Reinaldo virou o jogo: de vaiado em 2015 a ídolo em 2018

Um dos jogadores mais queridos pela torcida no atual elenco do São Paulo, Reinaldo nem sempre ouviu aplausos no Morumbi. Nesta quarta-feira, em entrevista ao canal oficial do clube no Youtube, o lateral-esquerdo lembrou que ouvia vaias ainda no vestiário, no anúncio da escalação, em sua primeira passagem pelo Tricolor.

– Não vou mentir que eu escutava (as vaias) no vestiário quando anunciavam o número 16. Eu ficava um pouco triste, mas entrava no campo e tentava fazer meu melhor, trabalhando sempre com a minha humildade. Hoje faço uma jogada e gritam meu nome, quando anunciam o número 14 também, chega a arrepiar lá dentro do vestiário. Passa um filme na cabeça, porque antes era só vaia, e hoje o torcedor grita meu nome e aplaude. Esses jogos no Morumbi estão sendo de arrepiar – disse.

– Eu cheguei com um Brasileirão só (na carreira) e infelizmente não tinha ido muito bem no Sport. Lutamos até a última rodada, mas caímos. Quando cheguei eram três laterais aqui e o Paulo Autuori me deu oportunidade contra o Corinthians, depois teve a ida para a Alemanha, Portugal, Japão. Depois veio o professor Muricy, a gente estava brigando para sair da zona do rebaixamento e chegamos na semifinal da Sul-Americana. O professor Muricy falou para renovarem comigo, para eu ficar, e isso foi muito bom. O outro ano também foi bom, a gente foi vice-campeão brasileiro. Em 2015, não foi muito bom. Fui emprestado e agora estou com mais bagagem, mais experiente e mais maduro.

Emprestado à Ponte Preta em 2016 e à Chapecoense em 2017, Reinaldo ainda era visto com certa desconfiança quando voltou ao São Paulo, em janeiro, mas fixou-se como titular da lateral e virou uma das lideranças do elenco. Hoje, já sonha em ser eternizado nas paredes do CT, que têm quadros das equipes campeãs ao longo da história.

– Em todo momento, desde que saí, minha cabeça era de voltar para o São Paulo, chegar aqui e fazer história. Já estou há uns quatro, cinco anos aqui nesse CT, e tem um quadro do meu conterrâneo Willian José, campeão da Sul-Americana. É muito bom ver os ídolos ali. Eu vou lutar muito para colocar o quadro desse elenco nesse CT. Eu vou estar nessa foto, se Deus quiser – emendou ele, que citou o título brasileiro como principal sonho no momento.

– Eu não sei nem explicar o que vai ser se isso se realizar, chegar na minha cidade campeão brasileiro. Não tem nem como imaginar. Lá tem muito são-paulino, minha família, meus irmãos são são-paulinos. Vou comemorar muito com eles.

O São Paulo volta a campo às 16h de domingo, no Morumbi, contra o Fluminense. Já foram vendidos 31 mil ingressos para a partida pela terceira rodada do returno. E Reinaldo, antes alvo de vaias da multidão, agora quer ver o estádio sempre cheio:

– Eu estava longe ano passado, mas não deixava de ver os jogos. Me lembro bem do jogo contra o Cruzeiro, com o Morumbi lotado, bonito de ver. O Hernanes acabou com o jogo. Essa energia que começou o ano passado é muito boa. No último jogo, contra o Ceará, o torcedor não desacreditou em nenhum momento, deu força para nós. Espero que daqui até o último jogo eles estejam lá nos apoiando. Para domingo agora, quem não comprou ainda, que compre, porque é muito importante para nós ter essa sintonia com a torcida, essa energia positiva vindo da arquibancada.

3 comentários em “Reinaldo virou o jogo: de vaiado em 2015 a ídolo em 2018

  1. O torcedor sempre teve um “pé atrás” com ele que, mesmo na outra passagem, não foi tão mal como fizeram parecer. A gota d’água foi a eliminação da Libertadores, contra o Cruzeiro no Minerão, quando, segundo os críticos de plantão, ele teria sido culpado por levar duas bolas nas costas que ocasionaram os gols da raposa. Quem entende um pouco de futebol deveria analisar que se o lateral apóia ele sempre vai estar sujeito a tomar a tal bola nas costas e que, se a equipe está bem treinada, haverá alguém responsável pela cobertura, coisa que, na ocasião, não existiu e nem foi cobrado de quem deveria!!!

  2. De Ruimnaldo a Kingnaldo…
    Nem tão ruim antes nem tão genial agora. Um bom jogador e ótimo profissional que tem sido fundamental nessa recuperação do Tricolor.
    Que continue na boa fase por longo tempo. Estou torcendo por ele.

    • Falou tudo… nada genial porém é bom jogador! Torço muito por ele muito humilde, só espero que na hora que ele erra a torcida ao invés de vaiar, aplaudi ele pois merece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*