São-paulinos se unem para ‘dar conta do recado’ na ausência de Lucas

União: essa é a receita do São Paulo para manter a boa campanha até aqui no Campeonato Brasileiro. Quarto colocado, o Tricolor sofreu alterações táticas com a chegada do técnico Ney Franco e com o desfalque de Lucas, que reforça a seleção brasileira nos Jogos de Londres. Vice-líder de assistências da equipe na temporada, ao lado de Casemiro e atrás apenas de Jadson, o atacante fez falta no empate por 1 a 1 contra o Palmeiras, no último domingo, pelo Brasileirão.

– O Lucas é um jogador que sempre vai fazer falta. Não temos alguém igual a ele, que tem uma explosão muito rápida e parte para cima. Mas temos outros que podem fazer o que ele faz. Não com a mesma qualidade, porque ele é diferente, mas podem dar conta do recado – explica o goleiro Denis.

Jadson acumula 12 assistências, contra oito de Lucas e Casemiro. Logo atrás vêm Fernandinho, com quatro. Cícero e Luis Fabiano tem três cada.

No clássico contra o rival alviverde, o São Paulo saiu na frente logo no início do primeiro tempo e ainda ficou em vantagem numérica após a expulsão de Henrique, mas ainda assim não soube aproveitar as oportunidades e acabou sofrendo o gol de empate aos 32 minutos do segundo tempo, em um erro da defesa, que deixou Mazinho livre para balançar as redes.

Evitando críticas ao setor defensivo, Denis viu o lance como um aprendizado para a equipe e, assegurando que a falha não se repetirá, deu a receita para que todo o elenco se sinta à vontade dentro de campo.

– Cada um deve olhar para o lado e ajudar o companheiro. Futebol não se joga sozinho. Se cada um ajudar o parceiro que está do lado, esses erros e gols bobos não vão acontecer mais, tenho certeza – analisou.

Tratado como um dos responsáveis pelo fato de o São Paulo não sair derrotado da Arena Barueri, já que o adversário finalizou quase três vezes mais que o Tricolor, o goleiro compartilhou com os outros jogadores a alegria pela boa atuação e desviou os holofotes da própria imagem.

– Não posso falar que evitei (a derrota). Eu ajudei, tive uma boa parcela, mas se não fossem os 11 jogadores, não teríamos feito nada. Cada um teve sua parte. Todo mundo correu e brigou para que o time não saísse de campo derrotado.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*