Peñarol se diz disposto a fazer amistoso com São Paulo para homenagear Pedro Rocha

Ídolo histórico do Peñarol e do São Paulo, Pedro Rocha sofre de atrofia do mesencéfalo prestes a completar 70 anos de vida. Seu filho Gonçalo pediu aos clubes uma homenagem em vida. Os torcedores do time uruguaio organizaram até um abaixo-assinado para que o jogo beneficente aconteça. No que depender dos dirigentes da equipe uruguaia, o amistoso entre os principais clubes em que Pedro atuou tem tudo para ser realizado.

“Tenho conhecimento deste abaixo-assinado dos torcedores e estamos trabalhando para tornar essa partida possível. Queremos levar o time principal para enfrentar o São Paulo. Deixo claro que estamos dispostos a fazer esta partida. Pedro Rocha é um ídolo do Peñarol e um símbolo de vitória para nós”, disse Edgar Walker, vice-presidente do Peñarol, ao UOL.

O Peñarol aceita que a partida seja realizada tanto no Brasil quanto no Uruguai. Segundo Walker, a ideia da diretoria do clube uruguaio é enviar um emissário para São Paulo para acertar todos os detalhes do jogo festivo com o Tricolor.

A ideia do Peñarol foi bem vista pelo São Paulo. Rui Branquinho, que assumiu a diretoria de marketing do São Paulo há pouco mais de uma semana, disse que o tema entrará na sua reunião de pauta com os outros dirigentes do Tricolor para a semana que vem.

“É obvio que qualquer coisa envolvendo qualquer grande ídolo do São Paulo, o clube vai ter toda atenção ao assunto. Quanto a assumir o compromisso de um jogo com o Peñarol, tem fazer que parte do calendário, isso não é só uma decisão minha”.

A atrofia do mesencéfalo é uma doença que afeta os movimentos do corpo e da fala, que ficam cada vez mais comprometidos. Pedro Rocha sofre deste mal há seis anos. Segundo Gonçalo, um dos filhos, ele segue lúcido, mas interage cada vez menos devido ao estágio avançado da doença.

Gonçalo contou que paga o caro tratamento mensal de Pedro Rocha com a ajuda de amigos e da sua família, pois o ex-jogador recebe apenas R$ 1.800 de pensão. Estima-se que os gastos alcancem a cifra de R$ 10 mil mensais. O São Paulo colabora muito na parte dos exercícios de fonoaudiologia e na fisioterapia, segundo o filho do uruguaio. O Peñarol não dá nenhuma contribuição. “Mas a gente também não pediu nada”, justificou.

O filho de Pedro Rocha não escondeu o contentamento em saber que a homenagem em vida ao seu pai tem chances de ser realizada pelos dois clubes onde o uruguaio ficou marcado no cenário internacional.

“Para gente é uma honra, um prazer enorme. São os dois clubes que meu pai mais teve tempo na carreira. Ele atuou por 10 anos no Peñarol, foi tri da Libertadores, ganhou dois mundiais, onde surgiu. O São Paulo é o time do coração dele, que ele mais se identificou e adora até hoje”, explicou Gonçalo, que não garantiu a presença de Pedro Rocha no possível evento por causa do estado de saúde do jogador. “Talvez seja melhor ele ver pela TV”.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*