Um líder com garra, vontade e determinação. Isso resume o São Paulo

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, cada vez fica mais claro que um time para ser campeão precisa ter muita técnica e ótimos jogadores. Se não tem isso, então tente a superação com garra, vontade e determinação. E o São Paulo tem isso. A consequência lógica é a liderança que assumimos neste domingo, após vencer o Vasco por 2 a 1 no Morumbi.

Cabe a nós entendermos, também, a mão de Diego Aguirre nesse time. Cara honesto, trabalhador, que conseguiu transmitir para seus jogadores a raça uruguaia. E teve mão forte para fazer com que eles entendessem e, mais do que isso, aplicasse em campo. O que vemos no time é que não há bola perdida, não espaço para o adversário armar jogadas, as divididas são sempre nossas.

Também fica em suspenso aquela imagem de que o time não sabe jogar com a bola nos pés. Hoje precisou de dois minutos com a bola nos pés para fazer 1 a 0. Isso permitiu que o time passasse a marcar atrás da linha de meio de campo e o Vasco tivesse a posse de bola. Apesar de não termos aproveitado os contra-ataques que tivemos, principalmente pela lentidão de Diego Souza, o Vasco não criou uma única oportunidade, mesmo tendo mais posse de bola.

Veio o segundo tempo e o quadro se manteve. O jogo estava completamente administrado pelo São Paulo. Mas uma bobeada da zaga – principalmente Bruno Alves – o Vasco aproveitou um contra-ataque e empatou a partida.

Aí entrou a mão do técnico. Diego Aguirre precisava que o time fosse mais à frente, e com qualidade.  Tirou Militão e colocou Bruno Peres. Depois trocou dois nomes decisivos no time, mas que se arrastavam em campo: Nenê e Diego Souza, colocando Gonçalo Carneiro e Trelles.

Como sempre, fiquei intrigado com as substituições, mas deu certo. Trellez dá um belo lançamento para Everton, que brilhantemente ganha do zagueiro, e devolve o presente na cabeça do colombiano.

E aí, com 2 a 1, o que se viu em campo foram os jogadores se atirando em frente à bola, evitando que o Vasco pudesse chutar para o gol, e com direito, ainda, de perdermos um gol com Trellez, num grande contra-ataque puxado por Rojas. Mas veio a vitória e a liderança.

Aguirre mais uma vez foi sincero e mereceu nota 10 na entrevista. Disse que o time tem que ter os pés no chão. Reconheceu que o Vasco foi melhor em momentos da partida, mas justificou o excesso de jogos difíceis – Flamengo, Corinthians, Grêmio e Cruzeiro – como responsável por essa condição. Por isso deu dois dias de folga a todo o elenco, disse que não devem pensar em futebol, para quarta-feira todos voltarem revigorados para a nova sequência. Não quer falar em título. Esse é Aguirre, um técnico cujo trabalho eu conhecia muito pouco, mas colocava em dúvida sua competência, e hoje me declaro um grande fã deste uruguaio. Realmente, o casamento São Paulo – Uruguai sempre dá certo.

Ah!, e para encerrar: #SegueoLíder

14 comentários em “Um líder com garra, vontade e determinação. Isso resume o São Paulo

  1. Também estava lá, não jogamos bem, faltou ocupar mais o ataque com a bola, faltou controlar o jogo. Estava na cara que íamos sofrer um gol a qualquer momento, Aguirre demorou para mexer, mas quando fez, nos deu a vitória!

    Militao, falou que iria falar, não falou, não me surpreendi com isso, vindo de um ser como ele eu não esperava nada que não fosse se esconder, afinal no fundo deve ter vergonha do que fez. No que depender de mim, não passa nem nas adjacências do Morumbi!!!

    Vamos aproveitar essa semana na liderança. E domingo é hora de afirmar, vencendo fora de casa.

  2. Grande vitoria, sim, mas suada e com sorte.
    Sorte, sim porque a jogada no nosso gol foi um lance de garra,
    lucidez e sorte do Trellez na finalizacao, claro que ele queria o gol
    e fez, mas na outra chance mais clara, perdeu.
    Tivemos sim, a chance de matar o jogo, mas nao o fizemos
    nossos lideres nao estavam bem, mas quando isso nao acontece
    vem o lado implantado pelo DT, o lado uruguaio, a entrega, a raca e a luta,
    foram bem substituidos e deu certo, certissimo.
    Somos lideres, entao agora, sim devemos jogar como lideres.
    Todos vao querer nos derrubar como tambem nos queriam, sempre na Z4.

  3. Paulo Pontes,
    ontem fiquei 50 minutos na fila para comprar ingresso para a cadeira cativa. Um absurdo!
    Vc sabe por que ñ podemos comprar nossos ingressos pela internet?

  4. Vi só o segundo tempo e não vi um jogo tão “administrado” pelo São Paulo.
    Em certos momentos, o Vasco dominava o meio campo e ficávamos correndo atrás da bola. Mesmo depois gol de empate, o Vasco continuou melhor.
    Aí vieram as substituições e o gol da vitória….. aí jogo ficou mais tranquilo.

    • CONCORDO. O Vasco dominou boa parte do 2º tempo.
      E não concordo que foi Bruno Alves quem bobeou no gol.
      Foi o Arboleda que BOSTEOU, foi dar o bote, não pegou NADA e ainda deixou um rombo lá atrás !!

  5. E o SPFC é um time que está derrubando algumas estatísticas tidas como fundamentais para uma equipe vencedora.
    Mostrando que muitas vezes números não mostram muitas coisas, ou mostram inutilidades numéricas.

  6. Aguirre teve ousadia e um pouco de sorte hoje. Ao tirar os “craques” do time para colocar 2 centroavantes desmontou o meio campo e passou a depender dos cruzamentos na área do Vasco. Na única jogada aérea que ganhamos a bola entrou.
    São 3 pontos que valem muito no Campeonato.

  7. Parece que intelectualmente Uruguaios se sobressaem aqui no Brasil.
    Suas entrevistas são realmente boas e sem oba oba além de lúcidas.
    A mão do Aguirre no time é visível e sua competência me surpreendeu.
    E essa folga que ele dá aos atletas certamente ganha o elenco.
    Acho que contra o Sport o Jucilei volta e certamente com o Hudson a pegada melhora , mas nada contra o Liziero que cumpriu a missão à contento.
    Tá faltando uma boa partida do Nenê pós copa, nada melhor e propício pra ser no jogo contra o Sport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*