STF nega recurso do São Paulo e pode anular atos do clube desde 2004

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta quinta-feira o seguimento de um recurso do São Paulo contra uma ação judicial do conselheiro Francisco de Assis Vasconcellos e de outros. O processo pede a anulação de todas as eleições presidenciais do clube desde 2004.

O São Paulo já havia perdido o processo no Superior Tribunal de Justiça (STJ); a ministra Rosa Weber analisou o recurso e decidiu não dar seguimento a ele. Apesar de o Supremo ser a última instância, ainda cabe mais uma opção de recurso ao clube tricolor na tentativa de fazer com que o recurso seja analisado. Mas este recurso é apenas protelatório e dificilmente mudará alguma coisa. A tendência é que seja indicado um interventor, se o recurso não for apresentado no prazo correto, e novas eleições sejam marcadas para as próximas semanas.

Em 2004, ainda na gestão Marcelo Portugal Gouvêa, foi aprovado no estatuto do clube a possibilidade de um terceiro mandato para presidente. Depois de duas gestões, o ex-presidente Juvenal Juvêncio se beneficiou da norma aprovada para sua segunda reeleição, em 2011. A ação busca anular todas as eleições e atos administrativos ocorridos desde a aprovação do estatuto, inclusive as duas primeiras eleições de Juvenal.

Francisco de Assis Vasconcellos comemorou a decisão do STF. “É uma revolução no São Paulo. Voltamos à legalidade”, disse o conselheiro.

O São Paulo já havia tentado reverter a situação no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas não conseguiu. O STF é a última instância possível para reverter a decisão e tornar válidos os mandatos de Juvenal, Carlos Miguel Aidar e, agora, Leco.

O departamento jurídico ainda não falou do assunto.

 

Paulo Pontes

 

 

7 comentários em “STF nega recurso do São Paulo e pode anular atos do clube desde 2004

  1. O que estava bagunçado, pode piorar ainda mais, esse é o Brasil onde o que precisa ser feito, acontece com muita vagareza, tem cabimento querer anular coisas que foram feitas desde 2004, tem punir é quem provocou isto, ai assim seria feito a justiça, pois quem fez, sabia muito bem o que estava fazendo.

    • Bem, para alguém ser candidato, é necessária uma quantidade mínima de assinatura de conselheiros. Eu tenho a mais absoluta e plena convicção que ele NUNCA conseguiria isso. Tudo pode e deve acabar em pizza, como eu venho dizendo. Mas aí já seria um rodízio inteiro de pizza, se viesse a acontecer.

  2. Sr. Lapolla, lembro muito bem daquela época negra de nossa história que o o Sr. foi um dos poucos a ter dignidade e amor ao clube para tentar impedir essa mancha em nossa história.
    As consequências daquele terceiro mandato estão aí, o SPFC que era exemplo administrativa e de sucesso, virou piada para mídia e rivais.
    Agradeço ao Sr. e os poucos homens que amam esse clube que lutaram contra um ditador e seus asseclas, cujas ações detonaram o SPFC e nos levaram pra vala comum.

  3. Os jornalistas do UOL estão fazendo confusão. Em 2004 a ação não falava de 3º mandato. O golpe articulado pelo Sr Carlos Miguel ocorreu em fevereiro de 2011, possibilitando o tal 3º mandato do JJ.
    Quem entrou com ação na Justiça à época fui eu com alguns amigos que me apoiavam.

    LAPOLLA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*