São Paulo luta contra ‘costume’ de levar dois gols em dez minutos

O que já está ruim pode piorar, sim. O São Paulo tem adquirido um costume que ajuda a explicar a sua presença constante na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro: sofreR dois gols em um intervalo de dez minutos ou menos. Apenas sob o comando de Dorival Júnior isso já ocorreu cinco vezes em dez partidas.

Os gols sofridos rapidamente definiram as derrotas por 2 a 1 para Coritiba (levou um gol aos 12 e outro aos 22 minutos do segundo tempo) e Bahia (aos 40 e aos 43 minutos do primeiro tempo), que abriu o placar e logo ampliou a vantagem. No último domingo, no revés por 4 a 2 para o Palmeiras, no último domingo, Willian marcou para os rivais aos 35 e aos 39 minutos do primeiro tempo, virando o jogo.

Com Dorival Júnior, somente duas vezes a equipe conseguiu se recuperar do baque de levar gols rapidamente, com viradas que marcaram as últimas duas vitórias do Tricolor: 4 a 3 sobre o Botafogo, que chegou a fazer 3 a 1 balançando as redes aos 19 e 25 minutos do primeiro tempo, e 3 a 2 diante do Cruzeiro, que esteve na frente no placar com gols de Sassá aos seis e aos 12 minutos do segundo tempo.

– Tem acontecido um fato com o São Paulo: em todo momento que tomamos um gol, o segundo vem na sequência. Isso acaba desarticulando qualquer situação. É uma situação que acontece com clube que está trabalhando para sair de uma zona – disse Dorival.

Antecessor de Dorival Júnior, Rogério Ceni se queixava de que a equipe diminuía demais o ritmo depois que abria o placar, mas o time não sofria gols em intervalo de tempo tão curto. Com o Mito no banco neste Brasileiro, só na derrota para o Flamengo por 2 a 0, em 2 de julho, no jogo que culminou na sua demissão, Ceni viu a equipe ter as redes balançadas em menos de dez minutos: o time carioca marcou aos 37 e aos 41 minutos do primeiro tempo.

Na única partida em que comandou o Tricolor, interinamente, o ex-volante Pintado, que deixou o cargo de auxiliar e o clube assim que Dorival Júnior chegou, também viu o Tricolor sofrer dois gols em pouco tempo, mas em 13 minutos. Na derrota por 3 a 2 para o Santos, na Vila Belmiro, em 9 de julho, Copete balançou as redes aos oito e aos 21 do segundo tempo.

A solução para esse costume nada agradável ao torcedor são-paulino faz parte do trabalho psicológico que Dorival tem para recuperar o time. O treinador já admitiu que a questão mental é a principal a ser resolvida nesse momento de crise, com o clube permanecendo com frequência na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

Com 23 pontos somados em 22 rodadas, o São Paulo recebeu folga nos dois dias seguintes à derrota por 4 a 2 no Choque-Rei de domingo. O elenco volta a treinar na manhã desta quarta-feira, no CT da Barra Funda, e atuará pela próxima vez no dia 9, recebendo a Ponte Preta, no Morumbi.

Fonte: Lance

5 comentários em “São Paulo luta contra ‘costume’ de levar dois gols em dez minutos

  1. Esse técnico meia boca não presta para dirigir esse elenco limitado do SPFC, além de fraco escalar mal ele não passa confiança pra ninguém, tem que haver um esforço e botar esse cara na rua. Caso contrário esse “água de salsicha” vai sair quando já estivermos na UTI sem chance.

    FORA DORIVAL JR. INCOMPETENTE!!!!!

  2. Repito: vamos fazer um mutirão e enviar mensagens para os outros times não fazerem gols tão rapidamente. Quem sabe muda alguma coisa porque diretoria e comissão técnica não mudarão nada.

  3. É a quarta pior defesa do campeonato ,é muita ruindade eu teria vergonha Renan R, R.caio,Arboleda,Bufarini,Edmar,Jucilei e Petros e Dorival tomem vergonha nessa cara e horem a camisa que pagam suas contas ,usem o cérebro (disciplina, posicionamento e dedicaçao)atacar nao compete a vcs fiquem plantados nos seus respectivos setores .
    Ataque é para Hernanes ,Prato Marcos Guilherme, e outros vcs só precisam destruir e passar pros caras simples assim Dorival .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*