São Paulo vê queda “absurda”, mas não cogita demitir Aguirre

O São Paulo caiu da liderança para a quarta posição do Brasileirão, está sete pontos atrás do primeiro colocado Palmeiras e é o 14º lugar considerando apenas a campanha do returno. Apesar da queda e do momento ruim, o clube não cogita demitir o técnico Diego Aguirre agora.

Internamente o São Paulo procura respostas para o rendimento no segundo turno do Brasileirão. A derrocada do time é considerada absurda. Mas a nove rodadas do término do campeonato não há perspectiva de troca imediata na comissão técnica. Tampouco há ideia de mudança até o fim da temporada.

São Paulo não pensa em demitir Diego Aguirre — Foto: RODRIGO ZIEBELL/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

São Paulo não pensa em demitir Diego Aguirre — Foto: RODRIGO ZIEBELL/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

A renovação de contrato de Aguirre, por outro lado, é um assunto a ser discutido no fim do ano. Há alguns meses, durante a boa fase no Brasileirão, o São Paulo procurou o treinador, pois queria iniciar a negociação para aumentar o vínculo válido até dezembro. O uruguaio preferiu adiar a conversa.

Agora, com o time em baixa, a negociação também não será realizada. A avaliação do São Paulo é de que não se pode adotar extremos: nem na fase boa Aguirre era gênio e agora na fase ruim também não é o pior treinador do mundo. De qualquer maneira, o Tricolor não terá a concorrência da seleção uruguaia, pois Óscar Tabárez renovou com a Celeste.

Motivos para a queda

O clube não consegue apontar um único motivo para explicar a queda técnica no Brasileirão. São várias as razões para o time cair de rendimento. Certamente uma delas é a ausência de Everton.

Há internamente quem considere que Everton era o melhor jogador não só do São Paulo mas de todo o Brasileirão durante a arrancada do time. Ele fez cinco gols, deu seis assistências e sofreu dois pênaltis. Mas também teve três problemas na coxa esquerda (dois estiramentos e uma fibrose, fruto de uma lesão da época do Flamengo).

São Paulo procura explicações para queda no segundo turno — Foto: Marcelo Hazan

São Paulo procura explicações para queda no segundo turno — Foto: Marcelo Hazan

O ambiente do elenco não é considerado ruim. Mas há um incômodo grande pela forma como o São Paulo perdeu para Palmeiras (2 a 0, no Morumbi) e Internacional (3 a 1, no Beira-Rio).

Independentemente do resultado, a postura do São Paulo nas duas partidas é muito criticada, principalmente para um time que sonhava com o título. A comparação, por exemplo, é com as derrotas para Atlético-MG (1 a 0, no Independência) e Grêmio (2 a 1, na Arena do Grêmio), nas quais a equipe teve uma atitude considerada mais positiva.

À procura de respostas, o São Paulo tenta reencontrar o caminho das vitórias. O time venceu um dos últimos oito jogos. Agora, o próximo duelo é com o Atlético-PR, sábado, às 19h, no Morumbi.

Fonte: Globo Esporte

12 comentários em “São Paulo vê queda “absurda”, mas não cogita demitir Aguirre

  1. O nosso elenco é fraco e desbalanceado. Não temos goleiros confiáveis, nosso meio-campo é lento, nosso armador já tem 37 anos e não temos nenhum reserva. Algumas contratações deram certo (Rojas e Everton), mas não se cuidou de obter reservas à altura. Os títulos obtidos na base não se traduziram na maturação de craques para a equipe principal. Boa parte desses jogadores continua atuando nos aspirantes. Perdemos um jogador selecionável – Militão – e para seu lugar, contratamos um jogador que jamais se firmou na Europa. Sequer foi titular da Roma. Por outro lado, seu reserva imediato teve o contrato rescindido por motivos “pessoais”. Renovamos contrato com um lateral esquerdo veterano e meia-boca: Edimar. Contratamos o Sidão, referendado por saber jogar com os pés, o que mostrou ser uma falácia. Enfim, não temos mais que 13 jogadores confiáveis, um deles, o melhor dos zagueiros – Arboleda – relegado à reserva. Nosso atacante mais qualificado, é um veterano de 33 anos. Bem, diante dessas conclusões, fica claro e patente, que NÃO tínhamos condições de nos manter na liderança. O gás dos veteranos foi sumindo, sumindo e…sumiu. Ficamos sem lenço e sem documento, como diria Caetano Veloso. Mais um ano, sem que honrássemos nossas tradições de vencedores. Finalizando, vejo aqui todo mundo cobrando o técnico pelos maus resultados, esquecendo-se do grande responsável, o “gestor” maior da Instituição, Sr. Leco.

    • Waldir Albieri: o que vc acha que o “gestor”, maior da instituição, como definiu você, o Sr.Leco, deveria fazer: escalar o time? bater as faltas? defender os pênaltis?
      Se até o fim do primeiro turno todos elogiávamos e dávamos crédito ao Aguirre e ao time, por que, agora, o presidente deveria ser culpado? Suas atitudes discretas continuam as mesmas; o diretor, que adorávamos continua o mesmo, seus auxiliares também. Onde a culpa do gestor?
      Respeito, lógico, sua opinião, mas gostaria que vc a analisasse para direcionar melhor sua crítica.
      Eu, particularmente, acho que se há alguém que não tem culpa nenhuma do fracasso do time no segundo turno, esse alguém é o presidente Leco. Pra mim os culpados são os que vão a campo: jogadores que, de-repente, se “acharam o último biscoito do pacote”, tipo Nenê, Reinaldo e Húdson, e o trenero que não confiou em seu elenco e desandou a inventar moda porque, infelizmente, contra o curintia deu certo…
      Abraços!

  2. Então vamos continuar caindo e perder até a vaga na libertadores com essa ANTA URUGUAIA.
    O cara chegou ao absurdo de queimar nosso melhor zagueiro, o Arboleda, pra escalar essa carniça do Rodrigo Caio, um perdedor nato!!!
    SPFC desde a volta do destruidor Juvenal cachaça, eh um misto de incompetência e safadeza, contrata técnicos pau mandados e jogadores medíocres ganhando fortunas, fora que vende nossas promessas por miganhas, alguém deve ter ganhado muito dinheiro nesses tempo, mas o clube não sai da dívida.
    Trouxa quem acredita nessa corja do Juvenal!!!

  3. Boa noite tricolores!!
    Não vou dizer aqui que já esperava esta queda mas também não estou surpreso, sempre disse aqui que tínhamos um time limitadíssimo, o que não é novidade alguma, mas confesso que surfei na onda da liderança, agora despertei para a realidade e digo, estou até bem satisfeito pois ao menos estamos onde podemos estar e creio terminaremos o campeonato, na pior hipótese, na 6° colocação, e digo mais não consigo nem fazer uma avaliação do trabalho do treinador pois fez um milagre no 1° turno e está um desastre no 2°, mas eu gostaria de ver o Abel no ano que vem mas com uns 5 ou 6 contratações de peso se não de nada adianta.

  4. No início fuo contra o Aguirre por achar que era um técnico limitado, aos poucos fui entendendo que ele estava fazendo um excelente trabalho.

    Até o momento sou a favor da renovação do contrato dele, e porquê até o momento???

    Por que tem uma conversa por aí que o Aguirre quer se livrar do Arboleda… NOSSO MELHOR ZAGUEIRO!!!!

    Se isso foe verdade vai me desculpar mas TCHAU Aguirre!!!!

    Vender nosso melhor zagueiro por causa denum treinador que está esperando só o chamado da seleção Uruguaia aí não dá!!!

  5. Eu não renovaria também Alex , mais diferente de você não daria chance ao Jardine agora , esta muito cru pra ser técnico do profissional agora, seria queimar ele em um clube que a tempos não ganha NADA.

    Eu deixaria tudo acertado com o Abel Braga , e já começava a olhar o mercado em busca de bons reforços que aumente a quantidade e qualidade do plantel , ano que vem é ano de Libertadores.

    Precisamos de goleiro , lateral direito , volante , meia , e 2 atacantes.

    Me livraria de Carneiro , Edmar , Rodrigo Caio , Jucilei tentaria vender ,Shaylon .

  6. Aguirre nao é todo culpado, elenco fraco, alguns jogadores se acham craques mas nao sao , diretoria fraca, e qual culpa do Aguirre ser teimoso em improvisar d+, escalar jogadores sem condicoes e insiste nisso e esta afundando junto com o time, nao renovaria para 2019, prefiro o Jardine ja que técnicos bons estao empregados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*