A derrota foi um cartão de visitas ao novo técnico

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, perder para o Botafogo no Morumbi, ninguém merece. Foi um verdadeiro cartão de visitas a Ricardo Gomes, que assume o time nesta semana com a obrigação de fazer esse elenco parar de passar vergonha e deixar a torcida vermelha – ou amarela – de raiva.

Aliás, este domingo tinha tudo para dar errado no Morumbi. A começar pelo uniforme, uma coisa horrível, nada a ver com nossa tradição e com nossas cores. Só um Conselho Deliberativo com as cabeças que temos lá poderia aprovar essa ideia estapafúrdia da Under Armour – e como está o contrato da Far East e o Jack – aliada ao nosso departamento de Marketing. Estão conseguindo nos igualar cada vez mais aos nossos rivais. Péssimas administrações consecutivas, longos anos sem um título importante e agora um uniforme cuja cor não tem nada a ver com o São Paulo. Só falta a série B para sermos exatamente iguais aos outros.

O jogo foi ridículo. O São Paulo até criou algumas chances, mas não aproveitadas. E tomamos o gol aos 49 minutos do segundo tempo. Falha coletiva da defesa, principalmente de Buffarini, herança de Paton, que tomou um drible da vaca e ficou a ver navios.

O São Paulo não tem meia. Cueva, que hipoteticamente poderia fazer esse papel, jogou aberto pela esquerda. Luiz Araujo, quando entrou, ficou pelo meio. Horrível. Foi para a ponta. Mal, muito mal. Kelvin desaprendeu a jogar. Thiago Mendes não acerta passe de dois metros. A ruindade contaminou João Schimidt, que também começou a errar tudo.

Quando fiquei sabendo que Ricardo Gomes houvera sido consultado para voltar, fiquei “p” da vida, me indignei e entendi um grande erro. Sei que parte do Conselho, englobando a diretoria, não é favorável ao seu nome. Mas é questão pessoal de Leco, que era vice-presidente de Futebol quando ele veio da França para o São Paulo. E o regime no Tricolor é o presidencialista.

De fato sua passagem pelo Morumbi não foi das piores. Pegou um time na 16ª colocação do Brasileiro – hoje está em 11º – e o levou à Libertadores, chegando nas últimas rodadas disputando o título; e chegou à semifinal da Libertadores. Mas não é o técnico dos meus sonhos. Aliás, quem seria o técnico dos sonhos aqui no Brasil? Tirando Cuca e Tite, para mim, é tudo a mesma coisa.

Que os bons ventos soprem positivamente para Ricardo Gomes e que ele consiga fazer esse time jogar, porque de amarelões e vergonhas, além da camisa ridícula, já estamos cheios.

7 comentários em “A derrota foi um cartão de visitas ao novo técnico

  1. Pelo time de frouxos que temos, é quase certo que vamos reabilitar o Internacional, que está caindo pelas tabelas. E ainda tinha gente que criticava o LF, com ele com fama de pipoqueiro e tudo, nosso ataque ficava sempre entre os melhores das competições. Agora contratamos 2 centroavantes meia-boca que não jogam por estarem contundidos e se jogassem não fariam grande coisa.

  2. Legal é alguém achar que o Ricardo Gomes (O RICARDO GOMES!!!!!) vai dar um jeito nesse time.

    Só pra lembrar: é o RICARDO GOMES.

    Pode esquecer 2016

  3. Não adianta ficar aqui criticando treinador ou jogador! Nosso problema é GESTÂO, precisamos de pessoas que pensa diferente novas ideias e não esses caras arcaica como esses cara que estão na frete do SPFC, enquanto esses cara estiver a frente do SPFC continuaremos sendo pequenos! Para o SPFC voltar e ser time grande precisamos de melhorar nos GESTÂO, a culpa não é treinador e nem jogadores.

  4. Sinceramente, já estou cansado de ver o SPFC passar vergonha, não é nem de longe aquele clube que aprendi a amar graças ao meu querido pai que Deus o levou.
    Isso que está aí é um clube doente, cujo vírus causador foi aquele cachaceiro corintiano safado, que morreu mas deixou sua doença implantada no clube.
    Mas ele não o fez sozinho, teve apoio da maioria dos conselheiros e a omissão de outros, apenas sete foram contra aquele verme.
    E os aliados dele estão no poder, o que esperar de novo, NADA!!

    Temo pela segunda divisão, é pior que 2013 pois não temos jogadores com brio pra nós salvar.

  5. É a velha história, quem não faz, toma.

    Dominamos boa parte do jogo e teríamos tido uma percentagem de posse de bola bem maior, não fosse o T Mendes que passava tudo errado.

    Tivemos 14 tentos contra apenas 6 do adversário.

    Mas de novo, não temos um matador. Apenas mata traves.

    Concordo com você sobre Kelvin. O que aconteceu com esse cara?

    Até os 30min do 2° tempo eu estava frustrado pelo empate. Mas depois comecei a torcer para o jogo terminar logo que o Fogão crescia. E o que eu temia, mas antevia, aconteceu.

  6. O pior nao foi o Buffarini levar o drible na vaca mas o Maicon nao foi na bola cruzada se perceberem ele ficou parado nem esboçou nem uma reação que seria suficiente para a bola nao passar, ridiculo tudo bem que ele assumiu o erro, mas ate ai ja era, jogador experiente fazer dessa tem que repensar seu modo de jogar, falar menos e jogar mais, sao paulo fez um esforço enorme para compra-lo mas para continuar com essas falhas primarias vai comecar a cair na desgraça.

  7. Olha não sei o restante do pessoal, mas estou achando o buffa meio precipitado no bote. Pode ser questão de adaptação, mas ele está indo muito seco na bola. Durante o jogo ele já havia tomado outro drible daquele em um lance de contra ataque do botafogo em que o Maicon chegou na cobertura depois de ele ter ficado no chão. Contra o Atlético foi assim também num lance contra o Pratto.
    Acho a imprensa muito mal preparada em sua maioria. Vi uma reportagem do footstats falando a respeito das oportunidades de gol criadas e não concluídas.
    Os repórteres nunca indagam o Gustavo a respeito disso, afinal times com investimento bem menor que o nosso estão com aproveitamento superior. Todas entrevistas do Gustavo eu noto certa soberba, além do que ele só fala quando o time está ganhando.
    Dai eu proponho uma reflexão aqui pro pessoal. Veja se concordam. O Gustavo tem feito boas contratações, mas não tem conseguido bons resultados, ou seja, não tem formados bons times. Seria isso reflexo do formato de contrato dele que premia pela venda dos jogadores em detrimento dos resultados esportivos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*