Breno dá fim a osso de defunto e se anima: “jogo onde o Rogério quiser”

O São Paulo pode ter a sua zaga reforçada por uma das principais promessas do futebol brasileiro nos últimos anos na partida contra o PSTC, nesta quarta-feira (1), às 19h30, em Londrina. Não por acaso, Breno despontou no Tricolor campeão brasileiro de 2007 e já foi convocado para a seleção brasileira. Habilidoso, logo chamou a atenção do Bayern de Munique, da Alemanha, e no mesmo ano foi negociado por R$ 31 milhões.

Mas uma lesão no joelho direito dificultou a carreira do jogador. Quando defendia o Nuremberg, também da Alemanha, em 2010, foi submetido a uma cirurgia, nos Estados Unidos, para a implantação de um enxerto de cadáver no local.

O tratamento não teve o efeito esperado. Por isso, não foi tão simples o seu retorno aos gramados. Tal situação também mexeu com o emocional do atleta, que ficou preso por quatro anos por ter colocado fogo na própria casa. Em 2016, ele foi operado mais uma vez para a retirada do enxerto e, agora, está pronto para servir o técnico Rogério Ceni.

“Tirei o enxerto de cadáver que tinha sido colocado em 2010, porque ele deu uma rejeição no meu joelho e sempre inchava. Graças a Deus, deu certo e o joelho não está inchando. Está zero e estou superfeliz. Isso é o mais importante. Agora, é só minha cartilagem, o meu tendão, mesmo. Não tem nenhum restrição de movimento”, celebrou o jogador, que se cuida para evitar futuras lesões.

“A princípio estou bem. Eu chego uma hora antes para fazer o fortalecimento para o joelho. Não estou sentindo dor nenhuma. É claro que no começo você tem aquele receio. Até porque não foi apenas uma cirurgia, são quatro. Mas, depois que você aquece, o joelho vai embora. E tem de fazer sempre o fortalecimento, porque como o pessoal do Reffis diz: ‘se você passa por cirurgia tem de estar sempre fortalecendo para manter o joelho estável'”, explicou Breno.

Até mesmo por conta desse problema, o zagueiro só atuou em duas partidas no ano passado e em seis em 2015. Nesta temporada, porém, ele espera que a história seja diferente e consiga jogar mais vezes com a camisa do São Paulo.

“Estou feliz demais, só tenho a agradecer. Esse ano estou treinando com o grupo, fazendo tudo certinho. O joelho não está se queixando de nada. Em 2017, o grupo está unido, bacana e tem tudo para dar certo neste ano”, apostou o jogador.

A empolgação de Breno para voltar a atuar é tanta que ele se coloca à disposição para jogar tanto na zaga quanto como volante, como aconteceu com o técnico Juan Carlos Osorio, em 2015. “Para poder ajudar o São Paulo, jogo de zagueiro ou volante, onde o Rogério achar melhor eu jogar, estarei à disposição”, disse Breno.

 

Fonte: Uol

4 comentários em “Breno dá fim a osso de defunto e se anima: “jogo onde o Rogério quiser”

  1. Thal Caló, Respeito por demais a sua opinião, até porque já vi diversos comentários seus com total discernimento e razão no que diz, porém minha opinião desta vez vai contrária a sua, quem joga ou já jogou futebol, sabe muito bem com condicionamento é tudo na hora de jogar, Breno esta voltando e ainda por cima correu ao lado do Diego Lugano, ou seja, Breno correu totalmente na subida, tenho total confiança em seu futebol e sei que no SPFC ele jamais faria corpo mole, ele entrando em forma com certeza é zagueiro para ser titular.

    Enfim, sei que todos estamos torcendo para que de certo e acerte de vez a nossa zaga.

  2. Caro RICARDO SILVA, espero que esteja certo, mas continuo na opinião que o SPFC já deveria ir se preocupando em procurar nas bases ou mesmo em outros clubes, outro jogador que atenda tecnica e fisicamente os desafio propostos por RC.

  3. O primeiro tempo do Breno no jogo do novorizontino foi excelente, se antecipou e ganhou todas as jogadas, tanto por baixo como por cima, saiu jogando bem, parecia o velho Breno, o monstro, já no segundo tempo cansou, morreu em campo, por isso os erros crassos. Ou seja, falta condicionamento físico e ritmo de jogo, confio demais no Breno, se entrar em forma coloca Maicon e Rodrigo Caio no bolso.

  4. Depois de uma péssima atuação jogando na zaga contra o Novorizontino tenho minhas dúvidas de sua capacidade nesse setor, talvez volante ou terceiro zagueiro a frente, pode ser que de certo.

    Os reservas de zaga do SPFC são muito fracos, Lugano tem vontade mas a idade pesa, num jogo ou outro tudo bem, mas em jogos decisivos pode se complicar.

    O restante, excetuando-se Lyanco que vai embora, são muito fracos. Eu tentaria buscar um jogador da base para ser reserva nesse setor tão desprovido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*