Antes de criticar, vamos dar o tempo necessário

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, alguns leitores estão me cobrando, no site ou por e-mail, um posicionamento firme quanto às indicações feitas por Leco para a diretoria executiva. O nome mais discutido é o de Rodrigo Gaspar que, surpreendentemente para todos, foi nomeado diretor Administrativo, cargo que será remunerado. Portanto, ele terá que deixar o Conselho Deliberativo.

Todos que acompanham o Tricolornaweb desde seus primórdios, em 2002, conhecem minha conduta e maneira de tratar as diretorias do São Paulo. Dou seis meses de crédito, para que a diretoria possa ver onde se meteu, o tamanho do buraco, mostrar para o que veio e começar a trabalhar. Entendo ser este um tempo mais do que suficiente, em três anos que tem a duração do mandado do presidente, para que as coisas aconteçam ou se mostrem como serão.

Fiz isso com Marcelo Portugal Gouvea, Juvenal Juvêncio, Carlos Miguel Aidar (até com ele), por que não faria com Leco? Sim, podem dizer que ele foi reeleito, portanto já conhece o tamanho do buraco e é co-partícipe desta situação. Eu digo, então, que agora é tudo diferente. Enquanto lá atrás um advogado era vice-presidente de Marketing, hoje há um profissional do setor. O vice-presidente Administrativo era alguém que nada tinha a ver com a profissão. Hoje temos um profissional, ainda que conselheiro.

O que não entendo, e isso deixei claro no meu comentário do Jornal Tricolornaweb desta sexta-feira, é a razão de tantos conselheiros que profissionalmente estão identificados com as funções que irão exercer, agora remunerados, e outrora não serviam para os cargos. Isso nem Freud conseguirá entender.

Outra coisa: também disse em meu comentário na Rádio Tricolornaweb que as indicações estão me parecendo uma ação entre amigos. Mas vamos entender: eu, ou você, assumindo um cargo de tanta importância como é o de presidente do São Paulo, colocaria um inimigo ou desconhecido para ocupar determinado cargo de, também, grande importância? Por mais que o estatuto tenha profissionalizado o clube, não me parece que funcioná como uma verdadeira empresa, onde o chefe do RH vai a uma agência de empregos, solicita um profissional, seleciona e contrata. Aqui a situação é um pouco diferente.

Voltando a Rodrigo Gaspar, o nome mais questionado dos que foram indicados, fiz uma rápida busca em seu perfil no Linkedin e fiquei positivamente surpreso. Pelo que apresenta ali – e  parto do pressuposto que ninguém vai mentir deliberadamente num perfil público -, tem extrema capacidade para exercer essa função. Elias Albarello e Márcio Ait também condizem com suas funções, mediante retrospectos profissionais apresentados. Minha dúvida fica por conta de Vinicius Pinotti à frente do futebol. Mas, então, volto ao ponto de partida deste editorial para frisar que é de meu feitio dar seis meses de prazo, uma espécie de carência, para que os trabalhos surtam efeito ou, no mínimo, mostrem indicativos futuros. E assim vou proceder.

Dia 15 de maio surgirão novos nomes no Conselho Administrativo. Vamos aguardar para ver o que mais virá. E boa sorte, São Paulo. Sucesso a todos. O bom desempenho de vocês terá como resultado um São Paulo mais forte. Não jogo contra, sempre a favor. Portanto, vamos ao trabalho.

22 comentários em “Antes de criticar, vamos dar o tempo necessário

  1. É, é muito difícil falar uma coisa, depois falar o contrário e ainda achar que está falando pelo bem do clube.
    Não faço parte de esquemas, não sou sócio do São Paulo, apenas sou torcedor, um torcedor de verdade.
    Torço para dar certo, como disse várias vezes, não conheço as pessoas e não existe ninguém no mundo da bola que seja bom e honesto o suficiente.
    Essas pessoas nomeadas com salário terão que cumprir, terão que apresentar resultados. Eles não tem salvo conduto para fazer besteiras.
    Novamente, não conheço esses caras, acho que a crítica é importantíssima, mas tem que ser correta e honesta.
    Todos esses nomes serão “julgados” por mim também, apesar de ser apenas um torcedor que virou sãopaulino, neto de italiano, em uma família de palmeirenses,
    O sofrimento pelas perdas e derrotas é meu.
    Se alguém viesse com um nome como o Luxemburgo para técnico, seja qual for o presidente, vou falar que é um erro. Por que? Por conheço o trabalho desse sujeito.
    Só acho que a cornetagem pela cornetagem só atrapalha.
    Abraço e saudações Tricolores.

  2. É bem difícil expor posicionamentos para quem não quer ao menos entender. Deixa pra lá.
    Ao menos tenha humildade de vir aqui em Dezembro e admitir que estava errado.

  3. “Não quero saber de nomes, mas o Abílio é um excelente nome, diferente dos octogenários conservadores. E o rapaz, o ceo do Abílio – excelente também -, foi escorraçado do São Paulo. E o Gustavo Vieira?, ele foi ruim, mas a culpa não foi dele, o Ataíde é que não deixou ele trabalhar direito. Mas, veja bem, não estou falando de nomes, você é que não tem argumento”.

    Rapaiz…, você é diversão garantida. Há tempos não encontrava um jênio da raça.

  4. Amigo, se faltar argumentos, simplesmente não responda.

    Eu citei o Abílio como uma pessoa bem sucedida na administração privada, que nunca deu a cara a tapa para ajudar realmente o São Paulo. (Leia com maior atenção o que eu disse anteriormente).

    Não quero enganar ninguém meu caro, apenas tenho o direito de expor o que penso, e tenho inúmeros fundamentos pra dizer que este atual Presidente esteve sempre presente nos fracassos anteriores, desde o primeiro mandato do Juvenal.

    Agora você vai querer que eu também acredite que essas pessoas que estão sendo nomeadas e que estão abrindo mão de suas respectivas remunerações, vão dedicar 8 preciosas horas do dia em prol do São Paulo? “menas”.

    O São Paulo carece sim de melhores administrações, pois está definhando, amargando seguidas eliminações, passando vergonha dentro do Morumbi. Só não foi rebaixado em 2013 graças ao Muricy Ramalho.

    Como lhe disse, não conheço absolutamente ninguém de qualquer ala política do São Paulo, moro há 600 km da Capital, mas isto não é impeditivo algum para vir o que é bom ou ruim para o clube pelo qual torço.

  5. Tá bom, o Abílio, seu ceo e o Milton Neves são o novo.
    Você diz que nomes não importam e coloca o Abílio como um nomaço.
    Dá um tempo. Aqui não é o time do governo, com seus lullas, caradeareiamijada, o sujeito da carne, o outro do jogo do bicho. Quem você quer enganar? Nem o vagabundo do lulla engana mais a platéia amestrada.

    Deixa de achar que você engana dizendo uma coisa, depois dizendo o oposto do que disse.
    Pessoas como você são o grande problema do São Paulo.

  6. Como eu disse, independente dos nomes e da idade, o São Paulo merece ser melhor administrado.

    É frustrante vir o SP afundado em dívidas contraídas por más administrações, e minha crítica é baseada em pelo menos dez anos dessa linha de administração, desde o primeiro mandato do JJ em 2006.

    Quem está pedindo tempo analisar não pode agir como se tudo fosse novo, novos administradores, novas ideias… isso é conversa fiada.

    Não tenho ligação política e não conheço absolutamente ninguém da situação ou oposição.

    O que sempre faltou na torcida do São Paulo foi saco roxo para chegar junto e cobrar a direção do clube. Juvenal mandava prender e soltar em seus três mandatos e ninguém falava nada.

    A administração atual é pós graduada em jogar nomes de possíveis reforços na mídia pra abafar crise técnica. Cansei de vir São Paulo sondou fulano, São Paulo quase fechou com cicrano… isso vai cansando.

    Agora estão falando em Valdívia e Nenê, assim a torcida esquecer dos vexames contra Cruzeiro e Corinthians dentro do Morumbi.

    Vamos dar os 6 meses, em Janeiro de 2018 mais 6 meses, em Junho de 2018 mais 6 meses.

  7. Agora entendi, João.
    Estamos em barcos diametralmente opostos.
    Prefiro os “octogenários conservadores” do que o Abílio e sua turma (ceo, Milton Cruz et caterva…).
    Não conheço todos que foram nomeados, mas dos que sei, nenhum é octogenário, acho até que são mais novos que o “mago” Abíio e seu cheque de 80 mil achando que podia comprar prestígio. Tomou o pé na bunda, muito bem tomado. Só acho que demorou. Abílio e suas futricas que vá baixar em outra freguesia.
    Sem mais, meritíssimo…

    ET.: a sua crítica é meramente política. Pessoas como você que não aceitam o resultado das eleições e ficam em blogs criticando para conturbar o ambiente são os verdadeiros males do meu São Paulo.

  8. Independente de nomes (não tenho preferências), e não somente no futebol do São Paulo, mas em todas as áreas do clube a solução não é nomear octogenários que pensam somente no status de estar administrando o São Paulo.

    Eu vejo o São Paulo como propriedade de um grupo de pessoas extremamente conservadoras e bem resolvidas financeiramente em suas respectivas áreas, que veem e comandam e administram o São Paulo como se fosse um hobby. Se deu certo, bacana, se não deu, paciência, ano que vem está chegando. É assim que vejo.

    Infelizmente quem poderia mudar um pouco tudo isso não dá a cara pra valer, que é o tal de Abílio Diniz, que até tentou timidamente, disponibilizando o CEO, mas o rapaz foi escorraçado como o diabo seria se adentrasse uma igreja.

    Toda essa pirotecnia sobre alteração de estatuto, criação de conselho A, B, C, D não dará em nada, Em Dezembro estaremos aqui massacrando o técnico, que tem lá suas teimosias e vaidades exacerbadas, e caindo em mais um conto de fadas lançado pela diretoria, que fará do São Paulo um clube europeu fora da Europa.

  9. Gustavo Vieira antes de ser nomeado ao cargo nunca tinha trabalhado na função.
    Gustavo Vieira foi e voltou. Só acertou no Cueva, que, vamos e venhamos, foi muito sem querer. Ele não tinha a menor idéia que o jogador iria acertar da maneira que acertou. Nem ele nem ninguém.
    De resto, uma uma lástima. Aquilo era uma zona.
    Óbvio que esta é a minha opinião, mas embasada em fatos.

    Se o Pinotti der errado não vai ser por causa de negócios mal explicados.

  10. Acho que o Gustavo Vieira tinha tudo pra ser o cara do futebol do São Paulo, infelizmente o tal de Ataíde estava no encalço.

    Ficar nomeando por politicagem não é a solução.

  11. João, concordo que tudo deva ser profissionalizado.
    Só gostaria de saber um único nome para o departamento de futebol. Alexandre Mattos? Brunoro? Parreira?
    Sou a favor do Marco Aurélio Cunha. Na época que saiu fui a favor por achar que tinha se esgotado o tempo, estava estressada a coisa toda.
    Voltou no ano passado e saiu por causa das eleições. Achei que voltaria com a vitória do Leco.

    O mesmo penso do técnico Rogério Ceni. Todos temos ressalvas, mas quem viria? E esse “quem” não teria ressalvas? Afora que acho o Ceni melhor que esses caras todos e muito mais inteligente e trabalhador.

  12. PP, é bom o executivo contratado abrir mão do salário? Dará para cobrar dedicação integral dessa forma, pois é isso que consta no novo estatuto, dedicação integral ao clube. Isso é profissionalismo, não estou achando que começou bem essa nova gestão.

    • Ricardo, o estatuto é claro: o profissional contratado terá que cumprir jornada regulamentar, de acordo com a CLT. O fato dele abrir mão do salário não o desobriga desse cumprimento. E estaremos aqui para fiscalizar.

  13. Parece que eu não me fiz entender.

    Paulo, não é pessoa X ou Y que fará tudo mudar num estalar de dedos, é o sistema que está errado. É absurdo essas recorrentes nomeações dentro do São Paulo por politicagem. Os cargos do futebol deveriam ser todos compostos por profissionais qualificados tecnicamente.

    Daqui há 6 meses estarei aqui cobrando uma posição mais incisiva de sua parte.

  14. Paulo Pontes,
    Não posso acreditar que vc acha o Rodrigo Gaspar extremamente qualificado para esse cargo, o Currículo dele no LinkedIn é bastante vago, demonstra que possue pouca experiência e é carente de formação.
    Estou achando muito estranha essa sua análise, pois ele está muito longe de ter notório saber para exercer tal função.

  15. Eu não acredito nesse SPFC.
    Se o JJ ainda estivesse vivo tenho certeza de que ele seria um dos “profissionais” contratados no “mercado”.
    Velhos nomes, velhas idéias.
    O SPFC está doente e se recusam a tomar o remédio certo.

  16. Nao ha duvida nenhuma
    principalmente alguns haters,
    em cima de Ceni,
    um absurdo,
    suportamos com galhardia treneros de tercera linha,
    Ceni, ao menos e’ pratita de la casa.

  17. Essas posições na diretoria são remunerados.
    Cansei de ouvir que precisa profissionalizar os clubes, quando acontece vem uma saraivada de críticas. Não conheço as pessoas que foram indicadas, mas pelos currículos que o Paulo pesquisou, são do ramo.
    Mesmo de longe, acredito que o São Paulo tem os melhores quadros do mundo dos negócios, nada mais normal que nomeá-los.
    Agora sim, eles devem ser cobrados como profissionais e dedicar todo o tempo de trabalho ao clube, não mais como colaboradores.

    ET1.: criticaram até o Raí, imagina se não iam falar de conselheiros.
    ET2.: é sério que querem que o Leco nomeie adversários políticos? Cada uma, viu?!?

  18. Ok Paulo, dá um tempo de 6 meses é até razoável, mas dependendo das circunstâncias, comece as críticas antes para o bem do clube. Estou com a sensação que a colocação de tantos conselheiros como novos executivos é uma forma de burlar no estatuto, ou seja, tentar manter o status quo com os mesmos vícios da administração passada e que nos levou a essa situação vexaminosa.

    O Leco parece estar com medo dessa nova forma de gestão profissional, deveria ter trazido mais nomes de peso para a administração, como Albarello, Márcio Ait e Saulo de Castro; espero que tudo dê certo.

Deixe uma resposta para Carlos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*