São Paulo confirma Pinotti no futebol e anuncia três novos dirigentes

Os primeiros executivos da diretoria do São Paulo foram definidos. Após a primeira reunião oficial do Conselho de Administração, realizada nesta sexta-feira no Morumbi, quatro nomes foram escolhidos para ocupar cargos remunerados. Como esperado, Vinicius Pinotti cuidará da diretoria de futebol.

Os outros três executivos remunerados serão Marcio Aith (marketing), Elias Barquete Albarello (financeiro) e Rodrigo Gaspar (administrativo). O último ficou conhecido no ano passado, ainda como assessor da presidência no mandato tampão de Carlos Augusto de Barros e Silva, por chamar o zagueiro Rodrigo Caio de “jogador de condomínio” em postagem no Twitter. Também foi aprovado o nome de Carlos Belmonte Sobrinho para diretor Social, cargo sem remuneração.

– Tenho certeza de que esses nomes trarão a modernidade e agilidade que queremos imprimir nessa gestão. São profissionais reconhecidos pelo mercado, com larga experiência empresarial e que teremos a felicidade de vê-los emprestando seus conhecimentos ao clube. Fico feliz que o primeiro encontro do Conselho de Administração tenha sido tão proveitoso para darmos o pontapé inicial neste novo mandato – disse Leco.

Pelo novo estatuto do Tricolor, a diretoria deve ter de três a nove diretores remunerados. Outras três pastas ainda não tem nomes definidos para ocupá-las: Jurídico, Estádio e Infraestrutura. Os nomes de Marcelo Portugal Gouvea Filho (Jurídico) e Palma (Estádio) são cotados.

O nome de José Roberto Canassa está cotado para assumir o Futebol de Base, em Cotia. É um cargo subordinado à diretoria de Futebol Profissional, que tem à frente Vinicius Pinotti. No caso de Cotia, não será, necessariamente, remunerado.

Outra questão que está em aberto é o jeton que os três independentes do Conselho Administrativo receberão por reunião. Nas grandes empresas, esse valor varia entre R$ 8 mil e R$ 10 mil. O São Paulo deverá propor algo em torno de R$ 3 mil. Isso será negociado entre Leco e Raí, Saulo Ramos e Júlio Canegero.

Os conselheiros que forem remunerados terão que se afastar do Conselho Deliberativo. Isso está previsto no novo estatuto.

O Conselho de Administração é formado por Leco (presidente), Roberto Natel (vice-presidente), José Eduardo Mesquita Pimenta (indicado pelo conselho consultivo), Adilson Martins, Silvio Médici e Julio Casares (eleitos pelo conselho deliberativo), Raí, Saulo de Castro Abreu e Julio Conejero (membros independentes). A próxima reunião do grupo será no dia 15 deste mês, quando novos executivos serão escolhidos.

CURRÍCULOS

Vinicius Pinotti, diretor de futebol:
Ex-diretor de marketing, também prestou consultoria para o departamento de futebol na programação da pré-temporada nos Estados Unidos e na negociação de direitos de TV. É formado em administração de empresas pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e pós-graduado em Finanças e Marketing na London Business School, além de fazer parte do Conselho do Grupo de Controle da Natura Cosméticos.

Marcio Aith, diretor de comunicação e marketing: Formado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), trabalha na área de comunicação desde 1990. Tem passagens importantes por veículos como Gazeta Mercantil, Folha de S.Paulo, Revista Veja e, no Governo do Estado, atuou como Subsecretário de Comunicação entre 2011 e 2016.

Elias Barquete Albarello, diretor financeiro:
Vasta carreira em grandes empresas como Siemens, Comgás, AES Eletropaulo e, mais recentemente na Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo. Formado em Engenharia Mecânica e de Produção na FEI, pós-graduado em Administração e Finanças na Fundação Getúlio Vargas (FGV), tem MBA em Gestão Financeira e Risco na Universidade de São Paulo, Mestrado em Administração na PUC-SP e Doutorado em Planejamento Energético pela Unicamp.

Rodrigo Gaspar, diretor administrativo: Formado em Ciências Econômicas pela PUC-SP e com experiência de mais de 15 anos em algumas das maiores instituições financeiras do país na condução de projetos de eficiência operacional e de processos.

 

Logo mais, no Jornal Tricolornaweb, farei uma análise destes nomes.

Paulo Pontes

14 comentários em “São Paulo confirma Pinotti no futebol e anuncia três novos dirigentes

  1. Paulo Pontes,
    Obrigado pela gentileza!
    Entretanto devo discordar de vc, pois, pelo que vi no link, o Curriculum dele é paupérrimo, digno de risos.Não referência, experiência e formação que o credencie para tal cargo.
    Não posso acreditar que vc considere o Curriculum dele “rico demais”.
    É sério? Onde?
    Ele trabalhou dois anos e pouco numa empresa de turismo e, atualmente, está há dois anos, como “diretor”, numa empresa “furréca’ de segurança patrimonial, que funciona num sobrado em Osasco.Pela Amor de Deus, vc não pode estar falando sério.
    O Adalberto, que tb não gosto, e ao qual vc tanto criticou, é infinitamente mais preparado que ele, não tem como comparar a formação e experiência dele com a do Rodrigo Gaspar, que reitero, é fraquíssima.
    Posto isto, concluo que ele não tem competência nenhuma para exercer tal cargo.NENHUMA.

  2. Paulo Pontes,
    Vc tem certeza ?
    Eu procurei no Linkedin e não achei nenhum Rodrigo Roquete Gaspar, e olha que eu procurei bastante.
    Acho muito estranha essa indicação, pois honestamente não o vejo com “bagagem” suficiente para exercer tal função no Clube.
    E tem mais, o Pinotti, além de ser podre de rico, o que ele tem de experiência no mundo do futebol ?
    Acho que o Leco não está sendo criterioso em algumas escolhas e isso pode ser bastante prejudicial ao clube.
    Por favor, se vc puder, me passe o link do Rodrigo no LinkedIn.
    Grato
    Alexandre

  3. Paulo Pontes.

    Curriculum no Linkedin, é cheio de flores, precisa saber quais as referencias em que grandes empresas estes cidadãos trabalharam e qual foi a avaliação deles nestas empresas. é muito estranho estes conselheiros estavam no clube, votaram no Leco e agora serão remunerados, isto é uma vergonha……………………..
    Os 6 meses que você quer avaliar eu respeito sua opinião mais neste tempo já caímos para a segunda divisão, todos diretores sem competência para o São Paulo, é melhor rasgar o estatuto.

  4. Paulo,
    Investigue o “curriculum vitae” do Rodrigo Roquete Gaspar, pois duvido que ele tenha competência e experiência para assumir tal posto.
    Fazendo uma busca “rasa” pela internet não encontramos nada sobre a vida profissional do mesmo.
    Muito estranha essa indicação, muito estranha mesmo.

    • Alexandre, o curriculum dele pode ser visto no Linkedin. Eu fui lá e vi. É rico demais. Ele, pelo que apresentou ali – e é fácil ser comprovado – é extremamente competente para o cargo. Mesmo que não o fosse, teria feito minha crítica inicial pela indicação, mas quem acompanha o Tricolornaweb desde o seu início, em 2004, sabe que minha conduta é de dar seis meses de prazo para uma diretoria trabalhar. Não critico antes da hora. Não acho justo. Quero ver o trabalho. Fiz isso com Marcelo Portugal Gouvea, com Juvenal Juvêncio, Carlos Miguel Aidar, por que não faria com Leco? Então vamos dar tempo ao tempo.

  5. Os nomes e o papel de Leco são bastante discutíveis. Em primeiro lugar se decidiu por vários associados, ou seja amadores que agora serão remunerados. Isso não é profissionalizar. O entendimento moderno de um conselho administrativo, segundo o IBGC, por exemplo, é de um órgão atuante, envolvido com decisões e responsável juridica e financeiramente pelos resultados. Com todo respeito ao Raí, ele não tem cacife para tal tarefa.
    A segunda impressão é sobre a falta de alguém do ramo. Um Alexandre Mattos. Um profissional do futebol, capaz de analisar criticamente o desempenho de técnico e jogadores e de ser uma interlocução consistente entre clube e time.
    O terceiro ponto é a aproximação política com o governador Alckmin, hoje apenas uma das quatro facções que se engalfinham por poder no PSDB. Qual a razão dessa ligação? O que ganha o São Paulo diante dos outros partidos e estados?
    Dois nomes da turma de Alckmin chamam a atenção. Saulo de Abreu e Marcio Aith. O primeiro é o rolo compressor do governador. Um sujeito truculento e desagregador. O segundo é um jornalista, partidário, que depois de anos bajulando o PSDB na Folha e na Veja preferiu fazer isso pessoalmente. Entende de comunicação e não entende patavina de marketing. Não vejo como poderá trazer um centavo sequer aos cofres do clube.
    Acho que o time poderá melhorar nos bastidores, hoje uma fraqueza conhecida. Mas me chamam atenção a falta de três profissionais fundamentais:
    – um profissional de futebol, tipo Alexandre Mattos;
    – um profissional de mkt esportivo;
    – um profissional de desenvolvimento de novos negócios;
    – um profissonal de medicina esportiva.
    Vamos ver o que vai dar. Eu vejo com muita preocupação o início dessa gestão.

  6. Para mim profissionalizar significa nuscar os melhores nomes no mercado.
    E pelo visto todos os escolhidos são do quadro associativo.
    Ou seja…a “solução” estava dentro da nossa casa e ninguém sabia. Só descobriram agora.
    É uma vergonha.
    O Morumbi está pior do que Brasilia.
    A criação de um novo estatuto acabou sendo um erro.

  7. PP.
    Qual o salário destas raposas ai, qual o critério para contratar o Rodrigo Gaspar, que desvalorizou a mercadoria do São Paulo chamando o Rodrigo Caio de jogador de condomínio, provocou a saída de Michel Bastos de graça para reforçar o inimigo entre outras merdas ditas por ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*