Ganso lembra das agressões em Neymar e pede goleada no Bolivar

Paulo Henrique Ganso já enfrentou o principal adversário do São Paulo no ano. É assim que o time do Morumbi encara o Bolívar, rival do Santos nas oitavas de final da Libertadores do ano passado. E é desse jogo que o meia tira lições para ajudar seus companheiros na pré-Libertadores desta temporada, no duelo de ida e volta que começa no dia 23 de janeiro, no Estádio do Morumbi.

O jogo de ida, na Bolívia, ficou marcado pelo objeto ainda não identificado que atingiu Neymar no rosto, quando o atacante foi bater um escanteio. Depois do episódio, a partida ficou completamente conturbada, e o placar de 2 a 1 para os donos da casa, que usaram e abusaram da altitude, acabou mantido. Na volta, no entanto, a equipe da Vila Belmiro atropelou o Bolívar e assegurou a vaga com um triunfo de 8 a 0.

“A lição que eu tirei daquele jogo é que não podemos dar bola para o extracampo. Temos que pensar sempre dentro do campo, sem agredir adversário, sem jogar contra a torcida deles”, disse Ganso.

Neste ano, uma grande diferença entre o que Ganso enfrentou em 2012 e enfrentará agora, em 2013, é que a decisão da vaga ficará na Bolívia. Já prevendo a dificuldade com a altitude e a possível catimba, o jogador pede um placar elástico na partida de ida do Morumbi.

“Os jogadores que estão lá já estão acostumados há bastante tempo com a altitude. Você faz um pouco mais de força e já sente mais os efeitos”, lembra o jogador. “A gente vai jogar dentro do Morumbi e vai ser fundamental fazer um placar elástico para ver se a gente chega lá e garante a classificação”, finalizou.

Fora de campo, comissão técnica e diretoria afirmam que é essencial a vaga para que a temporada não fique inteiramente comprometida. O sonho dos são-paulinos é voltar ao Mundial de Clubes, que, neste ano, será disputado em Marrocos.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*