São Paulo cai nos pênaltis diante da Chape e está fora da Copinha

A Chapecoense terminou o ano em luto depois da queda do avião que levava sua equipe principal para a disputa da final da Copa Sul-Americana. Mas, o clube catarinense renasce em 2017 já com uma grande alegria. Na noite desta terça-feira, sob os gritos de “Vamos, vamos, Chape”, os garotos de verde conseguiram eliminar o poderoso time do São Paulo e favorito ao título da principal competição de base do país: a Copa São Paulo de Futebol Júnior.

O Tricolor do Morumbi impôs seu ritmo e dominou a maior parte do jogo, mas não conseguiu furar a retranca dos catarinenses, que ainda chegaram a assustar na etapa final, mas comemoram o empate por 0 a 0 no tempo normal mesmo com um jogador a menos nos últimos minutos. Nas penalidades, o goleiro Tiepo brilhou como Danilo costumava fazer e a Chapecoense fez história com a vitória por 4 a 2 na Arena Capivari.

A equipe Condá agora enfrentará o Capivariano, time da casa que superou o Nova Iguaçu por 3 a 2 mais cedo, na terceira fase da Copinha. Ao São Paulo, resta apenas aprender com os erros. O time deixa a competição depois de ser o melhor de toda a primeira fase, com 100% de aproveitamento, 15 gols marcados e apenas três sofridos. Mas, caiu para um adversário que se classificou em segundo de seu grupo, com apenas uma vitória até aqui e que tem saldo zero no torneio.

O São Paulo fez a melhor campanha da primeira fase, mas não passou pela Chapecoense, que vence apenas um jogo nessa Copinha (Foto: Igor Amorim/SPFC)
O São Paulo fez a melhor campanha da primeira fase, mas não passou pela Chapecoense, que vence apenas um jogo nessa Copinha (Foto: Igor Amorim/SPFC)

O jogo
O São Paulo se mostrou ciente de sua superioridade técnica desde o começo. Sem desrespeitar a equipe da Chapecoense, os garotos de Cotia partiram para cima desde os primeiros minutos e deixaram claro que ditariam o ritmo do jogo. Apesar dos espaços na defesa, a Chapecoense sequer conseguia passar do meio de campo, então, conformou-se em se defender com todas as forças. Para isso, também contou com o apoio das arquibancadas.

Aos poucos, o goleiro Tiepo foi se transformando no grande destaque do jogo. O Tricolor do Morumbi tentava chegar de todos os jeitos, tabelando, arriscando de fora da área, com cruzamentos à área e na bola parada. O gol parecia questão de tempo, mas o tempo não parou para esperar e o time de Santa Catarina conseguiu segurar o 0 a 0 para o vestiário.

Na segunda etapa, a Chapecoense mudou um pouco a sua postura. Com o São Paulo já mais desorganizado, tentando o gol a qualquer custo, o contra-ataque ficou oferecido ao clube de Chapecó, que passou a assustar e a exigir trabalho do goleiro Lucas Paes. Isso fez com que o técnico André Jardine, suspenso, tentasse a todo modo orientar seus atletas das arquibancadas. No banco, o preparador físico Caco Peres era quem tentava colocar ordem na situação.

O goleiro Tiepo, da Chapecoense, foi o nome do jogo nesta terça Foto: (Reprodução)
O goleiro Tiepo, da Chapecoense, foi o nome do jogo nesta terça Foto: (Reprodução)

Tudo em vão. Mais corajosa, a Chapecoense por pouco não conseguiu o gol da sua consagração aos 41 minutos. Depois de cobrança de escanteio pela direita, o atacante Rhainer, que havia entrado há pouco tempo, cabeceou no travessão. O susto foi grande, mas o São Paulo em seguida saiu disparado em contra-ataque. Foi quando o mesmo Rhainer acabou expulso ao voltar desesperadamente para ajudar na marcação e acertar um carrinho no adversário.

O clima ficou tenso dentro e fora de campo, o árbitro perdeu o controle do jogo e as equipes já não respeitavam qualquer sistema tático. Era vontade pura e muita correria. Foi assim até o apito final. Festa parcial da Chape, que não deixou de comemorar o fato de ter segurado um dos grandes favoritos ao título no tempo normal. Da mesma forma, os são-paulinos não escondiam a frustração antes das cobranças de pênaltis.

Pênaltis
Todo o cenário já parecia pronto para uma noite histórica. E assim foi. Nas cobranças, o goleiro Tiepo se agigantou e defendeu a batida de Militão. Geovane fez pior e sequer acertou o gol. Pelo São Paulo, apenas Paulo Boia e Luziero marcaram. Por outro lado, a Chapecoense só errou com Ronei. Lucas Paes defendeu. Mas, Vini, Bruno, Fauth e Ned garantiram a vitória e a classificação heroica.

11 comentários em “São Paulo cai nos pênaltis diante da Chape e está fora da Copinha

  1. Quase tudo o que se lê aqui é balela. Na verdade o SPFC, por decisões internas, resolveu disputar a copinha com a equipe sub-17. Isto já ocorreu no ano passado. Todas as outras equipes, ao que eu sei, usaram jogadores até 20 anos (sub-20). No passado haviam “muitos gatos” no meio e assistindo vários jogos acredito que ainda os tenham. O SPFC usou os meninos do sub-17 porque vários do sub-20 subiram para o time de cima e outros estão ou foram convocados para a seleção brasileira sub-20. Assim fica difícil ir adiante. Temos que ter os sub-20 na copinha, senão …….

  2. Elogiar quando for bem, criticar quando mal. O Jardine merece, sim, a responsabilidade pela desclassificação na copinha (realmente a que mais interessa e a maior vitrine do país e onde o SPaulo costuma ir muito mal). Começou, e eu critiquei aqui mesmo neste site, com a escolha dos jogadores. Jamais ele poderia ter deixado o Gabriel de fora dela. O garoto, embora novo, é artilheiro e costuma desequilibrar individualmente. Ontem entrou com o melhor que tinha mas, nas substituições, conseguiu descaracterizar o time que em nenhum momento mereceu vencer o jogo, embora tenha tido a posse da bola o tempo todo. Longe do banco não pode ajudar na dinâmica do jogo e em momento algum vimos os jogadores de meio e ataque alterando posições e fazendo jogadas pelas laterais de campo. Outra coisa, embora estivesse claro que a Chape deixava apenas o zagueiros jogarem, não foi capaz de, no intervalo, orientar seu time de forma a que um meia voltasse para armar as jogadas vindo de trás. O tal Kaike não vinha bem e optou por tirar o Natel que era o melhorzinho dos meias. Trocou o centroavante por um pior e colocou pra jogar o tal do Bóia, que, pelo que mostrou de futebol e personalidade, era melhor nem ter sido relacionado. Enfim, continuo admirando muito o trabalho dele, Jardine, mas na copinha (repito: que é o que vale nas categorias de baixo) continua devendo…

  3. A verdade é que o São Paulo tem tudo para passar a mesma vergonha de 2016, e ninguém quer admitir pelo fato do Rogério ser o treinador.

    Esses “ótimos” jogadores, fizeram o São paulo ficar em “DÉCIMO” lugar no brasileiro, atrás das potências Ponte Preta, Botafogo e Atlético PR, que provavelmente juntos não igualam a folha salarial do São Paulo.

    Lucas Fernandes não fez 10 jogos no ano, Luis Araujo e David Neres são reservas, e até agora não mostraram nada de diferente.

    O melhor jogador da base no atual elenco é o João Schmidt, e que curiosamente o São Paulo está perdendo.

  4. Retorno em que, então? Subiram este ano e ano passado vários jogadores para o time de cima e só não foram aproveitados antes por causa de uma dupla : Muricy e Milton Cruz. Milton foi mandado embora porque o diretor de futebol estava boicotando (palavras de Luiz Cunha, não minhas!). Muricy sempre desprezou a base! Antes disso,Sérgio Baresi e um tal Geraldo faziam esquema sob as ordens de JJ! A partir da vinda de André Jardine é que tudo começou a mudar, ótimos jogadores começaram a ser aproveitados (Neres, Luiz Araújo e Lucas Fernandes já são uma realidade no time de cima). Onde o retorno é deficitário???? Mudamos de treinadores uma batelada de vezes, agora é que Rogério assumiu e já está subindo a base, e acho que a base ser forte no time de cima é uma questão de tempo.

  5. Penso que não se trata de desastre. O time parou no paredão defensivo armado pela Chape. Como time pequeno, a Chape atuou visando o empate para levar a classificação para a loteria dos pênaltis. O certo é que se trata de um time que está sendo remontado e necessita de paciência. Muitos desses garotos ainda terão duas copinhas pela frente. Contudo, as safras que são colhidas na base de um time de futebol, pode perfeitamente serem comparadas às safras de vinho. Em determinados anos o “terroir” atua melhor, fazendo com que o vinho seja de melhor qualidade. A safra colhida no ano passado foi excelente…

  6. Desculpe, João, não é assim.Este não é o time que ganhou tudo ano passado, pois vários do ano passado já subiram para o profissional.Este time da Copinha é novo, acabou de ser formado para a Copinha.E o culpado ontem foi o Jardine por ter sido expulso bestamente no último jogo da primeira fase e “abandonou” o time num mata-mata ,quando o time mais precisava. A conta toda da derrota dever ir para o Jardine.O time não jogou mal, a Chape não jogou NADA (e não me venham com esta baboseira de time que supera uma tragédia,etc..isto já é passado!) mas tem um goleiro MUITO BOM! Olho nele.Nosso goleiro é fraco, realmente.Conseguiu tomar um “frango” numa das cobranças.

  7. Calma aí né gente!! O time ganhou tudo ano passado.. Uma galera subiu para o profissional.. o Jardine está remontando o time… agora aparece uns torcedores de sofá, uns babacas… vem criticar o time… vá pra Puta que o pariu…

  8. Timinho porcaria, e esse goleirinho, nao sabe nem sair do gol, é muito soberba, acharam que sendo time melhor classificado iria passar para o catadao da CHAPE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*