Ataíde recua e diz agora que não tocou em Aidar

Ataíde Gil Guerreiro e Carlos Miguel Aidar prestaram depoimento à Comissão de Ética do São Paulo na última sexta-feira, no Morumbi, em investigação sobre suspeita de corrupção na antiga gestão. E deram mais uma vez suas versões sobre a briga que culminou com a renúncia do ex-presidente, em outubro do ano passado. Mas, no caso do ex-vice, houve uma mudança de discurso, segundo apurou o ESPN.com.br.

Em fevereiro deste ano, Gil havia admitido, em depoimento ao mesmo órgão, ter segurado Aidar pelo pescoço e tocado seu rosto com o punho fechado, mas sem socos, durante uma discussão no Hotel Radison, em São Paulo, em 5 de outubro do ano passado. Só que, 57 dias depois, Ataíde recuou. E negou ter agredido o ex-presidente.

Na reunião anterior, de acordo com relatos feitos à reportagem, ele até reproduziu com gestos como teria sido a discussão. Agora, em contrapartida, Ataíde Gil Guerreiro disse que apenas houve uma ameaça, e não agressão em si.

Mesmo assim, pessoas presentes no dia do ocorrido do Radison reafirmaram à reportagem neste sábado que o ex-presidente foi “covardemente agredido”, inclusive ganhando uma lesão após o ocorrido.

A comissão de ética tem como presidente o advogado José Roberto Ópice Blum e apresenta entre seus membros Ricardo Hadad, Newton Bittencourt, Alberto Bugarib e o Renato Ricardo.

Agora, a comissão de ética vai analisar as 900 páginas do processo, dividido em seis volumes, para saber quais serão os próximos passos. O trabalho já dura há 120 dias.

Depois disso, será agendada uma reunião extraordinária do Conselho Deliberativo ainda neste mês de abril para a apresentação do resultado da investigação e a sugestão de pena da comissão de ética, que pode ser uma advertência, suspensão ou expulsão do clube.

Conselheiros que conhecem os membros da comissão de ética entendem que dificilmente Aidar e Gil Guerreiro ficarão sem punições. O primeiro pelas denúncias contra a gestão dele, já o segundo pela agressão cometida ao então presidente.

Procurados pela reportagem, nem Ataíde e nem Aidar quiseram comentar o caso.

Horas após a publicação do ESPN.com.br, a assessoria de imprensa do São Paulo entrou em contato com a reportagem e informou que Gil Guerreiro afirmou que não mudou o depoimento. Por meio do canal de comunicação do clube, o cartola – que antes tinha negado comentar as informações da ESPN – disse que apenas explicou à comissão de ética os motivos que fizeram com ele se desentendesse com Aidar.

A reportagem apurou que o depoimento dele durou cerca de 15 minutos.

 

Fonte: ESPN

5 comentários em “Ataíde recua e diz agora que não tocou em Aidar

  1. Fora este Ataíde covarde, mariquinha, desagregador, o que mais pode dizer deste cara, o que o Leco esta vendo nesta pessoa para mante-lo no São Paulo, este cara é o culpado direto pela briga do Juvenal com a Federação Paulista e clubes de São Paulo, foi ele quem pós lenha na fogueira.
    Agora o covarde , judas volta atrás , homem sem palavra vai procurar o que fazer , ja quebrou suas empresas agora esta quebrando o São Paulo.

  2. Esse sujeito é um TRASTE que emporcalha o nome do SPFC.

    Some do SPFC seu traste, vc é uma vergonha, além de ser um incompetente de mão cheia.

  3. Esse Ataíde além de ser traidor é covarde bate depois diz que não bateu,fala depois diz que não falou…. Daqui a pouco vem alguém aqui defender esse senhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*