O time da Copinha tem equilíbrio

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, apesar de ter assistido todos os jogos do São Paulo na Copinha, não me manifestei até agora e deixei para fazê-lo hoje.

Não acho que seja um grande time, com destaques prontos para subir ao profissional. Mas inegavelmente é um elenco que tem grande equilíbrio e não perde a cabeça. Já havia percebido isso no jogo contra o Barueri, quando o São Paulo precisava ganhar de qualquer maneira e, apesar da grande dificuldade, conseguiu ter cabeça para chegar à vitória.

Isso repetiu-se nessa quinta-feira. Jogo truncado, o Brasília muito recuado, poucas chances criadas, o Tricolor jogando mal. Aí acontece o que ninguém esperava: 20 minutos do segundo tempo e gol do Brasília. Tudo parecia estar perdido. Mas não. O time continuou consciente, mantendo o esquema tático até chegar ao empate. E teve tranquilidade na cobrança dos pênaltis.

Talvez o fato de não ter nenhuma estrela, mas garotos motivados pelo objetivo maior que é a conquista do título, nos traga alguma surpresa e nos coloque na final da Copinha. Repito: não vejo um grande time em campo, mas vejo um elenco muito consciente e sabendo o que quer.

Destaco o lateral Auto, o meia Boschilia e o atacante Ewandro como os grandes nomes deste time. Acho, até, que eles poderiam estar no time de cima durante o Paulistão, para serem utilizados em alguns jogos.

Não gosto da zaga nem dos outros atacantes. O técnico Menta já testou Avelino, Paulo, Joanderson e nenhum conseguiu nada.

Mas se a cada ano conseguirmos promover três jogadores para o profissional, com boas condições, acho que o trabalho de Cotia terá frutificado.

5 comentários em “O time da Copinha tem equilíbrio

  1. O time é mediano. O goleiro é muito fraco. Se trocarmos ele por um jogador de linha e deixar um cone no lugar dele, será maís útil, pois teríamos 11 na linha contra 10 do Atlético. No nosso gol não precisa de ninguém, já que todas as bolas que vão para lá entram.
    Por sinal, onde Cotia arruma esses goleiros tão fracos?
    Na Copa do Brasil sub 17 que vencemos em 2013 tínhamos um tal de Eder muito fraco. Agora esse Jairo é outro arremedo de goleiro.

  2. Estou esperançoso com esse atacante Ewandro. O menino é inteligente, pensa a jogada antes dos demais, além de não errar um passe e finalizar muito bem.

  3. Concordo com a opinião, abaixo, do Held.
    Nunca tinha pensado nisso, mas adorei a ideia de formar, na Europa, um técnico para a base que poderia, com o estudo e a experiência, vir a ser um bom técnico para o time profissional: afinal, gasta-se tanto com salários exorbitantes para jogador “meia-boca”, por que não para a formação de um profissional diferenciado (no Brasil os técnicos são formados por “oportunidade” e sorte). O Menta tem a oportunidade; vamos ver se com sorte.
    Embora o Joanderson não tenha jogado nada no dia em que entrou na equipe, vimos ele jogando no mundial e na copa do Brasil e sabemos que ele é bom de bola. Precisa ver o que ocorreu para que ele fosse tão pouco testado na copinha.
    Paulo Pontes, vou discordar quanto a não ter jogador pronto. O Boschilia me parece prontinho: sabe o que fazer com a bola no pé, tem um ótimo passe, é criativo e bate muito bem com a perna esquerda (a la Jorge Vagner como o
    Muricy gosta). É só o técnico não fazer com ele o que está tentando com o Wellington: inventar.
    abraços

  4. Paulo, ontem foi o primeiro jogo que assistir neste ano. Tirei um tempo para poder digerir o ano passado e este tempo serviu para limpar um pouco a cabeça dos jogos horrorosos que vimos. Acontece que algumas coisas me deixaram muito assustado:
    1) a garotada de 17, 18 e 19 anos já faze com que o jogo seja uma coisa muito chata de se ver. Toda hora simulando faltas, discutem com o árbitro por qualquer motivo, usam a “cera” para deixar o jogo mais lento, não há um lance de inteligência para sair da retranca do outro time.
    2) como é que pode um técnico colocar um time de garotos jogando com 11 jogadores em frente a linha da grande área? Não era para ser diferente?
    2) não há qualquer novidade tática, Os jogos são sempre os mesmos, com as mesmas jogadas previsíveis dos jogos dos profissionais.
    3) como é que um time grande como o SPFC não manda o técnico da mulecada fazer um período de estágio de 6 meses na Europa para aprender um pouco de coisa nova??
    Sei lá, posso estar um pouco com a ressaca do ano passado ou a idade – 40 anos – está me fazendo mal. Mas, sei que estou perdendo a vontade de assistir ao futebo pelo simples fato de não me emocionar ou me empolgar como esperava.
    Grande abs.

  5. Eu já gosto da zaga, embora não seja perfeita.Mas no geral, concordo com o Paulo.Joanderson,Avelino e Paulo são agradam (que zica de falta de atacantes!). Mas o time realmente é bem equilibrado, só acho que Boschillia fica muito na ponta, deveria ser um ponta de lança neste time.Embora tenhamos sido ajudados pela arbitragem fraquíssima (um penal claro pra eles no final do jogo,não marcado), o que gosto neste tipo é a superação e não se abalar com um resultado negativo.Mas o ponto forte do time é o treinador:Menta mostra que tem futuro na profissão.E que fique conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*