Renovação de Lugano está entre os desafios de novo diretor do São Paulo

Confirmado na última sexta-feira como diretor executivo de futebol do São Paulo, Vinicius Pinotti assume um dos cargos mais cobiçados do clube tendo a confiança do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva e do técnico Rogério Ceni, de quem é próximo. E de cara ele terá decisões importantes para tomar, que partem desde a redução do elenco para o segundo semestre, planejamento estratégico e a renovação ou não do contrato do ídolo Diego Lugano.

O contrato de Lugano vence no dia 30 de junho e o São Paulo já avisou que discutirá o assunto quando estiver próximo de tomar uma decisão. O desejo do jogador é permanecer. Pinotti terá papel importante na condução da situação. Para a maior parte da torcida, é necessário prolongar o contrato do ídolo, que disputou apenas seis jogos neste ano. A decisão não é simples. Rogério Ceni também parece favorável.

Outra questão importante é a montagem do elenco para as disputas do Campeonato Brasileiro e da Copa Sul-Americana. Rogério Ceni já avisou que espera contar com um grupo mais enxuto. De 34 atletas atualmente, ele espera reduzir para 29. Portanto, será preciso liberar jogadores, além de João Schmidt e Chavez, que são saídas confirmadas.

Rogério também gostaria de ter pelo menos dois jogadores com condições de brigar para serem titulares. Dar mais protagonismo ao grupo. Um meia e um atacante de lado, de preferência. A diretoria de futebol fará algum investimento para atender aos desejos do comandante?

Pinotti tem por característica colocar a autonomia como condição para trabalhar no clube. Recebeu no marketing e ganhou respaldo para ir ao futebol, a menina dos olhos do clube. Quer trabalhar em sintonia com o Conselho de Administração, mas ciente de que o órgão é regulatório e não de execução. A responsabilidade estará com ele.

Uma vantagem importante para o ex-diretor de marketing do clube é a boa relação com Rogério Ceni. Foi Pinotti quem organizou toda a festa de despedida do ídolo, no fim de 2015, evento que entrou para a história do clube. Ele foi figura importante na volta de Ceni como treinador e é um dos poucos dirigentes no clube que têm trânsito livre com o ex-goleiro. É um dos argumentos apontados no São Paulo para rebater aqueles que temem pelo surgimento de um novo Adalberto Baptista, que também saiu do marketing para assumir o futebol e entrou em atrito com o ídolo maior. Adalberto deixou o futebol em 2013, sem deixar saudade na torcida.

 

Fonte: Lance

Um comentário em “Renovação de Lugano está entre os desafios de novo diretor do São Paulo

  1. Dá licença: vamos falar a verdade!
    Alguém aí, que tivesse que pagar o Lugano de seu bolso, o contrataria para jogar em seu time? O São Paulo já pagou – e caro – pelo reconhecimento ao ídolo. Foi muito bem em sua primeira passagem, quando foi o jogador do presidente, mas agora está na hora dele reconhecer que, se quiser continuar no esporte, deve mudar de campo. Eu entendo que ele é profissional e, assim como aconteceu com o Rogério Ceni, que quase conseguiu rebaixar o time para a segundona de tanto tomar gols bobos e errar cobranças de pênaltis, nas últimas renovações, ele, Lugano, não vai enjeitar renovar seu contrato, porque não é bobo. Caberá ao Pinote enxergar isto, fazer uma bonita festa de despedida para ele, e pt… saudações!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*