Basquete terá técnico de renome e mescla de experiência e juventude

O São Paulo está de volta ao basquete profissional. Depois de 20 anos ausente, o Tricolor vai disputar a Liga Ouro em 2019, que dá acesso ao NBB, primeira divisão do profissional.

A volta do São Paulo ao basquete profissional havia sido antecipada pelo Tricolornaweb no final do primeiro semestre, em entrevista que fizemos com o diretor Geral do Clube Social, Carlos Belmonte. A confirmação foi feita nesta sexta-feira, com a liberação de R$ 500 mil assinada pelo presidente Leco. O Tricolor vai bancar 100% do projeto para evitar problemas trabalhistas. É que antigas parcerias em esportes olímpicos trouxeram problemas financeiros ao clube.

De acordo com com Carlos Belmonte, os contatos para ter um grande técnico, com muita experiência, já começaram. O nome me foi revelado, mas foi pedido sigilo até que seja confirmado. Por isso vou contar com a compreensão dos meus leitores por guardá-lo por mais alguns dias.

A mescla será feita já para a Liga Ouro. Segundo Belmonte, a ideia é montar um time com oito jogadores mais experientes e seis meninos entre 17 e 19 anos para compor o elenco.

O diretor Social disse que o São Paulo tem o dobro de recursos financeiros, próprios, se comparados aos times que disputam a Liga Ouro. O projeto normalmente, tem fruto em seis anos, mas o foco do São  Paulo é já obter a classificação para a NBB neste primeiro ano.

Hoje, as categorias de base do São Paulo no basquete vão apenas até o sub-14. No ano que vem, o projeto é chegar ao sub-15. Até 2020, a previsão é aumentar as idades até atingir o sub-20, que seria importante para revelar novos jogadores. Para esse primeiro ano na Liga Ouro, o São Paulo contará com o auxílio da Liga Nacional de Basquete, a LNB.

Carlos Belmonte disse que fechou acordo com a Liga Nacional de Basquete para que ela empreste, em regime de comodato, uma quadra flutuante, que é bem melhor que a existente hoje no Ginásio 1 do Morumbi. A opção pelo basquete foi por ter custo menor do que o necessário para ter o volei, por exemplo.

O São Paulo já teve tradição em basquete: foi campeão metropolitano de 1943 no masculino e 1944 no feminino. A grande conquista do Tricolor, no entanto, foi o Brasileiro Feminino de 2002, com o time que tinha Janeth, mas numa parceria com a Prefeitura de Guarulhos.

Belmonte disse que também garantiu patrocínio da própria NBB para 2019 e, caso consiga o acesso, 2020. O objetivo será esse acesso e terminar a NBB daqui a dois anos entre os oito primeiros, para a disputa dos play-offs. Isso seria uma grande vitória para a retomada do basquete tricolor.

 

Paulo Pontes

 

3 comentários em “Basquete terá técnico de renome e mescla de experiência e juventude

  1. A inciativa é EXCELENTE… Eu só espero que o time não acabe sendo saco de pancadas, porque de derrotas eu já estou com o saco cheio. Se é para entrar nessa brincadeira, tem que entrar com tudo.

    • Concordo com você, mas convenhamos que se Vasco e Botafogo com todas as dificuldades estão dando um voto de confiança nesse esporte, acho que o SPFC também pode contribuir, independente de se exigir nesse reinício o título que o futebol tanto almeja. Além de formar cidadãos através do futebol penso que os outros esportes também tem a mesma finalidade.

  2. Muito legal essa iniciativa do clube, acho que sempre que possível deve apoiar outras modalidades esportivas. Pois onde tiver o escudo do SPFC eu estarei torcendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*