Entenda como Dorival Júnior deve utilizar Valdívia no São Paulo

O meia-atacante Valdívia foi um pedido especial do técnico Dorival Júnior à diretoria do São Paulo. Emprestado pelo Internacional até o fim desta temporada, o jogador chega para ser um curinga no sistema ofensivo do Tricolor. Habilidoso, inteligente e veloz, o novo reforço do clube do Morumbi pode atuar tanto pelas beiradas do campo como ser o responsável pela armação das jogadas da equipe, escalado mais centralizado.

A princípio, o jovem jogador, de apenas 23 anos, deve disputar posição com os jogadores acostumados a jogar pelos lados. Atualmente, Marcos Guilherme é o dono da posição pelo lado direito e o peruano Cueva disputa com Brenner a vaga pelo lado esquerdo. Além do trio, o técnico Dorival Júnior tem uma oferta de meias e atacantes para a função: Paulinho, Cipriano, Caíque e Morato.

A intensão da comissão técnica do Tricolor é de que Valdívia seja um criador de jogadas pelas beiradas. O jogador desempenhou bem essa função em seu começo de carreira, no Internacional, e chamou a atenção do técnico Dorival Júnior. Por ser um bom finalizador e ter facilidade para chegar ao gol adversário, o reforço são-paulino é apontado como o último do clube para este início de temporada.

 

Fonte: Lance

4 comentários em “Entenda como Dorival Júnior deve utilizar Valdívia no São Paulo

  1. é um jogador diferenciado, excelente movimentação e muito inteligente.

    Só tem o problema do passe… viramos time pequeno que só tem jogador por empréstimo…

    Marcos Guilherme e Valdivia ambos jovens e com grande potencial, emprestados pelos seus clubes pra valorização… duvido que o SP pediu preço fixado de compra…

  2. E a questão do passe do jogador: veio com o preço estabelecido para compra ou vamos fazer o trabalho de recuperar o jogador e devolvê-lo pra ser vendido para fora?
    O Paulo Pontes bem que podia esclarecer este detalhe.
    Pergunto isto pelo fato de que, nos últimos anos, o clube adquiriu o péssimo hábito dos pequenos times, de montar um time para cada temporada. Caso não exista uma cláusula de compra e/ou de algum lucro com possível venda, fica bem caracterizada essa condição: contratam veteranos em fim de carreira e empréstimos de “encostados” para completar elenco até o fim do campeonato. Para o ano que vem…bem, no ano que vem repetem-se as desculpas e continuamos um time “em formação” perpétua…

  3. O Valdívia Clone, teve um início de carreira meteórico. Chegou a ser cogitado com um selecionável. Veloz e habilidoso, também costuma concluir bem as jogadas. Desde que sua condição física esteja 100% – nosso departamento médico já mostrou que pode errar feio, vide Maicossuel – será um bom reforço para a temporada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*