Assembleia Geral: ótimas lições a serem tiradas

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, o SIM venceu e teremos um novo estatuto dentro de 120 dias. Mas a eleição deste sábado, que marcou o voto pelo SIM ou pelo NÃO dos sócios do São Paulo deixou lições que devem ser tiradas por todos. E, mais do que isso, compromissos que serão cobrados por nós dia a dia a partir de agora.

Durante a campanha de 20 dias situação e oposição se agrediram com terrorismo nas afirmativas, na defesa de seus argumentos e interesses. Houve algumas mentiras de lado a lado. Às vezes omissão de informação correta e clara do que significava cada uma das alternativas.

A oposição comemorou os votos que teve e acusou a diretoria de distribuir carteirinhas a rodo e só por isso ter vencido a contenda. A situação, por sua vez, disse que a oposição teve os mesmos votos que teve na última eleição e que não tinha crescido nada.

Na realidade, a oposição cresceu bastante. Afinal, na eleição de 2014, quando conselheiros foram eleitos e elegeram, depois, o nefasto Carlos Miguel Aidar, a oposição teve pouco mais de 30% dos votos. Neste sábado chegou a mais de 39%, perto dos 40%. Convenhamos, um crescimento de 30% no número de votos.

E isso foi um ótimo sinal. Nenhum clube, cidade, Estado ou País vai bem com oposição morta. O São Paulo só está na situação em que se encontra porque nos anos de Juvenal Juvêncio a oposição não existiu. Foi esmagada pela sanha de poder dos que, mais do que apoiar, eram verdadeiros cordeirinhos de Juvenal Juvêncio. Hoje não. A oposição se mostra forte, presente e é isso que o clube precisa para poder se reerguer. O que não quer dizer, entendam minha visão, que a administração Leco seja catastrófica. Não, avalio positiva até este momento.

Mas o SIM venceu. Assim tudo o que foi feito lá atrás acabou sendo chancelado. Mas isso é o que menos me importa. Afinal, não há como ressuscitar Marcelo Portugal Gouvea ou Juvenal Juvêncio para falar que o primeiro não poderia mudar o estatuto ou ver o segundo sentado na cadeira e mandá-lo sair de lá. Portanto, não havia muito a fazer. O mais importante é que teremos um novo estatuto, moderno e eficiente, em no máximo 120 dias.

Serei, e estou assumindo aqui o compromisso com o meu leitor, o canal de comunicação entre vocês, que não são sócios, e a comissão que será criada pelo Conselho Deliberativo, para apresentar as propostas para o novo estatuto. E mais: se sentir que as promessas de transparência para uma participação efetiva do sócio neste novo estatuto foram um engodo, liderarei todos os são-paulinos de bem e que, de alguma maneira, tem direito a voto no clube para dar um NÃO ao novo estatuto. Usarei a força do Tricolornaweb para isso, pois não admitirei que, depois da chancela que foi dada e da chance que temos para modernizar algo arcaico e casuístico, andarmos para trás.

Já antecipo algumas ideias que tenho e que vou apresentar, de modo geral: redução do número de conselheiros vitalícios, hoje em 160, para, no máximo, 120; seriam, então, 120 eleitos. E aqui reduziria drasticamente o número de eleitos pelo número baixo do título; mandato de conselheiros de quatro anos (hoje são seis); presidente também teria o máximo de quatro anos, podendo ser dois mais dois ou quatro direto, sem direito a reeleição. Possibilidade de todos os dependentes dos titulares de título votarem. Sobre a participação do sócio torcedor nesse pleito, preciso amadurecer um pouco esse pensamento, pois há agravantes e riscos que não podemos correr. Separação das tesourarias do Futebol e do Social, como era até o final dos anos 90. Profissionalização de vários departamentos, como futebol, jurídico, financeiro, comunicação, marketing e esportes amadores. Isso é só para começar. Serei muito duro na fiscalização e na cobrança. Ninguém me fará de bobo, pois se o fizer, estará fazendo toda a coletividade são-paulina de idiota.

16 comentários em “Assembleia Geral: ótimas lições a serem tiradas

  1. Held Campbell, ainda não percebeu que a torcida tem um time e não o inverso? A nação tem um presidente e não o contrário. O que seria o tricolor sem a torcida? Um ibis? Um asa de arapiraca? Nós somos o São Paulo e nada mais justo que escolhamos quem nos presida.

  2. Incrível como ainda tem gente que acha que “profissionalizar” áreas resolverá o problema estrutural do clube.
    Os clubes são cercados de gente com interesses pessoais. A historia do posto de gasolina de alguns anos atras é mais do que comum em grandes clubes. Isto se aplica para as agências de viagens, para a comida fornecida aos atletas, agência de comunicação e por aí vai. Sempre terá uma interligação. Profissionalizar estas áreas ajuda? sim, resolve o problema do futebol e da administração? Não enquanto os sócios e a parte social continuar mandando no clube. Ja vi e vivo esta historia num clube tradicional e proximo ao SPFC.

    Ou o clube começa a mudança de forma radical, ou daqui a 15 anos estaremos tão atrás dos demais, mas tão atrás que estaremos discutindo o que estamos propondo aqui – mudanças fortes e sadias.

    Como achar que a voz de 100 mil socios torcedores é errada e a de 240 conselheiros que elegeram Juvenal Juvencio e Aidar é certa?
    Depois tenho que ler sobre hipocrisia.
    Quem não apóia isto ou vive no passado ou tem medo de não continuar participando.

    Ou o SPFC entende que são 100 mil que sustentam o futebol com consumo, ingressos, pay per view, camisas ou o clube ficará como está hoje, a cara do congresso nacional com seus coronéis, suas “bandas evangélicas” e seus discursos eternos de reconstrução eleitos por uma minoria que vive de política e de benefícios sociais.

    Alias, passou da hora do clube desativar o clube de onde está, levar para outro lugar e ampliar os serviços de futebol no local.
    Só para lembrar que se fecharem a parte social, nada muda para o futebol.

  3. Eu acho bem engraçado as propostas lidas aqui no site.

    Vcs acham realmente que colocar 110.00 mil ST para votar é garantia de algum sucesso? Somos um povo que sabemos votar e nos interessamos por isso? Vamos parar de hipocrisia.

    A modernização de estatuto tem que ser em relação à administração do futebol, com estrutura moderna, com profissionais capacitados e remunerados em suas respectivas aéreas; com separação da área social, etc. Só colocar ST para votar não é garantia de nada.

    O objetivo do clube é ganhar títulos, e para isso precisamos de dinheiro, e se não tivermos uma administração moderna, deixando este estatuto da idade da pedra para trás, com separação da parte social do futebol, as mudanças serão incapazes de fazer efeito.

  4. A discussão sobre o voto do sócio torcedor, precisa acontecer.
    Se é evolução e modernidade que queremos, nada mais justo que os torcedores do time estarem incluídos nas decisões. É uma questão de justiça, o time não pertence a uma centena de conselheiros, é muito maior que isto, pertence aos torcedores.
    Que fiquem com o clube, vão tomar conta das piscinas e quadras etc. deixem o time para quem realmente pertence e o merece, seus torcedores.

  5. AMIGO E COMPETENTE JORNALISTA PAULO PONTES. É ISSO MESMO, ESCLARECEU MUITO BEM!! CONCORDO COM VOÇE EM TUDO QUE DISSE. HÁ MUITOS ANOS É MUITO AMADORISMO, INTERESSES PRÓPRIOS E IMCOPETÊNCIA EM TUDO QUE ACONTECE EM NOSSO AMADO E QUERIDO CLUBE. EU QUE tenho 50 ANOS E ACOMPANHO O TIME HÁ 43 ANOS, DESDE QUE MEU PAI COMEÇOU A LEVAR NOS ESTADIOS!! MEU PAI FALECEU HÁ 70 DIAS ERA SÓCIO NUMERO 30 HOJE, SÓCIO DESDE 1945, JÁ FOI DE TUDO NESTE CLUBE, CONSELHEIRO, DIRETOR ADJUNTO, SECRETARIO GERAL, DIRETOR DO DEPTO DE FUTEBOL DO INTERIOR, ETC!! ELE SEMPRE SOUBE DAS COISAS ERRADAS DESTE CLUBE E DOS INTERESSES PRÓPRIOS!! MAS VAMOS EM FRENTE, INÚMERAS COISAS FALTAM A SEREM MELHORADAS. TODOS NÓS OBSERVAMOS NOSSO SAO APAULO FUTEBOL CLUBE FICAR PARA TRAS, DE CORINTHIANS, PALMEIRAS, SANTOS, GREMIO, INTER, FLAMENGO, ETC… EM TUDO SEJA ORGANIZAÇAO, TÍTULOS, REFFIS, CONTRATAÇOES, MARKETING (DEPTO DE PROMOÇOES) HÁ VARIOS ANOS É ASSIM, VENDAS DE INGRESSOS ( SEMPRE ERRADO E TUMULTUADO QUANDO HÁ JOGO) APRENDA UM POUCO COM O RIVAL CORINTHIANS QUE TRABALHA CERTINHO…. MUITAS COISAS PARA DIZER!! O SAO PAULO É MUITO GRANDE, É O MAIOR DE TODOS!!!

    FORTE BRAÇO

  6. Alexandre k, parabéns… A ideia dos sócios torcedores, que se enquadrassem num período x de filiação e um valor y de parcela por mes é excelente.

  7. Sr. Paulo! Há um engano na sua matéria. O resultado não fez coisa julgada na ação proposta em 2003 e tampouco poderemos dizer que houve o cumprimento daquela decisão. A sentença determinou a anulação total dos atos e não que tais atos viciados fossem referendados. Essa convocação é descabida e como há vícios anteriores, ela também é irregular. A ação vai continuar e a decisão será cumprida. Isto significa que aquele bando de conselheiros vitalícios, improdutivos, e, os atuais conselheiros que foram votados, muitos, semi-analfabetos e não acostumados viver entre cultos, vão cair. Pelo bem do SPFC, pois, a nossa Instituição está engessada e a modernidade administrativa passa longe do Morumbi.

  8. Sã o 101 mil sócios torcedores. Como comprar o voto de todos eles?
    Vamos ser sérios aqui, pf.

    Gostei da idéia de exclusão de conselheiros vitalícios. Isto deve servir apenas para a parte social, que deveria ser separada do futebol.

    Para mim o clube deveria ter a figura de um presidente tendo abaixo 2 presidentes – um da parte social escolhido pelos socios e outro de futebol escolhido pelos socios e sócios torcedores, que se enquadrassem num período x de filiação e um valor y de parcela por mes.

    O cara quando se torna sócio torcedor, faz por amor ao clube. O cara quando se torna sócio do clube o faz por vezes por conveniência. Dar o direito ao sócio escolher o presidente da parte do futebol e não dar ao sócio torcedor é desproporcional.

  9. Pessoal, chega de demagogia, um clube tão avesso a mudanças, não podemos esperar que mude da água pro vinho de um dia pro outro.
    Acho correto o ué o Paulo está fazendo, precisamos mudar, isto é fato, mas precisamos mudar aos poucos. Se tentarmos algo radical, será barrado.
    Quanto aos sócios torcedores, não é algo simples, é preciso criar mecanismos para impedir que aconteça com os socios-torcedores, como na política, onde se tornam massa de manobra, com votos comprados, assim como um MST da vida é.
    Acho que no futuro os votos devam ser considerados, mas devemos estudar mecanismos para que não se crie uma ferramenta de fraude em prol da situação ou oposição.
    Ou vocês se esqueceram de como a independente era usada como massa de manobra em prol do Juvenal ? Intimando e criando confusão para impor as vontades do JJ.

  10. Achei também tímidas as propostas. Acho principalmente que não deveriam existir conselheiros vitalícios. Os tempos mudaram e os homens são outros. Acredito que deveria ter um tipo de sócio torcedor que pagasse valor maior e tivesse direito a voto.

  11. Sem ter nenhuma admiração pelo Leco, que esteve ao lado de JJ o tempo todo, vou registrar o seguinte: tão fraca quanto a situação é a oposição. Se sobra amadorismo na atual gestão, tenho certeza de que falta qualquer desejo de profissionalização nos que hoje perderam o referendo.
    Um quadro de divergência política é saudável numa república, onde se pressupõe variedade de opinião. Um clube deveria ser uma comunidade unida por ideais comuns. Quando isso não acontece, morre a razão de a instituição existir. Vira política barata e mesquinha, que expulsa os dignos e atrai os canalhas e aproveitadores.

  12. Paulo eleição indireta deixa o clube como o congresso nacional.
    Ou o clube abre sua mente ou vamos continuar pagando no campo por gente eleita por politicagem e pouquíssima competência no cargo, vide o caso Ataide.
    Sócio torcedor tem sim que votar pelo futebol do clube que não é mais aquele clube dos anos 60 sem títulos.
    Suas propostas são pouca inovadoras, convenhamos – o clube sempre foi ousado. Precisamos agigantar o clube novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*