Do silêncio à vibração: São Paulo se reapresenta após novo vexame

Pela terceira vez no ano, o São Paulo precisou esquecer os traumas de uma eliminação rapidamente para voltar a trabalhar no CT da Barra Funda. Nesta sexta-feira, a ressaca da queda na Copa Sul-Americana para o modesto Defensa y Justicia (ARG) deixou o ambiente tomado por baixo astral no início das atividades, até o trabalho dos reservas deslanchar e melhorar os ânimos.

Os titulares, que ficaram apenas no Reffis para exercícios regenerativos, chegaram mais tarde ao CT, quando os reservas já se preparavam para iniciar o treinamento em campo. Eram 14 jogadores de linha e mais três goleiros à disposição do técnico Rogério Ceni, que baixou o volume das broncas e das orientações em relação ao usual no dia a dia.

Foram três fases de treinamento. A primeira teve apenas os atletas de linha, voltada para a posse de bola diante de marcação pressão. A segunda colocou frente a frente dois times de oito jogadores em campo reduzido. Primeiro, só era permitido finalizar após passes na entrada da área. Depois, havia a exigência de passar pelas pontas antes das conclusões a gol. Os garotos Militão e Lucas Fernandes e o atacante Marcinho foram os destaques.

Por fim, Ceni deixou os sete jogadores mais ofensivos em linha na intermediária e os sete mais defensivos na altura da grande área. O técnico lançava para um dos atacantes, que deveria enfrentar no mano a mano o defensor à frente. Ao entrar na área, o marcador não poderia mais dar botes e o condutor da bola precisava vencer os goleiros.

Foi aí que os ânimos mudaram. Os defensores vibravam pelos desarmes dos companheiros ou pelas intervenções dos goleiros, então Ceni decidiu criar competição por pontos. Chavez, também empolgado, contagiou os atacantes, mas os marcadores levaram a melhor por 16 a 6, apesar da superioridade de Marcinho contra Edimar e de Wellington contra Militão.

Lucas Perri, Denis e Sidão trabalharam bem, mas o destaque defensivo foi Buffarini. Incansável já na segunda parte do treino, o argentino perdeu apenas uma vez o duelo com Luiz Araújo, que se irritou e pediu até pênalti – desperdiçado. Os demais defensores pilharam o garoto, que desafiou Buffa mesmo após o fim da atividade. O resultado? Novas vitórias do lateral-direito, muito exaltado por Ceni.

O São Paulo volta a treinar neste sábado e, às 16h de domingo, estreia no Campeonato Brasileiro contra o Cruzeiro, no Mineirão.

Fonte: Lance

4 comentários em “Do silêncio à vibração: São Paulo se reapresenta após novo vexame

  1. Uma das grandes virtudes do Tite é saber tirar do jogador o que ele tem de melhor, fazendo com que ele cresça, revelando potenciais escondidos, sabe aproveitar o elenco que tem em mãos da melhor maneira.
    Isto tem um preço, ficar em segundo plano e projetar para a torcida seus atletas.
    Todavia, quem bebe água na fonte da prepotência nunca permite que isto aconteça, busca sempre eclipsar os demais, mesmo que isto tenha um alto preço a pagar, seu caráter é tão fraco que não percebe o mal que provoca ao seu redor, uma vez que ele seja o centro das atenções. Vide JJ. E outros tais, que apenas com visitas sociais, de tão prepotentes que são, acreditam estarem capacitados a fazerem um trabalho que demanda tempo e muita experiencia.

  2. O que ele tem treinado, pq nada tem eficiencia, pq posse de bola nao da vitoria a time nenhum se nao fizer gols e tb nao tomar gols, para mim so fica no sao paulo pq uma mudança sera mais prejudicial nessa altura, e essa porcaria de diretoria e novo diretor que bancou o rogerio nao vao tira-lo pode perder mais 10 jogos que vao manter o Sir Rogerio.

  3. Como insiste em bradar o Rogério nas coletivas… no “seu” entender, o trabalho está sendo bem feito. Contudo, devo lembra-lo que resta um pequeno problema, quase sem importância: ele não tem gerado vitórias. Três desclassificações em menos de um mês é IMPERDOÁVEL! Quanta empáfia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*