Tricolor ignora superioridade para encarar peruanos no Pacaembu

O São Paulo tem nesta quarta-feira a primeira grande missão da equipe para a temporada 2016. Ainda em reconstrução e adaptando-se ao estilo do técnico Edgardo Bauza, o Tricolor terá pela frente o Universidad César Vallejo-PER, às 21h45 (de Brasília), no estádio do Pacaembu. Muito superior no jogo de ida, apesar do empate por 1 a 1, os brasileiros querem esquecer a diferença técnica entre eles e os peruanos para evitar qualquer chance de sustos. Um empate sem gols já daria a vaga aos brasileiros.

Para isso, todos os atletas foram cobrados individualmente pelo técnico Edgardo Bauza a não acreditarem que o bom resultado no Peru já deixou a vaga encaminhada. “Nós não podemos pensar de maneira alguma que estamos classificados. Aliás, se eu perceber em algum momento que os jogadores estão tratando a partida dessa forma, tiro do time na mesma hora. Na Libertadores, não há espaço para posturas soberbas. Temos que ir lá e fazer valer o nosso mando de campo”, afirmou o treinador tricolor.

Já ciente da cobrança do comandante, o elenco não deixou por menos e faz questão de apontar possíveis perigos dos adversário. Foi consenso entre os atletas que o César Vallejo sabe jogar com a bola no pé e tem de ser sufocado na hora de sair jogando. O belo gol marcado por Hohberg em Trujillo, com um potente chute de fora da área, no ângulo direito, é utilizado como um exemplo da capacidade dos peruanos.

“O que nos preocupa mais na equipe deles é a bola parada porque eles têm jogadores altos, muito bons na bola aérea. Jogam bastante com bolas longas, temos de ter o máximo de concentração possível e o cuidado necessário para que a nossa equipe não seja surpreendida por esses lances”, disse o goleiro Denis, pela primeira vez como titular em uma grande decisão do clube.

Não é só o arqueiro que tenta se provar diante dos mais de 30 mil tricolores que devem marcar presença no campo municipal. A maioria dos atletas ainda não conseguiu apagar a imagem deixada na temporada passada, com goleadas em clássicos e mau desempenho nas decisões de mata-mata. Para eles, essa é a hora de mostar que o elenco ficou “mordido”.

“A gente já vem fazendo isso desde o primeiro jogo, apesar de não ter vencido, tanto no Paulista quanto no jogo de ida contra o César Vallejo. A gente espera ratificar essa classificação aqui”, analisou o meia Paulo Henrique Ganso, dono de bom começo de ano. Caso empate novamente por 1 a 1, o São Paulo teria de decidir nos pênaltis. Igualdades em 2 a 2, 3 a 3 e por aí em diante selam a classificação dos rivais. Caso haja vencedor, esse será o classificado.

Contente por ainda estar vivo na disputa, o time peruano treinou na Academia de Futebol e já aproveitou sua estadia para apreciar as instalações do rival tricolor. Com pouca história no futebol sul-americano, o César Vallejo procura não colocar muita expectativa no embate. A ideia é fazer um jogo tranquilo, tentando barrar as ações ofensivas e, em dado momento, buscar o gol.

“Dentro do campo, são 11 contra 11. Os nomes e a história ficam de fora. Temos que jogar com inteligência. Se nos expusermos muito atrás, seguramente vai custar caro, porque eles têm atletas muito bons. Precisamos atuar com equilíbrio e sabendo que a qualquer momento podemos fazer um gol”, comentou o meia Alejandro Hohberg, autor do gol no jogo de ida.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO X UNIV. CÉSAR VALLEJO

Local: estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 10 de fevereiro de 2016, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Cristian Ferreyra (Uruguai)
Assistentes: Nicolas Tarrán e Richard Trinidad (ambos do Uruguai)

SÃO PAULO: Denis; Bruno, Lucão, Rodrigo Caio e Mena; Hudson, Thiago Mendes, Centurión, Ganso e Michel Bastos; Alan Kardec
Técnico: Edgardo Bauza

UNIV. CÉSAR VALLEJO: Libman; Requena, Cardoza, Riojas e Guizasola; Ciucci, Quinteros, Montes, Millan e Hohberg; Chavez
Técnico: Franco Navarro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*