Ex-‘reforço imediato’, Paulo Assunção tem menos de 90min no Tricolor

Foram duas semanas até o São Paulo conseguir regularizar Paulo Assunção na ConfederaçãoBrasileira de Futebol. Período em que o técnico Ney Franco avisou: assim que estivesse liberado, o volante seria utilizado “de imediato”. Três jogos depois, o cenário é outro, e ele soma menos de 90 minutos em campo.

O jogador de 32 anos contratado do Atlético de Madrid totaliza, na realidade, 62 minutos com a camisa tricolor, sendo 24 na segunda etapa da derrota para o Fluminense e os 38 finais do revés para o Náutico – em duelo intermediário, contra o Grêmio, permaneceu o tempo todo no banco de reservas do Morumbi.

A ideia inicial de Ney Franco era escalá-lo a fim de dar maior liberdade a Denilson, mas o outro titular do meio-campo vem sendo Maicon, contrariando os apelos anteriores da comissão técnica para que a diretoria contratasse um volante e suprisse lacuna deixada por Wellington, em recuperação de cirurgia no joelho esquerdo desde fevereiro deste ano.

Djalma Vassão/Gazeta Press

No revés para o Grêmio, volante nem saiu do banco

A explicação para a não utilização de Paulo Assunção pode vir do esquema tático 3-5-2 – retomado para reforçar o atualmente frágil sistema defensivo –, já que o jogador está bem fisicamente, até por ter participado de boa parte da pré-temporada do Atlético e de ter treinado duas semanas antes de estrear, no meio da semana passada.

“Estou preparado para jogar”, disse o jogador, em entrevista ao site oficial do clube, em 26 de julho, dia de seu primeiro dia de trabalho com o resto do elenco, no CT da Barra Funda.

Ainda sem ter estreado como titular, Paulo Assunção vê Wellington cada vez mais próximo do retorno aos gramados. O jovem formado nas divisões de base do clube está recuperado clinicamente e tem treinado com os preparadores físicos muitas vezes em dois períodos, como fez na quinta-feira.

Na manhã desta sexta, Ney Franco ensaia a escalação que vai a campo no sábado, diante da Ponte Preta, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Como a equipe não vive boa fase e vem de três tropeços, fica difícil saber se Paulo Assunção será mais uma vez só opção ou se otreinador, não exatamente de imediato, arriscará fazer mudanças na formação inicial.

Fonte:  Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*