Joia 2017: Shaylon vai de Modelo aos EUA com manual de Ceni para brilhar

Modelo é um pequeno município de Santa Catarina, com 4.063 habitantes segundo o Censo de 2010. Lá nasceu, cresceu e passou o último Réveillon o meia Shaylon, de 19 anos, esperança do São Paulo para o ano que se inicia. Na última semana de 2016, ele treinava para disputar a Copinha quando foi chamado por Rogério Ceni para ser informado que fará pré-temporada e disputará o Torneio da Flórida, nos Estados Unidos, junto com o time principal.

A ideia inicial do técnico era deixar que o camisa 10 do time sub-20, supercampeão no ano passado, disputasse o torneio de juniores para se aprimorar ainda mais, e também para não desfalcar a equipe de André Jardine. Mas a falta de jogadores da posição no elenco principal e as atuações de Shaylon nos últimos meses mudaram seus planos.

O próprio Ceni chamou o jovem para uma conversa. E lhe deu uma espécie de manual de instruções para construir uma carreira bem sucedida no Tricolor, algo que o ex-goleiro conhece bem, já que se aposentou após 25 anos no mesmo clube, com o status de principal ídolo.

– A linha de trabalho do Rogério chama atenção. Ele me explicou como vai ser, o que tem de fazer, para se manter na linha, ser profissional mesmo, ter cabeça boa. Acho que tem de ser assim para ter sucesso. Se não trabalhar, não dá certo. Tem que se dedicar, e ele é um grande exemplo disso. Ele será uma inspiração para nós – afirmou o meia ao GloboEsporte.com.

Típica cidade do interior, Modelo é daquelas em que todos se conhecem, a ponto de habitantes baterem à porta da casa da família de Shaylon para pedir uma foto com o candidato a grande jogador. Na próxima sexta-feira, ele embarcará rumo aos Estados Unidos.

– Tenho uma expectativa muito boa, acho que o Rogério vai querer observar, ver meu potencial e o de todo mundo. Vou dar meu máximo, é minha chance, espero que ele goste de mim. Quero mostrar tudo que sei para me firmar no profissional. Fiquei muito feliz com a notícia, é o que todo mundo quer, não posso negar minha felicidade.

Nas comparações que insistem em fazer entre garotos que despontam nas categorias de base e ídolos já consagrados pelo mundo, Shaylon foi obviamente ligado a Paulo Henrique Ganso, que comandou o meio-campo do São Paulo entre 2012 e 2016. A alusão deixa o moleque orgulhoso. Inclusive, uma velha cobrança feita ao ídolo, para entrar na área e finalizar com maior frequência, ajudou a lapidar o futebol do fã nas categorias de base.

– Tenho a característica de dar sequência no jogo, do passe, de chegar à área e fazer gols. É muito importante para um meia estar na área. Ouvi esse negócio do Ganso (as cobranças para que entrasse na área). Eu era um pouco assim também, mas muita gente me falou que o meia precisa chegar mais, chutar, eu fui aprendendo e deu certo. Ainda bem – contou Shalyon, artilheiro da última Copa do Brasil sub-20, com seis gols

Além de Ganso, o novo pupilo de Ceni admira o alemão Özil e tem como ídolo maior o argentino Lionel Messi, cujo futebol ele considera “inexplicável”.

De Modelo, hoje com cerca de cinco mil habitantes, Shaylon viajará à terra da Disney, onde começará a alimentar o sonho de se exibir para 60 mil pessoas no Morumbi.

– Nas finais da Copa do Brasil de 2015 e 2016 havia perto de 20 mil pessoas, na Arena da Baixada e em Pituaçu, mas nada se comparar ao time profissional. A pressão é outra, a torcida é diferente, jogar um campeonato com uma torcida dessa é algo que nem sei explicar. Acho que será um grande aprendizado – definiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*