Volta de Kaká exige novo time e saída de volante após melhor atuação do SP

O São Paulo disputou nove pontos no Brasileirão desde que voltou a jogar após a pausa para a Copa do Mundo. Conquistou apenas um, em sequência teoricamente fácil. No último sábado, empatou por 1 a 1 com o Criciúma naquela que deve ter sido uma das melhores exibições da equipe em todo o Brasileirão e definitivamente a melhor desde o fim da Copa. No último jogo, o volante Maicon, adiantado e fora da posição habitual, foi um dos melhores. Mas nada disso contará para o próximo jogo, domingo, contra o Vitória: o retorno de Kaká forçará mudança no esquema tático, e o volante que se destacou deve ser o escolhido para deixar a equipe.

Foram 19 finalizações do São Paulo contra o Criciúma, recorde na temporada, de acordo com números do Footstats. Antes, a melhor marca havia sido contra o Coritiba, na terceira rodada, mas com apenas cinco chutes direcionados a gol de um total de 15. Além de uma boa atuação de Alexandre Pato, que foi quem mais contribuiu para o número, o São Paulo que empatou com o Criciúma dominando o jogo teve um novo esquema tático que deu certo. Mas que será abandonado para a entrada de Kaká.

Pato foi tão bem que não sairá da equipe titular. Muricy já avisou. Alan Kardec fez gol, ganhou elogios, e o técnico não abdicará do centroavante. Paulo Henrique Ganso deu assistência para o gol e também tem vaga garantida. Denilson, que entrou como primeiro volante e surpreendeu com atuação sólida, à frente da zaga, liberando os volantes, deve ficar. Sobrou para Maicon, que desempenhou muito bem papel que Kaká (ou Ganso) não poderá desempenhar.

Maicon, no centro do meio de campo, fez aquilo que Ganso tem mais dificuldade em atender: entrou na área, atuando entre a linha de meio de campo e o gol adversário. Bateu o próprio recorde de finalizações no Brasileirão e passou a bola 70 vezes, sua segunda melhor marca na competição. Pela vaga provavelmente conquistada por Denilson e pela maior eficiência de Souza como segundo volante durante a carreira, Maicon é o favorito a ceder espaço.

O problema é que Kaká necessariamente não irá desempenhar a mesma função. Se o São Paulo ganha em técnica e poder ofensivo com aquele que foi o melhor jogador do planeta em 2007, perde em dinâmica, marcação, desarmes e ligação entre os volantes e o setor ofensivo. A equipe que enfrentará o Vitória, voltando ao 4-2-3-1 ou no 4-4-2, dependendo do desenho, deverá ter Rogério Ceni; Douglas, Rafael Toloi, Antonio Carlos e Alvaro Pereira; Denilson, Souza, Ganso e Kaká; Alexandre Pato e Alan Kardec.

Tal análise ainda parte de observação e relatos de quem vive diariamente no CT da Barra Funda, porque até quarta-feira Muricy Ramalho não fez qualquer esboço de treino tático ou coletivo, ensaiando uma equipe. Mesmo com a semana livre desde o jogo no sábado, o treinador preferiu não realizar atividades coletivas. Concedeu folga ao elenco no domingo e na segunda-feira, fez atividade regenerativa com os titulares na terça – reservas fizeram treino técnico no campo –, realizou treino de finalizações na quarta pela manhã, e voltou ao treino físico e técnico à tarde.

 

Fonte: Uol

Um comentário em “Volta de Kaká exige novo time e saída de volante após melhor atuação do SP

  1. Depois o time faz aquela apresentação medíocre e o “professor” tem que arranjar desculpa. E, pior, é que ele arruma. Nunca, porém, falta de treinamento. Perde a semana toda e, no sábado, distribui as camisas para quem vai jogar e quer que tudo corra muito bem. Temos visto, repetidamente, esse “filme” no SP do Murici . . .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*