São Paulo vence o Náutico e respira aliviado no Brasileiro

Maratona de jogos, um jogadores a menos (Antônio Carlos, expulso), partida fora de casa… Se não vai na técnica, vai na disposição! E foi assim que o São Paulo conseguiu vencer o Náutico, por 1 a 0, nesta terça-feira à noite, na Itaipava Arena Pernambuco, em duelo remarcado da 10ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O gol tricolor saiu dos pés do jogador que personifica a vontade em campo: Aloísio, pós bom cruzamento do lateral-esquerdo Reinaldo. Com o resultado, o São Paulo chegou aos 18 pontos na competição nacional e, agora, está na 17ª posição. Início de recuperação? Já o Náutico amarga a lanterna da competição, com apenas oito pontos.

O confronto estava inicialmente marcado para o dia 31 de julho. Na mesma data, o Tricolor tinha o confronto diante do Bayern de Munique (ALE), pela Copa Audi. Por conta disso, a partida foi adiada até esta terça-feira. Sem espaço no calendário, a CBF ocasionou uma maratona desgastante para as duas equipes. E como fica a qualidade no espetáculo? E como ficam os jogadores?

Em ascensão, o São Paulo não perdia há quatro partidas. Para o jogo, Fabrício foi poupado visando à “loucura” de se jogar de 48 em 48 horas, como reclamou Ceni. De alento, Luis Fabiano pôde jogar após cumprir suspensão. Descansado, foi a esperança de um time que carece de alguém para definir os lances. Já o Náutico, ainda no primeiro turno, vive situação dramática. Com somente duas vitórias na competição, a equipe está desesperada pelos três pontos.

Cansados ou não, os dois times fizeram um primeiro tempo abaixo do potencial, daqueles típicos de gerar bocejos dos torcedores. O Náutico, mais incisivo, teve boas chances com o zagueiro Willian Alves, mas Ceni, seguro, agarrou. Já o São Paulo, longe do desempenho das últimas partidas, arriscou esporadicamente chutes. O primeiro, somente com 14 minutos, em belo petardo de Lucas Evangelista.

Quase sonolento, o jogo ganhou um novo panorama em lance polêmico. Luis Fabiano recebeu em posição legal, deu um empurrãozinho para tirar Osvaldo de sua frente e, na saída do goleiro, tocou com categoria para dentro do gol. O auxiliar anotou impedimento na jogada, assim que Fabuloso recebeu. Jogada para ser discutida.

Fraca tecnicamente, a partida foi levada do mesmo modo para o intervalo. Café? Energético? Mais disposição? Lavar o rosto? Todos os fatores podem surtir efeito para um segundo tempo mais elétrico, ligado e aprazível.

GOL DO ALÍVIO!

Na etapa final, as duas equipes voltaram com mais vontade e o espetáculo ganhou ânimo. Autuori preferiu colocar Negueba e Aloísio na equipe, visando à mobilidade dos jogadores. O time teve mais velocidade, mas ainda pecava na criação das jogadas. Pelo lado do Timbu, Rogério deu trabalho à defesa são-paulina.

Em um lançamento, o atacante pernambucano ficou cara a cara com Ceni, mas bateu bisonhamente para fora. E sem tempo para lamentos, o São Paulo perdeu novamente a posse de bola, Rogério foi lançado e Antônio Carlos, último jogador de defesa, deu um carrinho e acertou o camisa 18. O árbitro não titubeou e lhe mostrou o cartão vermelho. Alegria da maioria dos torcedores presentes.

Mas, a quantidade maior em campo não fez diferença em campo. Autuori, sem um beque, tirou Ganso, o único armador, para a entrada de um volante. Sem um pensador no meio-campo, como chegar ao gol do adversário? Dos pés de Reinaldo veio a resposta. O camisa 38, que havia dito que contava com o apoio dos familiares no Estado vizinho (ele é natural de Alagoas), cruzou rasteiro para Aloísio colocar no fundo das redes. Gol do alívio. Gol da superação.

Com o tento, o Náutico foi à frente, mas não conseguiu a reação. Agora, o São Paulo respira um pouco mais aliviado na competição. Já o Timbu vive situação dramática.

PRÓXIMOS JOGOS

Agora, em jogo válido pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, o São Paulo recebe o Criciúma, em casa, nesta quinta-feira, às 21h. Já o Náutico, que busca a reabilitação no torneio nacional, encara o Vasco, nos mesmos dia e horário do Tricolor, também como mandante, na Arena Pernambuco.

FICHA TÉCNICA:
NÁUTICO 0 X 1 SÃO PAULO

Local: Arena Pernambuco, em Recife (PE)
Data/Hora: 3/8/2013, às 21h
Árbitro: Leandro Vuaden (Fifa-RS)
Cartões amarelos: William Alves (NAU); Reinaldo, Maicon (SPO)
Cartão vermelho: Antônio Carlos (SPO)
Gol: Aloisio, 28’/2ºT (0-1)

NÁUTICO: Ricardo Berna; Auremir, William Alves, Leandro Amaro e Bruno Collaço; Elicarlos, Martinez, Hélder (Derley, 14’/2ºT), Tiago Real (Jones Carioca, 24’/2ºT) e Morales (Rogério, intervalo); Olivera. Técnico: Jorginho

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas, Paulo Miranda, Antônio Carlos e Reinaldo; Rodrigo Caio, Wellington, Ganso (Maicon, 19’/2ºT) e Lucas Evangelista (Negueba, intervalo); Luís Fabiano e Osvaldo (Aloísio, intervalo). Técnico: Paulo Autuori.

2 comentários em “São Paulo vence o Náutico e respira aliviado no Brasileiro

  1. Sr. Luiz Fabiano é outro… Ele jogou????? Serio???? Certeza???

    Fominha, mala, brigão, reclamao… Mas colocar quem????? Nao temos NENHUMA outra opção.

    Deve continuar no time. Quem sabe uma hora a bola acha ele e ele guarda… Porque ele procurar a bola, JAMAIS!!!! Só quero me manter na 1div. E quero que esse ano acabe logoooo!!!!

  2. Ficam todos criticando MUITOOOO o jadson. Cornetando TOTAL!!!! Falando que merece banco. Comemoraram que não jogaria hj. Falaram ate que nao é jogador pro SPFC.

    Pois é. Jogou o ganso. E Ai??????? O que me dizem???? Ele que é o tão sonhado camisa 10???? 

    Ganso faz 2 jogos meia boca e vejo aqui uma turmaaaa exaltando. Para né!!!!

    Jadson caiu SIM, e muitooo de produção. Mas é o que temos de melhor no momento. Com uma só perna, com desinteria, com tapa-olho e jogando gripado, é melhor que o ganso?!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.