Cuca reestreia no Morumbi para apagar frustração de 15 anos atrás

O último jogo de mata-mata que o São Paulo disputou no Morumbi com Cuca no comando foi em junho de 2004. E é um dos mais frustrantes da carreira do treinador, que fará sua reestreia como técnico tricolor no estádio do clube em uma condição muito parecida.

Há 15 anos, no jogo de ida da semifinal da Libertadores, o São Paulo ficou no 0 a 0 com o colombiano Once Caldas diante de 70.054 torcedores. Na Colômbia, foi derrotado por 2 a 1 e acabou eliminado da competição.

Naquela temporada, a conquista da América era uma obsessão para o São Paulo, que retornava à competição após dez anos sem disputá-la, e de Cuca, que estava em seu primeiro trabalho à frente de um grande clube brasileiro. Quem conviveu com o técnico à época diz que ele ficou muito abalado com a eliminação, tanto que acabou pedindo para sair do Tricolor pouco tempo depois.

Até hoje, quando questionado sobre a Libertadores de 2004, Cuca reclama da enorme bandeira do Japão que o São Paulo estendeu no gramado do Morumbi antes do jogo contra o Once Caldas. Para ele, aquilo foi um combustível extra para os colombianos. Ele também costuma citar que Agudello, o autor do gol que eliminou o Tricolor na Colômbia, estava impedido no lance e foi pego no exame antidoping dias depois.

Um novo empate sem gols no jogo de ida contra o Corinthians, pela final do Paulistão, às 16h de domingo, não seria o melhor dos resultados para Cuca e o São Paulo, que decidirão o título em Itaquera. Logo em sua segunda partida neste retorno ao clube, a primeira em casa, o técnico tem a chance de dar um passo rumo ao título que o clube não conquista desde 2005 – com uma equipe, em grande parte, montada por ele no ano anterior.

Uma fonte melhor de inspiração é o duelo contra o Deportivo Táchira (VEN), pelas quartas de final daquela Libertadores: o São Paulo venceu a ida no Morumbi por 3 a 0 e jogou tranquilo fora de casa, tanto que goleou por 4 a 1. Nas oitavas de final, o Morumbi recebeu a partida de volta contra o Rosario Central (ARG): após derrota por 1 a 0 na Argentina, os brasileiros venceram por 2 a 1 e se classificaram nos pênaltis.

Cuca disputou um outro mata-mata no Morumbi em sua passagem anterior pelo São Paulo. No Paulistão de 2004, em jogo único, perdeu por 2 a 0 para o São Caetano de Muricy Ramalho e foi eliminado logo nas quartas de final após fazer uma campanha irrepreensível na fase de classificação.

 

Fonte: Lance

Um comentário em “Cuca reestreia no Morumbi para apagar frustração de 15 anos atrás

  1. Estamos todos muitos felizes – e esperançosos – por estarmos numa final. É certo.
    Entretanto, precisamos lembrar que o time vem jogando bem a, apenas, 4 partidas; o resto foi aquela m… toda que assistimos.
    Como estará o time no Morumbi?
    50 mil pessoas podem se frustrar?
    O time vai ter apenas “pegada” pela pressão da torcida, ou vai “jogar futebol” como se deve?
    Vai haver jogadas ensaiadas; tranquilidade na frente do Cássio; batidas de fora da área; todo mundo vai correr por todo mundo?
    O time estará preparado para suportar o ante-jogo do curintia e algumas pegadas mais pesadas sem, entretanto, perder a concentração no que interessa?
    Tudo isto são atitudes que o Cuca deverá deixar muito claro a cada jogador que ele pensa em colocar para jogar (os 11 titulares e os 4 ou 5 que deverão estar preparados para uma mudança na forma do time jogar, caso necessário).
    Deixar claro ao Antony, ao Igor Gomes, ao Liziero, que alguns vão tentar desestrutura-los através de violência ou ameaças. Deixar claro para o Reinaldo que machismo não ganha jogo; pelo contrário, pode fazer perder. Alertar o Hudson para ter cuidado nos botes, principalmente perto e dentro da grande área, porque ele é vezado em chegar atrasado e acertar o adversário. Alertar a todos que agora, com o VAR, não é possível colocar a mão no adversário dentro da área porque pode ser flagrado e virar um pênalti. Lembrar que, no último paulistinha, fomos desclassificados pelo curintia com um gol aos 48 do segundo tempo, em um escanteio com todo mundo dentro da grande área, feito de cabeça, por um jogador de baixa estatura, por ansiedade ou falta de concentração e que isto é inadmissível.
    Enfim: lembrar que ainda não ganhamos nada e que o primeiro jogo é de tamanha importância que, caso seja possível, um placar folgado deverá ser buscado.
    É isto que espero do Cuca: que ele antecipe todas as variantes possíveis e as previna para que não fiquemos ao sabor do imponderável!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.