Campo “decorado”, elogios a reforço e comparações a Tite: o início de Ceni

Quatro treinos depois, a impressão sobre o início de trabalho de Rogério Ceni é a melhor possível no São Paulo. Sim, há uma enorme boa vontade de jogadores, dirigentes e funcionários com o maior ídolo da história do clube, mas a análise dos que mais entendem de futebol no CT da Barra Funda aponta para uma evolução com o novo técnico.

A parte física foi predominante nas quatro sessões de atividades espalhadas por dois dias, 4 e 5 de janeiro. A partir do dia 10, Ceni e sua comissão técnica, formada pelo inglês Michael Beale e o francês Charles Hembert, além do auxiliar fixo Pintado, darão ênfase à parte tática.

Rogério Ceni treino São Paulo (Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net)Rogério Ceni comandou quatro treinos no CT antes da viagem aos Estados Unidos (Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net)

A ideia do treinador é coletar neste mês, antes do início do Campeonato Paulista, o maior número possível de informações para montar sua equipe. Por enquanto, há quem tenha chamado atenção, não só dele, mas de todos os envolvidos nos treinamentos.

É o caso do atacante Wellington Nem, de desempenho elogiadíssimo. Contratado por empréstimo a custo zero junto ao Shakhtar Donetsk, com gastos com luvas e salários, ele chamou atenção nesses primeiros dias. O argentino Buffarini, lateral-direito que começará o ano improvisado na esquerda, e cuja postura é elogiada no CT desde o ano passado, também tem ganhado pontos. Não são os únicos.

Por trás da comissão técnica, há quem compare o modo de comandar treinos e as ideias de jogo de Rogério Ceni às de Tite, unanimidade nacional à frente da seleção brasileira. Apesar de sistemas diferentes de jogo, quem conviveu de perto com ambos vê similaridades nos estilos.

neilton wellington nem treino São Paulo (Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net)Wellington Nem se esforça no desarme: pontos com a comissão técnica (Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net)

A exigência do workaholic Ceni, ao menos por enquanto, empolga quem está por perto. Em sua entrevista coletiva, na última quinta-feira, ele voltou a citar Luis Felipe Batista e Raony Thadeu, do departamento de análise de desempenho. Chamou ambos de “fantásticos”. Eles foram dos mais exigidos na caça por reforços baratos que pudessem qualificar o elenco.

Michael Beale e Charles Hembert, auxiliar técnico e supervisor de futebol, têm autonomia para, durante o treino, dividirem o comando com Ceni. Enquanto o ex-goleiro ficou responsável por um grupo, o inglês e o francês ditaram as regras na outra metade do campo.

No gramado, artefatos diferentes: cones e bolas coloridas, bonecos infláveis que simulam adversários, bem como aqueles elementos de barreiras móveis. Quem presenciou a primeira atividade relata que jamais viu tamanha intensidade. Absolutamente fora de ritmo na volta das férias, os jogadores ficaram extenuados com 10 minutos de atividade.

Ceni se preocupou em diminuir o ritmo do treino, aos poucos. Conceitos como pressão sobre a bola e precisão de finalização foram inseridos. Na quinta-feira à tarde, os goleiros passaram mais tempo ao lado dos atletas de linha, treinando em espaços curtos e pressionados para darem o passe, do que recebendo chutes a gol. Essa será uma tônica dos treinos do ex-titular da posição. Os goleiros terão de jogar com os pés, e treinarão para isso.

Do dia 7 ao dia 21, Rogério Ceni terá a missão de aprimorar o São Paulo à sua maneira. As primeiras horas de trabalho dão ao clube uma forte sensação de sucesso à vista.

 

Fonte: Globo Esporte

2 comentários em “Campo “decorado”, elogios a reforço e comparações a Tite: o início de Ceni

  1. Paulo boa tarde! Vc saberia dizer qual os valores que o novo patrocinador do SP fechou com o clube? Não vi os valores de controle serem divulgados em nenhum veículo de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*