Ricardo Gomes evita falar de invasão e vê o São Paulo ainda de “ressaca”

Ricardo Gomes se esquivou na entrevista após o empate por 0 a 0 com o Coritiba, no Morumbi, pela 22ª rodada do Brasileirão. O técnico preferiu não opinar profundamente sobre a invasão da torcida ao CT do Tricolor no último sábado. Mais uma vez, o treinador optou por se apoiar no pouco tempo de casa para ficar em cima do muro em relação à crise vivida pelo clube paulista.

– Todo mundo tem uma opinião. Mas, sinceramente, eu tenho de falar de futebol. Estou chegando agora. Sempre depois de Libertadores tem esses dois, três meses de ressaca – falou.

Diante da insistência das perguntas sobre a invasão ao CT, que teve roubo, agressão a atletas e ameaça, Ricardo Gomes cedeu um pouco, mas, novamente, não se aprofundou:

– Não queríamos que isso acontecesse. Mas aconteceu. Se eu der uma resposta curta, vai ter mal entendido. É um assunto extremamente complexo. Problema social, problema político… Aí quem conhece mais o São Paulo pode ficar mais à vontade – completou.

Sobre a partida e mais uma má atuação do São Paulo, dessa vez no empate sem gols contra o Coritiba, o técnico são-paulino declarou:

– No primeiro tempo, merecíamos uma vantagem no placar, mas no segundo tempo perdemos a confiança. Os números não são bons, claro. Mas vamos reverter essa situação. Jogar em casa, nesse tipo de campeonato, é extremamente importante – analisou o técnico.

O São Paulo, que não vence no Morumbi há cinco jogos (três derrotas e dois empates), volta a campo pelo Brasileirão no dia 7 de setembro, contra o Palmeiras, às 21h45, fora de casa.

Veja o que mais falou Ricardo Gomes em sua entrevista:

ECOS DA INVASÃO

– Cada cabeça, uma sentença. Somos todos humanos. Cada um com sua sensibilidade. Não tenho muito o que falar, porque não conheço tão bem o grupo. O Chavez está chegando, o Cueva também. Todo esse processo de conhecimento do São Paulo demora. Temos de recuperar no Brasileirão. Temos de encurtar esse processo de ressaca.

MORUMBI VAZIO

– Temos de trabalhar para que o estádio fique cheio. Torcida com time é uma troca. Não pode exigir casa cheia se não tem qualidade do espetáculo. Com a melhora do espetáculo, a casa fica mais cheia. Quando não tem isso, não tem essa troca.

ABALO EMOCIONAL

– Faremos tudo para o melhor desse São Paulo. Vamos utilizar todos os meios para recuperar esses jogadores. Wesley, Carlinhos. Michel Bastos… São bons jogadores, chegaram aqui pelo que fizeram na carreira. Não foram apostas, achados. São jogadores confirmados na carreira.

PROTESTO

– Espero que não aconteça mais. Não só para o São Paulo, mas para todos os clubes. Não é um problema do time, do estado, é do nosso país.

 

Fonte: Globo Esporte

3 comentários em “Ricardo Gomes evita falar de invasão e vê o São Paulo ainda de “ressaca”

  1. Sinto muito… o RG é um bom sujeito. Educado e bem intencionado. Contudo, as sequelas do AVC que sofreu se fazem visíveis até na entrevista coletiva.

  2. Tecnico e time que perderam para equipe da série C. Bauza é um verdadeiro milagreiro. Merece uma estátua por levar esse grupo e com essa diretoria à semi final da libertadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*