São Paulo estuda acionar Justiça para vetar símbolo e nome nas organizadas

Além de anunciar o rompimento com as torcidas organizadas, a diretoria do São Paulo estuda medidas mais drásticas. Ela poderá seguir o exemplo do Cruzeiro e acionar a Justiça para impedir que as organizadas utilizem o nome ou o símbolo do clube em quaisquer materiais.

Cortar relações é um tema debatido desde o início do ano na gestão do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva. Durante a Copa São Paulo de Juniores, a Independente, mais numerosa entre as organizadas do clube, causou um tumulto na partida diante do Rondonópolis, em Mogi das Cruzes. A prefeitura da cidade processou o São Paulo e pediu um valor de R$ 5 milhões. O caso ainda corre na Justiça.

Leco admitiu no início do ano, em entrevista à “Folha de S.Paulo”, ajudar as torcidas com ingressos e dinheiro para carnaval. Nos meses seguintes reduziu o contato, mas hesitou em romper definitivamente e tampouco cortou benefícios.

O que mudou a opinião do presidente agora foi que, em vez de brigar com a polícia, como costuma acontecer, as vítimas da violência depois do jogo contra o Atlético Nacional, na última quarta-feira, foram outros torcedores do São Paulo.Agora não há mais ingressos nem financiamento para desfiles de escolas de samba, ou qualquer outro privilégio, segundo a diretoria.

O presidente ouviu pessoas do clube e de sua confiança. Foi aconselhado pela maioria a manter a posição de rompimento. Sua decisão já estava tomada desde quinta-feira.

O primeiro efeito da medida será sentido na próxima semana. O clube daria ingressos para que integrantes de torcidas organizadas viajassem a Medellín, palco da semifinal de quarta-feira contra o Atlético Nacional, pela Libertadores. A doação foi cancelada. Agora, quem quiser viajar vai ter que pagar, como qualquer outro torcedor.

Nas redes sociais, a decisão foi comemorada por são-paulinos comuns e sócios-torcedores. Depois das agressões da última quarta-feira, muitos cancelaram seus planos e disseram que não voltariam ao estádio se o clube não tomasse alguma providência. Muitos dos depoimentos foram vistos por Leco e o levaram, além de conversas com autoridades públicas, ao rompimento.

São Paulo confusão Morumbi (Foto: Marcelo Hazan)Confronto envolveu torcedores e policiais, e teve muitas bombas do lado de fora do Morumbi (Foto: Marcelo Hazan)
Fonte: Globo Esporte

3 comentários em “São Paulo estuda acionar Justiça para vetar símbolo e nome nas organizadas

  1. O São Paulo tem que ir muito além disso. Tem que “olhar” para a sua tradição e seu patrimônio, entre eles o Estádio de futebol. Lá existe uma franquia Cia Atlética, alojada nas cativas térreas. Essa academia, permitiu que um aluno ou professor, tivesse acesso ao Estádio. Lá, esse imbecil, URINOU no símbolo do SPFC, e ainda mandou tirar uma foto do seu ato. Não contente, postou nas mídias eletrônicas. Ora. Se o SPFC permite qualquer um entrar no estádio e fazer isso… imagine na parte social o que estão fazendo… O respeito ao nosso símbolo tem que ser iniciado dentro do clube. Qual será a medida que o SPFC vai tomar nesse caso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.