Vitória necessária, mas que deixou dúvidas

Amigo são-paulino, leitor do Tricolor na Web, o São Paulo venceu com muita dificuldade o The Strongest, no Morumbi, na noite desta quinta-feira, pela Libertadores. Confesso que eu esperava um jogo muito mais tranquilo, até como forma de abrirmos no saldo de gols. Mas não foi isso o que aconteceu.

O esquema 4-2-3-1 até funcionou no começo. O São Paulo começou com grande volume de jogo e poderia ter aberto a contagem não fosse o erro do árbitro, logo a dois minutos, ao não observar a lei da vantagem e parar o jogo marcando uma falta. Assim mesmo Rogério Ceni quase marcou na cobrança da falta.

O São Paulo dominava o jogo por completo, restando ao The Strongest o contra-ataque. Mas, numa cobrança de escanteio, veio o gol dos bolivianos. Pronto. O time desandou. A parte técnica, que já não era das melhores, foi diretamente abalada pelo nervosismo e pela falta de confiança.

Os erros começaram a aparecer com mais frequência. Douglas e Cortez não saíam para o ataque e não conseguiam segurar as descidas dos laterais bolivianos. Denilson estava completamente perdido na marcação e Wellington, não não vive um bom momento, não conseguia dar conta sozinho da marcação. E o São Paulo começou a correr muitos riscos.

O gol de Osvaldo, no final do primeiro tempo, serviu para acalmar os ânimos e fazer com que o time saísse de campo, para o intervalo, aplaudido pela torcida.

O segundo tempo começou do mesmo jeito que acabou o primeiro: o São Paulo errando muito e o The Strongest ameaçando.

Ney Franco, então, ousou: tirou Denilson, que fazia uma má partida, e colocou Ganso. Jadson foi recuado para funcionar como segundo volante e Ganso jogou mais avançado.

O time cresceu de produção, mas não o suficiente para virar o jogo. Então entrou Cañete no lugar de Aloísio. E foi um grande abafa para cima da defesa boliviana, até Cañete achar Ganso, que por sua vez encontrou Luis Fabiano e o segundo gol estava marcado.

Ney Franco rapidamente colocou Fabrício no lugar de Jadson, para reforçar a marcação do meio de campo e, por mais que o The Strongest voltasse para o ataque, foi o São Paulo quem esteve mais perto de marcar o terceiro gol.

Ainda acredito neste time do São Paulo para o futuro na Libertadores, mas muita coisa tem que melhorar. Os jogadores estão aí. Cabe a Ney Franco arrumar o esquema para a defesa não sofrer tanto. Talvez a entrada de Fabrício no lugar de Denilson possa ser uma boa solução. E Ganso, não tenho dúvidas, tem que ser titular.

 

3 comentários em “Vitória necessária, mas que deixou dúvidas

  1. Precisa tirar esses horríveis laterais Cortez e Douglas e colocar o Carleto e o Lucas Farias.

    Aliás, porque ainda não renovaram com o garoto ?

  2. E o tal Luiz Guilherme sempre reclamando da falta de contratações… muda o disco pia!!!

    Quer 745 reforços todo ano… kkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*