Tricolores reclamam de sequência e defendem rodízio de titulares

Às vésperas de decidir seu destino na Copa Libertadores da América, os jogadores do São Paulo acreditam estar em totais condições de encarar um jogo duro fisicamente como se projeta o duelo diante do River Plate-ARG, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), no estádio do Morumbi. O motivo, na avaliação deles, é o rodízio implantado pelo técnico Edgardo Bauza, artifício para encarar os 21 jogos disputados em 70 dias, média de um a cada 3,3 dias.

“De janeiro até hoje não tem um time que jogou tanto jogo quanto a gente, é bobagem pensar que jogando a cada três dias, viajando, com a intensidade do jogo de hoje, alguém consiga jogar todos os jogos. Não sei porque só o São Paulo joga de três em três dias. A médio e longo prazo, faz a diferença. Tem que ter um elenco equilibrado, com todos os jogadores que possam jogar para ter uma troca e manter a intensidade física dos atletas”, afirmou o zagueiro Diego Lugano, zombando daqueles que consideram a medida uma “invenção”.

“Bauza também não inventou a pólvora com esse rodízio, né? Você me fala: “Ah, mas os caras são pagos para jogar bola”. Sim, posso jogar daqui até um mês, me deixe no campo mas não é só isso. É um outro nível de competição. Se você ficar querendo jogar todos os jogos nesse nível, sem plenitude física, vira um fominha”, continuou Lugano, que tem opinião parecida com a do próprio treinador.

“Fico preocupado com a parte física dos jogadores por causa da necessidade de se fazer um jogo de bastante contato diante do River. Só vai entrar quem estiver 100%”, observou o comandante, que vê no seu defensor um exemplo de futebol “mais físico”, em sua própria palavra. Por isso, nesta quarta, Patón tem dúvida se escala Lugano ou Rodrigo Caio.

“Agora começam as semanas decisivas, começa a parte linda, todo jogo é ganhar ou ganhar. É uma sequência maluca, mas não é de agor. Temos desafios muito grandes, acho que o elenco está preparado, tem fome, vontade de deixar sua marca aqui no clube, mas só o resultado vai falar. A confiança está em nós”, assegurou o jogador de 35 anos.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

4 comentários em “Tricolores reclamam de sequência e defendem rodízio de titulares

  1. Sempre os mesmos velhos preconceitos…
    Aprendam: em qualquer esporte profissional, até tênis de mesa, é preciso reunir totais condições físicas para obter desempenho máximo.
    A rotina de quarta e domingo direto, sem intervalos maiores, prejudica o ciclo de esforço e recuperação.
    O time precisa revezar mais ainda do que reveza, como fazia o Osorio. Como faz o Aguirre no Galo. Os técnicos estrangeiros ficam chocados com o calendário brasileiro.
    Não é desculpa. É o básico da preparação física.

  2. Que rodizio nada, tem que jogar, ganham muito para trabalhar somente 2 dias, e os outros times que tb estao disputando paulista e libertadores tb tem maratona de jogos como os nossos, e se reclamam pq tiveram que jogar a repescagem, ninguem mandou ser um time fraco e incompetente.

  3. Não concordo com rodizio, jogador recebe muito e tem todo o conforto para jogar domingo e quarta, sempre foi assim porque na época em que tínhamos jogadores de verdade ninguém reclamava e olha que eles viajavam até de ônibus para os outros Estados mais perto e jogavam prá valer e que nem homem, hoje este monte de perna de pau tem tudo de bom e não joga nada e ainda reclamam de jogar a cada 3 dias. Bota esta turma para cortar cana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*