Em meio a queixas por cansaço, Ceni destaca “prazer de jogar”

O assunto mais falado no São Paulo ultimamente tem sido o desgaste físico do elenco devido à sequência de compromissos em duas competições. Ao contrário do técnico Muricy Ramalho e de alguns colegas de elenco, Rogério Ceni prefere procurar lado positivo na maratona de jogos.

“Tem deslocamento de ônibus, hotel, aeroporto. Mas é uma mistura de desgaste com prazer de jogar, com chance de vencer”, disse, ao observar, porém, que se não se cansa tanto como os demais. “Para nós que somos goleiros, um pouco menos. Mas, para o pessoal de linha, a tendência é, no fim de semana, cada vez mais cair de produção”.

O duelo de domingo contra o Criciúma, em Santa Catarina, será três dias depois do duro confronto com o Emelec. Além disso, a partida anterior foi na segunda-feira, em virtude da eleição presidencial. Uma semana atípica e que será seguida por outras duas viagens, para Guaiaquil (onde o time fará o jogo de volta contra o campeão equatoriano, na quarta-feira) e Salvador (palco do jogo contra o Vitória, no domingo que vem).

Rubens Chiri/www.saopaulofc.net

Goleiro são-paulino tenta compensar qualquer sensação de cansaço com a parte motivacional e psicológica

O que faz Ceni ter maior prazer de jogar, afora o fato de se desgastar menos por ser goleiro, é a proximidade de sua aposentadoria. Aos 41 anos, ele encerrará a carreira em dezembro. Restam-lhe, portanto, pouco mais de cinco semanas como profissional, nas quais promete compensar qualquer sensação de cansaço.

“Nunca mais na vida estarei 100%, mas vou estar sempre com o desejo de estar jogando. Sempre com o intuito de, no que faltar da parte física, tentar na parte motivacional e psicológica para ajudar a sairmos vencedores”, comentou o camisa 1, durante coquetel de lançamento de duas revistas do São Paulo, em um camarote do Morumbi, na noite de sexta-feira.

O prazer de jogar, porém, não significa que Ceni necessariamente tenha a mesma vontade de falar sobre isso. Depois de atender a duas emissoras de televisão, o ídolo são-paulino não quis comentar sobre o Criciúma, adversário de domingo. “Não, não, não. Sobre o jogo? Hoje? Sobre o jogo? Não”, esquivou-se, tentando – sem sucesso, devido ao assédio – encontrar um pouco de descanso, com as câmeras já desligadas.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*