Partida no Rio serviu para testar o elenco

Amigo são-paulino, leitor do Tricolor na Web, o São Paulo jogou com o time reserva e perdeu, de virada, para o Fluminense. Algo esperado, mas valeu a atitude de Muricy para preservar os jogadores para quarta-feira, jogo que realmente é o nosso foco, pois no Brasileiro estamos em situação confortável sem, no entanto, ter chance de chegar a lugar nenhum.

O time até começou bem. Aguentou dez minutos de pressão do Fluminense, equilibrou o jogo e fez o gol. Aliás, uma pintura: passe preciso de Jadson, toque mágico de calcanhar de João Schmidt e conclusão feliz de Welliton. Era tudo o que precisávamos para enervar ainda mais o adversário e ter o contra-ataque à nossa disposição.

O São Paulo só não podia contar – mais uma vez – com uma falha do Denis. Primeiro um chute à queima-roupa no travessão; depois um chute forte, é verdade, mas de fora da intermediária.  Ele, ao invés de espalmar, tenta segurar. A gola, lisa, passa sob seus braços, explode na trave e, no rebote, com a defesa dormindo, Jean marca o gol de empate.

Isso mudou o jogo. O São Paulo foi recuando e o Fluminense dominando. Muricy ainda tirou o horrível Lucas Silva e pôs o quase horrível Caramelo. O corredor continuou quase igual, só que conseguimos ter um mínimo de tentativa de ataque pela direita.

Mas um erro simples, mas fundamental da arbitragem mudou o resultado. Gum, que já tinha cartão amarelo, deu um carrinho violento em Lucas Evangelista e deveria ser expulso. Não o foi e acabou marcando o gol aos 44 minutos do segundo tempo, num cochilo total da terrível defesa do São Paulo. Portanto atribuo sim, ao árbitro, responsabilidade pelo resultado.

Quanto ao elenco, do que se apresentou nesse domingo, acho que Denis deve continuar sendo apenas reserva; Caramelo não serve para nada, deve ser emprestado; Rafael Toloi é, no máximo, reserva; Edson Silva tem que ir embora; Lucas Evangelista deve ser emprestado; Wellington pode ser reserva; Fabrício tem que ser dispensado; João Schmidt tem um grande futuro e deve ser preservado; Jadson deve ter mais chances e ficar, nem que seja para a reserva; Osvaldo precisa ser mais exigido e pode compor elenco, assim como Welliton. Já jogadores como Clemente Rodrigues e Lucas Farias, que não é escalado mesmo com a ausência total de lateral, devem ser mandados embora.

E, repito: sem mágoas. Nosso jogo é quarta-feira!

3 comentários em “Partida no Rio serviu para testar o elenco

  1. Paulo, o pseudo craque Neto disse que o Lucas Silva será em breve jogador de seleção, hoje foi a primeira vez que vi esse rapaz jogando, mesmo fora de posição não achei tão ruim assim, acho que hoje seria o jogo para testá-lo no lugar do Edson Silva.

    Aproveitando, você sabe se há algum fundamento na possível troca do Jadson por Manoel e Marcelo, ambos do Atlético PR? vi isso num fórum do SP.

    • João, quanto ao Neto, dispenso qualquer opinião dele, pois para mim não passa de um grande fanfarrão. Não gosto do Lucas Silva como zagueiro, oque dirá como lateral. Quanto à possível troca de Jadson, também ouvi falar algo, mas acho difícil ocorrer, pois é um jogador caro e o Atlético não terá como pagar seu salário. Acho que ele vai ficar no São Paulo.

  2. Murici, disse tudo, nosso TRIMUNDIAL, e um boeing,
    o maior que existe, e para pilota-lo nao pode ser apenas bom,
    tem que ser dos mais experientes, enfim, os melhores.
    Assim, tambem deveria ser com os jogadores,
    chega de meias bocas de graca, precisamos de atletas
    de acordo com nossa grandeza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*