Lugar de chorar é na cama

Amigo são-paulino, leitor do Tricolor na Web, noticiamos nesses últimos dias o imbróglio envolvendo São Paulo e Ponte Preta, e a questão do estádio Moisés Lucarelli. Somente ontem a Ponte se pronunciou oficialmente sobre a decisão da Conmebol, que vetou o estádio pontepretano para a semifinal da Sul-Americana.

Sinceramente não estou entendendo os ataques que o presidente da Ponte está fazendo contra o São Paulo, só porque o Tricolor exigiu o cumprimento do regulamento do torneio, que prevê capacidade mínima de 20 mil lugares no estádio que sediar a semifinal da competição. Não foi essa mesma Ponte que cobrou ética do São Paulo na contratação do goleiro de 16 anos e que liderou um boicote na Copinha contra o Tricolor?

E não concordo, também, com o que dizem que essa atitude do São Paulo vai gerar para a eternidade mal-estar entre as duas agremiações e torcedores. Isso é forçardemais. Até porque a diretoria do Tricolor fez o que é de seu ofício: defender o São Paulo e existir que se cumpra o que foi assinado.

Acho que as pessoas precisam se enxergar melhor e serem menos incoerentes em suas iniciativas. Por que o São Paulo vive de picuinhas por exigir o cumprimento do regulamento?Brigar por um garoto de 16 anos, que ninguém sabe o que vai virar daqui a quatro anos, não é picuinha?

Vamos lembrar 1977? Quem já era nascido naquela época e acompanhou os acontecimentos vai lembrar.A final do Campeonato Paulista, entre Corinthians e Ponte Preta, seria realizada em dois jogos, um com o mando de cada time. E a Ponte se vendeu e jogou seu mando no Morumbi. Portanto, a história não credencia o time de Campinas criticar quem quer cumprir regulamento.

Desculpem se vou ofender, mas cresçam e se estabeleçam. Se acham que são grandes o suficiente para disputar um torneio internacional, apresentem estrutura para isso.  E, como ocorreu em 1977, se quiserem o Morumbi para mandar o seu jogo, estamos abertos ao alugá-lo. Ou vão chorar na cama, que é o lugar ideal para isso.

8 comentários em “Lugar de chorar é na cama

  1. Acho justa a posição adotada pela diretoria.
    Todavia isto devia ser feito sempre, mesmo com times grandes, como não foi o caso com o Atlético.
    Diretoria fraca, resultado fraco, contra os mais fracos insurge como forte, mas não engana, pelo menos a mim.

  2. Vi uma comparação perfeita sobre esse caso.
    O time do Orlândia de futsal, onde está jogando o Falcão, foi para a final da liga. Como não tem um ginásio com a capacidade estabelecida em regulamento para a disputa da final, foi jogar em São Sebastião do Paraíso.
    E tudo isso sem fazer esse alarde e chororô que a Ponte está fazendo e o Atlético fez no passado.
    E isso é recorrente nos outros esportes. E não há esse ‘problema’ em se fazer valer os regulamentos.

  3. 1977
    Lembrava daquela decisao tendo como unico responsavel
    pela perda do titulo da pp, o atleta Rui Rei,
    mas, foi mesmo a ponte que se vendeu,
    jogando as duas na capital, bem lembrado PPontes.
    Essa pp, tem mesmo que ser escrita assim, pp,
    e mesmo um timeko que nao honra suas tradicoes,
    querem ser grandes mas hagem como pequenos,
    como sao mesmo.
    Achava que o SAOPAULO, atravez de sua diretoria, nao teria agido certo,
    mas, sinceramente eles estao mesmo certissimos.
    Se existe regulamento, e para ser lido, discutido e depois respeitado.
    Ponto para nossa diretoria, e ppretanos, nao se esquecam
    que fecharam as portas para nosso torcedor no brasileirao,
    sem mais nem menos, nao deram nem satisfacoes.
    Levaram agora, suas bichonas.

  4. Ué? Não foi a Ponte quem fez o maior inferno cobrando o SP que cumprisse as regras no caso do Lucão? Dê o exemplo agora então, mostre uma postura honesta, faça ao invés de falar.
    Isso só prova o que todo mundo já sabe, esses brasileirinhos aí usam qualquer argumento pra se dar bem. Só vale o próprio umbigo, a honestidade desses caras é completamente relativa. O SP está certo em não dar um passo atrás nem em relação ao Lucão (já que não houve aliciamento) nem em relação ao estádio. Que forcem a barra mesmo, fazendo esses malandros aprenderem a serem profissionais na marra.

  5. Mesmíssima história do Atlético-PR. Entraram no torneio sabendo que, se chegassem onde chegaram, não poderiam usar o próprio estádio. Mas, nos dois casos, os times, pequenos até em suas ambições, apostaram no insucesso e não se prepararam. Daí vem um monte de gente, imprensa e cartolas, cobrar gentilezas do S.Paulo.

    Tenho certeza que jogar em Campinas não faria diferença para o São Paulo. Mas dou razão a diretoria, pois, fosse feita a gentileza, no caso de derrota, essa mesma imprensa que agora critica o tricolor jogaria a torcida contra a diretoria. Seria um festival de manchetes dando destaque ao fator “casa”.

  6. Paulo p mim, essa diretoria da ponte só está fazendo isso p agradar os torcedores dela,vc sabe como essa torcida é pacífica, acho q pelabponte os 2 jogos seriam no morumbi pois no mando da ponte, ela põe o preço q quiser e leva uma bolada p casa, mas se fizer isso a torcida vai lá e na sede e quebra e mata todos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*