Souza diz que pressão da torcida e cobrança de cartolas não ajudam SP

Recuperado de uma contusão na canela, o volante Souza deve voltar a atuar pelo São Paulo após 12 dias parado. Nesta terça-feira, ele comentou a atitude de uma parte da torcida tricolor, que tem pressionado e criticado o time e alguns jogadores específicos durante jogos do Campeonato Paulista.

“Eles têm o direito, pagam ingresso, mas não ficamos felizes com isso”, disse o jogador sobre os gritos ouvidos nas arquibancadas. Muitos torcedores têm cantado que vencer a Libertadores é obrigação.

“No primeiro jogo em casa ouvir esses gritos não achamos legal. Mas é obrigação vencer tudo no São Paulo. Eles têm o direito de cobrar, de gritar. Óbvio que queríamos cantos de incetivo, mas se é de cobrança, temos que trazê-los pro nosso lado pra que eles possam mudar esses gritos.”

Na última partida, mesmo vencendo, os torcedores pegaram no pé do meia Maicon, que saiu de campo reclamando das vaiais que recebeu. Muito irritado, o atleta disse que está sendo perseguido injustamente.

Souza comentou a situação do colega. “Não é legal vaiar, é melhor apoiar. Se no final do jogo você não gostou você se manifesta, mas no meio do jogo você pode perder o jogador.”

Além da torcida, o elenco e a comissão técnica vêm sendo pressionados por membros da diretoria. O vice de futebol Ataíde Gil Guerreiro tem dito que o Muricy Ramalho não pode reclamar de não ter um bom elenco este ano e que tem que mostrar resultados, e o presidente Aidar  já disse que o técnico está em dívida com o clube.

Souza se disse contrário a esse tipo de cobrança pública. “A cobrança tem que existir. Eles pagam nosso salário e têm direito. Mas óbvio que se você cobrar em público, você dá o direito de as pessoas te cobrarem em público. O nosso grupo é muito fechado. Se for pra cobrar, é sempre bom cobrar em off, não é legal expor ninguém.”

O São Paulo enfrenta o Santos, provavelmente com Souza como titular e o estreante Dória na zaga, na quarta, às 22h, na Vila Belmiro.

 

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*