Juvenal pede calma, mas espera que Tricolor supere a pressão do Coxa

O São Paulo entra em campo logo mais, às 21h50 (de Brasília), no estádio Couto Pereira, para decidir sua vida na Copa do Brasil diante do Coritiba, pelo segundo jogo das semifinais. ‘Descansado’, o presidente do clube, Juvenal Juvêncio, torce para que o Tricolor já mostre serviço superando a pressão dos paranaenses e conquistando o título contra Palmeiras ou Grêmio.

O último título do São Paulo foi o Campeonato Brasileiro de 2008 e depois disso, garante Juvenal, o time se “cansou” de vencer. Do final do ano passado até o início do Paulistão de 2012, o time sofreu uma reformulação com oito contratações (Paulo Miranda, Edson Silva, Douglas, Cortez, Fabrício, Maicon, Jadson e Osvaldo), além de uma série de baixas (Juan, Xandão, Carleto, Jean, Cléber Santana, Rivaldo, Marlos, Carlinhos Paraíba e Dagoberto).

“Hoje nós não estamos brilhando, mas tem que ter o exercício da paciência. Fui campeão em 2006, 2007 e 2008, depois não fui. Não fui porque eu não quis, porque essas coisas cansam. Essas coisas se deterioram, a convivência cotidiana se deteriora e nós estamos recompondo agora. Oxalá esse ano a gente possa mostrar algo importante, mas no ano que vem pode apostar nisso, que nós vamos crescer ainda mais”, discursou Juvenal Juvêncio, que garantiu Leão no cargo mesmo em caso de eliminação e ainda ‘pegou leve’ na cobrança.

No Couto Pereira, com direito ao mandatário como principal espectador, o São Paulo disputa uma das vagas na final da Copa do Brasil diante do Coritiba. No primeiro jogo, no Morumbi, o time de Emerson Leão venceu por 1 a 0, com gol marcado por Luis Fabiano, e entra em campo no Paraná com a vantagem do empate. Juvenal teme que a pressão da casa do adversário possa dificultar a missão, mas mantém a fé.

“É difícil o jogo, muita pressão. Eles já pressionaram o juiz na saída, no vestiário, no hotel, têm torcida histérica, gritando, aí em campo o jogador rola, a torcida protesta e juiz marca. É difícil, mas o São Paulo tem peso, está se amoldando, se compondo, está querendo crescer. Jogou mal contra o Coritiba no primeiro jogo, mas já melhorou. Vai precisar mais. Se não for mais não chega, e nós queremos chegar agora. Se eu não sobreviver agora, pra o futuro eu já plantei”, vislumbra o mandatário.

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*