lorenzo depois, então não podemos perder pontos. Estou de acordo com ele – afirmou Michel.

O São Paulo está no grupo 2 da Libertadores, com uma derrota em um jogo, assim como o Danubio. Corinthians e San Lorenzo, com três pontos, lideram.

Fonte: Lance

2 comentários em “Bastos admite desconhecer rival, mas espera São Paulo ‘versão 2014’

  1. Mesmo com limitações físicas, o Kaká contagiou o grupo com a sua vontade e garra. Com a saída dele, perdemos na “vontade” e o time voltou a jogar de forma modorrenta…

    • Acho isso inadmissível um time depender de um atleta para contagiar os demais. Falta compromisso dos atletas, mas quando o clube é uma zona o que esperar dos jogadores a não ser falta de comprometimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*